Como escrever números ordinais em português: 1º ou 1.º? 2ª ou 2.ª?

Untitled4Untitled5

Em português, os números ordinais, como “primeira”, “sexto”, etc., podem ser escritos com uma combinação de algarismos e letras sobrescritas: 1ª, 6º, etc. Algumas fontes tipográficas inserem automaticamente um sublinhado à letra sobrescrita, o que é opcional.

Uma leitora aponta-nos para um blogue português supostamente dedicado a achar “erros de português” – já escrevemos aqui sobre o perigo desse tipo de gente: o prazer em achar erros é tamanho que começam a inventar erros que não existem, ou bem confundem estilo com gramática. O tal blogue aponta como “erro” abreviar “segunda” ou “sexto” como 2ª e 6º. E essa gente se leva a sério.

Segundo esse tipo de inventores de falsos erros, deveriam obrigatoriamente escrever-se “2.ª” e “6.º”, com um pontinho. Porque, de acordo com a torpe lógica deles, o ponto seria obrigatório para marcar que se trata de uma abreviação.

Sim, é verdade que um ponto em geral marca a supressão de algo numa abreviação: “Il.mo” era a grafia tradicional da abreviatura de “Ilustríssimo”, em que o pontinho ficaria no lugar de tudo aquilo que se suprimiu – nesse caso, “ustríssi“. O primeiro furo na lógica de quem diz que “segunda” só pode ser abreviado como “2.ª” é que, nesse caso, o pontinho não estaria representando coisa alguma. Ademais, esses inventores de erros são, como sói ocorrer, incoerentes: se obrigatório fosse marcar com um ponto os ordinais, igualmente obrigatório seria usarem pontos em todas as siglas – como, com efeito, se escrevia até não muito atrás: O.N.U, D.V.D., etc. Mas, incoerentemente, os mesmos que, contrariando todos os bons dicionários e gramáticos, querem inventar uma obrigatoriedade de se escrever “1.ª”, “aceitam” as grafias quase universais ONU, DVD, etc.

Como também sói ocorrer, esses blogueiros inventores de erros seguem uma regra “de português” que não existe em nem uma única gramática de português, em nenhum tratado da língua, e que – aí a ironia – contradiz o próprio Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Sim, porque não apenas nossos melhores gramáticos e a própria Academia Brasileira de Letras estampam “3ª edição”, “4ª edição”, “5ª edição”, sem pontos, em suas capas – o próprio Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, instrumento oficial e legal regulador da ortografia da língua, assinado pelos representantes dos governos de todos os países lusófonos, foi inteiramente redigido com ordinais sem pontos – como se pode ver aqui, na versão original, assinada em 1990; aqui, na versão atualmente divulgada pela própria CPLP; ou aqui, no protocolo modificativo também assinado por todos os países lusófonos.

Em suma, o próprio Acordo Ortográfico em vigor não usa pontos nos cardinais.

De modo que dizer que escrever “quarta” como “4ª” é um erro de português não é sequer “ser mais realista que o rei”. É erro, mesmo.

Untitled

11 comentários sobre “Como escrever números ordinais em português: 1º ou 1.º? 2ª ou 2.ª?

  1. E o Vocabulário Ortográfico Comum ( VOC) o qual está em construção em plataforma virtual, teremo-no versão impressa ou somente na forma onlaine? Gostaria de que o DicionarioeGramatica discorresse sobre o assunto.

    Curtir

  2. Teremo-no? Não reconheço isso como minha língua. O pronome no (e variações) só aparece depois de som nasal, o que não é o caso de teremos. Ou o teremos ou tê-lo-emos.

    Curtir

  3. É importante verificar as coisas antes de se escrever. No tal blogue, ninguém disse que era erro. O que acontece é que, em Portugal, é de tradição pôr o tal ponto. Achamos que assim é que está bem, por uma questão de clareza, independentemente do acordo ortográfico. Não sei por que razão tanta gente faz confusão com estas coisas. No Brasil, não põem o tal ponto, tudo bem. Cada um com a sua.

    Curtir

    • Caro Mário: é importante verificar as coisas antes de escrever. Tanto no Linguagista quanto no Ciberdúvidas há inúmeras marcações de 2º, 5ª etc. como erros, sim. No Ciberduvidoso já foi até matéria de capa: desmereceram uma manifestação pró-educação por levantarem cartaz em que faltava, ó Ceus, um ponto num ordinal. Isso é que é uma estupidez da parte do Gagás e do Ciberduvidoso. Até porque, se fosse mesmo uma tradição portuguesa, não precisariam os dois sítios retrógrados estar todo mês a bater nessa mesma tecla, dizendo-se superiores aos portugueses que não usam o tal ponto.

      Curtido por 2 pessoas

  4. Fui ver a tal resposta do Ciberdúvidas a este post. Adorei ver que o consulente português que insiste que o ponto deve sim, ser obrigatório, é este mesmo que, nesta outra resposta, se esqueceu dos tais pontos: https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/abreviaturas-dos-dias-da-semana/15697 Isso é o que mais me diverte nessas regras inventadas de português, desses falsos erros: por serem regras e erros que não existem, os seus próprios inventores acabam cometendo os tais “erros”, sem perceber. Deliciosa ironia.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s