Broxar ou brochar? Brocha ou broxa? O certo é broxante ou brochante?

Com o sentido de “não conseguir ter uma ereção“, “ser ou estar sexualmente impotente“, “ficar desanimado, sem forças“, a grafia correta é broxar, com x. Algo desanimador é algo broxante, também com “x” . É assim (com “x”) que o Dicionário Aurélio e os dicionários da Academia Brasileira de Letras e da Academia das Ciências de Lisboa – assim como os dicionários de Aulete, Luft, Bechara, Michaelis, Priberam, e do Professor Pasquale  escrevem as palavras “broxa”, “broxar”, “broxado” e “broxante”, em seus sentidos ligados à impotência sexual.

Existem os substantivos broxa e brocha, nomes de dois objetos diferentes: brocha, com ch, é um tipo de prego curto; enquanto broxa, com x, é um pincel pequeno.

broxa_versus_brocha

Já desde o século retrasado, sempre se fez diferença, em português, entre broxa e broxar com “x”  e brocha e brochar com “ch”; e foi sempre a forma com “x” a usada com o sentido informal de impotência sexual, disfunção erétil.

Brocha (com ch) é um tipo de prego, enquanto broxa, com x, é tanto o nome do tipo de pincel quanto um jeito informal de se referir a um “indivíduo sem potência sexual”. Aurélio, Caldas Aulete, Celso Luft, Evanildo Bechara, Michaelis, o Professor Pasquale e os dicionários da Academia Brasileira de Letras registram, assim, também o verbo broxar, com os seguintes significados: 1. pincelar, pintar; 2. perder a potência sexual; 3. (por extensão) perder o entusiasmo, desanimar.

O Dicionário Aurélio traz também o adjetivo broxante: 1. que torna alguém broxa (sexualmente impotente); 2. cansativo, importuno.

As formas com “x” são as únicas aceitas pelo Dicionário Aurélio, pelos Dicionários da Academia Brasileira de Letras e por todos os demais principais dicionários brasileiros – com exceção do Dicionario Houaiss, cuja equipe se equivoca e diz que tanto “broxas” (pincéis) como “brochas”  (pregos) devem ser escritos da mesma forma (assim como os verbos) – e, segundo eles, preferivelmente com “ch”.

Essa posição, que é apenas do Houaiss, contraria toda a história da palavra na língua portuguesa. Todos os dicionários brasileiros do século XIX e XX que registraram a palavra o fizeram com “x”; mesmo na colossal Décima Edição do Grande Dicionário de Moraes, considerada o mais completo dicionário da língua portuguesa até hoje, encontram-se os sentidos de “pincel” e “sexualmente impotente” como significados de “broxa”, e não de “brocha“.

O mais recente Dicionário (o de 2009) da Academia Brasileira de Letras confirma o que sempre se ensinou: brocha, com “ch”, é só um prego; “broxa”, com “x”, é um pincel ou alguém impotente; e broxar é “ficar impotente”:

Também o Dicionário da Academia portuguesa faz exatamente a mesma distinção: “broxar”, somente com “x”, é que significa “ficar impotente”, “desanimar”:

14905IMG_1331IMG_1330

Que broxa, como sinônimo de impotente, se escreve com x (e não com “ch”) é o que ensinam ainda os dicionários de Silveira Bueno (“broxar: perder a ereção; perder o interesse, o estímulo; broxante: que faz perder o estímulo ou interesse“), os de Celso Luft, os de Sacconi, o Michaelis, o Caldas Aulete, o Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa (da Enciclopédia Britannica), o Dicionário de Usos do Português do Brasil (2002), de Francisco Borba, e (foto a seguir) o Dicionário do Professor Pasquale (2009):

IMG_2242

Dicionário de Português Comentado pelo Professor Pasquale – 2009

Em seção em que inclui casos de “erros comuns da língua” e “dicas de português”, o Manual de Redação da Folha de S.Paulo menciona expressamente: “Broxa, com x, significa pincel grande e indivíduo sem potência sexual. Brocha, com ch, significa, entre outras coisas, prego curto de cabeça chata.

O Aulete, aliás, disponibiliza hoje livre acesso ao texto “original” de sua primeira versão, o que atesta que em 1881 em Lisboa (data e local de publicação do primeiro Aulete) já se registrava o uso de broxar, com “x”, com o significado de “Mostrar-se sexualmente impotente.

Também o Dicionário de Usos do Português do Brasil (DUPB), de Francisco Borba – o único dicionário brasileiro a usar um córpus técnico, de ocorrências efetivas de cada palavra na língua escrita, para escolher as palavras que definiria – traz broxarbroxantebroxada, todos apenas com “x”, nos sentidos que remetem a impotência sexual, com exemplos retirados da imprensa brasileira: “Nunca uma interrupção para o tempo técnico foi tão broxante.“; “Foi uma broxada que dei com uma amiga“; etc. Já o verbo brochar sequer aparece entre as 65 mil palavras mais usadas no Brasil registrada pelo DUPB; apenas o substantivo “brocha” aparece, mas em seu sentido próprio, de prego (também abonado por exemplo tirado da imprensa brasileira): “Veio a crise mexicana e o governo brasileiro, mais uma vez, viu-se pendurado na brocha.

Os Dicionários da Língua Portuguesa da Academia Brasileira de Letras trazem “brochar” como “costurar as páginas de um livro; pregar com brochas (pregos curtos)”. “Broxar”, com “x”, a Academia Brasileira de Letras define, por sua vez, como “mostrar-se sexualmente impotente”- conforme fotos a seguir:

 

IMG_9566IMG_9568

Em resumo: desde seu “nascimento” na língua portuguesa (o que ocorreu, conforme registros, antes de 1875), as palavras “broxa” e “broxar”, no sentido de “(ficar) impotente”, sempre se escreveram com “x” em português. É a única forma aceita por todos os nossos dicionaristas, com a única exceção do Houaiss – que, como já dissemos (e exemplificamos) anteriormente, é um dos melhores dicionários da língua portuguesa, mas tem seus erros – que não são poucos.

22 comentários sobre “Broxar ou brochar? Brocha ou broxa? O certo é broxante ou brochante?

  1. Pingback: “Fazer a chuca” ou “fazer chuca” no Dicionário Houaiss! | DicionárioeGramática.com.br

  2. Pingback: “Maláui”, escrita errada no Houaiss | DicionarioeGramatica.com.br

  3. Pingback: Conta corrente não tem hífen | DicionarioeGramatica.com

  4. Pingback: A omelete, a musse e a quiche (como a alface) | DicionarioeGramatica.com

  5. Mas o Houaiss explica essa posição deles (bem cripticamente, é verdade, num perfeito exemplo do antônimo de eloquência): “A grafia broxa (que se vê em MS, A.G. Cunha e desde então) deve-se a equívoco, porque baseada em grafia de MS, em 1813, quando antes, em 1712, há em RB 1brocha ‘fecho de latão’ e 2brocha ‘pincel’; o étimo lat. pop. brŭscia, apontado para broxa por A.G. Cunha, é o que Said Ali, no texto da Ceia de Trimalião, aponta para bruxa.”

    Curtir

    • Mas, querido ou querida “em defesa do Houaiss”, em nenhum momento aqui sequer se cogitou discutir se a grafia, etimologicamente, faria sentido ou não – isto é, se a posição do Houaiss tem fundamentação etimológica. A questão, simplesmente, é que não pode o Dicionário Houaiss, ou qualquer dicionário autoral, simplesmente corrigir uma grafia histórica, como fez o Houaiss, sem alertar seus leitores – que, por exemplo, procuram “broxar” no Houaiss e lá encontram que esta é “forma não preferível de brochar”, sem qualquer explicação – uma falha gravíssima do Houaiss, na medida em que o uso que ele dá como preferível é condenado pelos demais dicionários, por manuais de redação, gramáticas, livros de estilo, professores, etc. Perguntamo-nos o que aconteceria, ademais, se o Aurélio, o Aulete, o Priberam – enfim, cada dicionário – começasse a unilateralmente “corrigir” palavras com mais de um século de registro (como essa) que historicamente foram escritas erroneamente? Esse é, é claro, um papel que não cabe a dicionários, especialmente a dicionários escolares (como publicados pelo Instituto Houaiss), e jamais unilateralmente e sem qualquer coordenação com as Academias da Língua, com os demais dicionários, etc. – e, especialmente, sem um alerta enorme em todas as formas afetadas – o que o Dicionário Houaiss não faz; o alerta só vem em um verbete, em linguagem críptica – não fica claro que se está “propondo” algo “inovador” – e o consulente não é alertado para o fato de que o uso recomendado pelo Houaiss contraria o dicionário da Academia Brasileira de Letras, os demais dicionários e manuais, o que poderia causar – como já sabemos de casos em que de fato causou – verdadeiros prejuízos a consulentes que se fiaram na indicação do Dicionário Houaiss inadvertidamente.

      Curtir

  6. Pingback: Palavras e sentidos que só existem nos dicionários | DicionarioeGramatica.com

  7. Pingback: Entubar ou intubar: a diferença entre entubado e intubado | DicionarioeGramatica.com

  8. Hum. Acredito que a opinião do Houaiss é mais pertinente, pois inclui registros já do século 18. Note-se que a brocha (pincel) tem um aspecto mole, com cerdas pendentes, semelhante à flacidez do pênis. Da mesma forma, as cordas que prendem o canzil dos bois e os fueiros da carroça são moles e tendem a cair. Ainda, a palavra brochura – de origem francesa – refere-se ao cordão flexível usado para religar as páginas de um livro.

    Curtir

Deixe uma resposta para GargantaGulosa Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s