Pronomes átonos com infinitivos

1460542018160_semprivar_se

O certo é “Sem se privar de nada” ou “sem privar-se de nada“? Tanto faz. Com verbos no infinitivo, é permitida tanto a próclise quanto a ênclise.

Um leitor pede-nos comentar texto, que acaba de ser publicado em outro site, em que uma professora portuguesa afirma que estaria gramaticalmente incorreto o subtítulo do livro acima – “Como emagrecer sem privar-se de nada“. Segundo a professora, misterioras regras gramaticais obrigariam a próclise, e não a ênclise, nesse caso: “sem se privar de nada” é a forma correta, diz ela.

Mas a professora está errada. Como se ensina em qualquer boa gramática, com verbos no infinitivo, sempre se pode usar tanto a próclise quanto a ênclise. Fica ao gosto do falante.

Como ensinaram o gramático português Lindley Cintra e o brasileiro Celso Cunha, em sua Gramática – a mais vendida tanto de um lado quanto de outro do Atlântico:

xaria2

É a mesma lição que se lê em todas as boas gramáticas da língua portuguesa – como a Gramática Metódica da Língua Portuguesa, de Napoleão Mendes de Almeida:

FullSizeRender (2)

…A Gramática Normativa da Língua Portuguesa, de Rocha Lima:

IMG_1572

… e a Moderna Gramática Portuguesa, de Evanildo Bechara.

Não dê ouvidos a quem diz o contrário, portanto: com infinitivos, vale a próclise ou a ênclise, ao gosto do falante. É correto, portanto, dizer (e escrever) tanto “para a ver feliz” quanto “para vê-la feliz”; “por medo de o magoar” ou “por medo de magoá-lo“; “Ela começou a falar-lhe”, “Ela lhe começou a falar” ou “Ela começou a lhe falar”; etc.

Clique aqui para ir para a página inicial do DicionarioeGramatica.com

3 comentários sobre “Pronomes átonos com infinitivos

  1. Mas a professora tem razão no ponto essencial: a regra que diz que a posição normal dos pronomes átomos é a ênclise tem tantas excepções que é difícil de sustentar que seja sequer uma regra. Parece mais uma excepção.

    Curtido por 1 pessoa

    • Sim, o artigo de resto é excelente, e até “necessário” – há tempos gramáticos brasileiros como Marcos Bagno defendem que a colocação pronominal “natural” no português é a próclise; é bem-vinda a mudança de postura de gramáticos portugueses. Pena que todo o artigo esteja embasado numa correção errada do que não era erro (e com a correção errada feita de forma tão arrogante: “sem sombra de dúvidas deveria ser “sem se privar””….)

      Curtir

  2. É incrível, mas o Ciberdúvidas (ou melhor, a professora) INSISTE em que estão certos (vejam aqui: https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/artigos/rubricas/controversias/ainda-a-posicao-dos-pronomes-atonos-nas-oracoes-de-infinitivo/3319), e que os autores do livro de dieta, e o Lindley Cintra e Celso Cunha, o Bechara, o Rocha Lima, o Napoleão, o DicionárioeGramática, o Fernando Venâncio (https://www.facebook.com/fmvenancio/posts/955953754453717?pnref=story) – TODOS estamos errados, e eles estão certos. Não é possível que mesmo eles acreditem nisso… Ó, Isabel, admita que falou besteira, que lhe fica menos feio…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s