O português veio do galego

linguistic_map_southwestern_europe

No mapa, os avanços e os recuos de cada língua no sudoeste da Europa do ano 1000 ao 2000. Como se vê, mil anos atrás quase todo Portugal e o sul da Espanha falavam árabe – e no canto noroeste da península Ibérica, na região da atual Galiza, se falava o galego medieval (que alguns autores preferem chamar, para não ofender os portugueses, “galego-português”, nome que nunca existiu historicamente), língua que acabou se expandindo em seguida a todo Portugal, que mais tarde tomou para si essa mesma língua dos galegos, rebatizando-a “português”.

O título desta publicação – que a língua portuguesa veio da língua galega – certamente será considerado demasiado óbvio para alguns, mas optou-se por abordar o tema aqui por se perceber que, ainda hoje, a quase totalidade dos falantes do português desconhecem esse fato. Nas escolas, tanto do Brasil quanto de Portugal ou de Angola, ainda se ensina que o português veio diretamente do latim – o que não é correto.

A língua hoje falada por mais de 250 milhões de pessoas – mais de 205 milhões só no Brasil – formou-se, derivada do antigo latim, e adquiriu as suas características atuais no canto noroeste da península Ibérica, na região do Império Romano então chamada Gallaecia, que ocupava o que hoje é a parte norte de Portugal e a comunidade da Galiza, no noroeste da Espanha.

No ano de 409, a Galiza se tornaria um reino independente. Apenas no milênio seguinte, em 1128, é que Portugal adquiriria a sua independência; a língua falada em todo Portugal, porém, era a mesma língua nascida na Galiza, que se expandira até o sul da península – e a língua de Galiza e de Portugal seria a mesma ao longo da Idade Média, até que, no século de 1500, seria publicada a primeira gramática da “língua portuguesa”. A história da língua portuguesa a partir daí é conhecida: nos anos seguintes, seria levada pelos navegadores portugueses aos quatro cantos do mundo, onde se modificaria, em contato com línguas nativas, até chegar ao seu estado atual, em que é a sexta língua mais falada no mundo. Mas e o que aconteceu com o galego nesse ínterim?

Quase que o processo inverso do português: com a Galiza incorporada ao Reino da Espanha, como até hoje está, o galego foi marginalizado, sendo substituído, no uso oficial e, por fim, em toda a sua variedade escrita, pelo castelhano – o que, ao cabo do tempo, acabou por castelhanizar a língua galega; perderam-se fonemas próprios do português, como as nasais, e conservaram-se os próprios do espanhol (nome oficial da língua castelhana). Mesmo a norma oficial da escrita do galego passou a ser a castelhana: ñ em lugar do nosso nh;  ll em lugar de lh;  -n final em vez do nosso -m; e, talvez a mais óbvia característica do galego moderno escrito: substituíram-se os jotas e gês etimológicos por um sem-número de (assim, o mês de junho, por exemplo, passou a ser escrito xuño, e o mês de julho, xullo).

E em que pé está a língua galego hoje? Pois há opiniões das mais divergentes. Há, de um lado, muitos galegos que defendem que o português, nascido do galego, nunca deixou de ser a mesma língua galega, e que portanto o galego é a mesma língua de portugueses e brasileiros, independentemente de como seja chamada; estes, ditos integracionistas ou lusistas, defendem que se escreva o galego com a ortografia portuguesa, e, de modo geral, evitam, na sua fala, expressões, palavras e construções do castelhano, em favor do que é comum ao português.

Para os que nunca sequer escutaram o galego moderno nem sabem como soa, seguem um primeiro vídeo de um ilustre lexicógrafo galego que defende que o galego e o português ainda são, sim, a mesma língua; um segundo vídeo em que se defende enfaticamente que já não são a mesma língua; e um terceiro vídeo em que, em vez de debater se são ou não, uma mãe galega aparece conversando em galego com a filha, no que podemos ver vários exemplos de características marcante da nossa língua, mas também (como nos anteriores) a penetração do castelhano, não apenas fonêmica, mas inclusive nas “palavras de apoio”, aquelas usadas apenas para preencher um vazio entre dois pensamentos, como “bueno“:

Vídeo 1: 

Vídeo 2:

Vídeo 3: 

9 comentários sobre “O português veio do galego

  1. Pingback: Aprendam: os galegos vêm da Galiza, não da Galícia | DicionarioeGramatica.com

  2. Pingback: “Crocância”, existe essa palavra? Existe em português a palavra “crocância”? | DicionarioeGramatica.com

  3. Pingback: “Gratuíto” ou “gratúito”: quem corrigia é que estava errado | DicionarioeGramatica.com

  4. Pingback: Eu “ponhei”? Existe o verbo ponhar? | DicionarioeGramatica.com

  5. Tradicionalmente, no galego, algũus meses se denominavam segundo os santos ou acontecimentos máis importantes do mês. Acho que ista tradiçom vém da Idade Média, como se pode comprovar coas cantigas dos séculos XIII e XIV. Ista tradiçom case está extinguida oje em dia, mantendo-se apenas nalgũus velhos. Contudo, eu uso-a; já que acho que é ũa caraterística que bem se pode manter.
    As formas “junho” (xuño) e “julho” (xullo) tampouco gozam da melhor saúde. A gente que fala galego (polo menos, na minha zona) di, “xunio” e “xulio”. Misturam as formas do castelão coas do galego. Isto é devido a que se percebe melhor a diferença antre isses dous meses fazendo isso. Caso contrário, podem confusões verbo do mês ò que refere o falante. Por isso, considero que com istes meses se deveria empregar a denominaçom tradicional no galego. Isto é: mês de Sam Joám (junho) e mês de Sam Tiago (julho). O resto dos meses, normalmente, si que se denominavam seguindo o sistema “comum”; com algũa possível coma o mês do Sam Martinho (novembro). Mais iste nom tinha a mesma frequência cos outros dous meses, os dos dous santos máis importantes da Galiza; por tradiçom e istória.
    Eu utilizo as denominações “comuns” em tôdolos meses, bardante co sexto e o sétimo.

    https://dubidasdogalego.wordpress.com/2015/03/23/a-primaveira-empeza-no-marzal/

    10 do mês de Sam Tiago do 2017

    Curtir

      • Tedes sorte. Na Galiza, em teoria, tamém á diferença. No entanto, na prática, diferença-se melhor assim. Polo menos na minha zona, nom sei o que ocorre noutras zonas da Galiza. A Galiza nom é um território omogêneo, podem aver várias pronúncias. Eu apenas falo do que sei, é dizer, da minha zona. O resto da Galiza desconheço-o.
        Issas formas som ũa influência do castelão, peró distinguimos melhor o par xunio/xulio ca junho/julho. O segundo par pode apresentar dificuldades. Distinguimos melhor o “n” do “l” có “nh” do “lh”. No entanto, temos de remarcar issas letras pra marcar bem o mês do que falamos, independentemente do par escolhido. Por isso, eu emprego mês de San Joám/mês de Sam Tiago. Aí nom á confusom possível.

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s