“Através” e “através de” em sentido literal: um falso erro de português

Atualmente é difícil evitar todo o contato – na Internet, em livrarias e até em bancas de jornais – com obras de charlatães da gramática, os inventores de falsos erros de português, que “vendem” (figurada e literalmente) regras de português que simplesmente não existem na gramática tradicional.

Para esses charlatões, que vivem da venda de livrecos (que geralmente trazem títulos ao estilo de “Como falar corretamente“, “Corrija-se!“, “1000 erros de português” e afins), é naturalmente grande o incentivo para inventarem erros – afinal, o seu prestígio e a sua renda vêm justamente da ilusão que creem necessário fomentar entre falantes cultos do português, que tentam enganar e levar a crer que não dominam a gramática básica de sua própria língua.

Um dos tais falsos erros de português que ecoa pela Internet como se verdade fosse é a invencionice segundo a qual a palavra “através” não poderia ser usada em sentido não literal. Sim, há (muitos) brasileiros cultos que acreditam ser errado dizer que algo foi obtido “através” de um processo. No lugar de “através de“, acreditam, ter-se-ia de usar “por meio de“, “por intermédio de“, “mediante“. Já a palavrinha “através“, diz a tal lenda, só se poderia usar em sentido literal, físico.

O que quase todas essas falsas regras de português têm em comum é a falta de qualquer justificativa que as embase: diz-se que é assim porque é assim. E só assim, é claro, pode uma falácia dessas sustentar-se, já que qualquer pessoa que se ponha a buscar uma lógica na tal “regra” acabará por se perguntar por que razão a palavra “através” seria a única palavra de toda a língua portuguesa que não poderia ser usada em sentido figurado, apenas de modo literal.

E o fato é que tal regra – de que “através” não pode ser usada em sentido literal, físico – não existe em nenhuma obra séria. Pelo contrário: todos os melhores autores e os melhores gramáticos do Brasil e de Portugal usam “através de” com o sentido figurado de “por meio de“, e sempre o fizeram.

Aurélio e Houaiss (e todos os demais dicionários) são inequívocos: “através (de)” é um sinônimo perfeito de “por meio (de)”, “por intermédio (de)”.

Houaiss dá exemplos: “educar através de exemplos”; “conseguiu o emprego através de artifícios”. Aurélio também, servindo-se de citações: Foi sempre o mesmo homem honesto, através de anos e anos“, etc.

Os tais criadores de regras divergem sobretudo dos gramáticos de verdade, como o imortal Evanildo Bechara ou Celso Cunha, que usam repetidamente ao longo de suas gramáticas (as duas mais completas e mais vendidas gramáticas de português até hoje) a palavra através exatamente do jeito que a tal lenda urbana diz ser errado.

Como se vê na célebre Moderna Gramática Portuguesa, de Evanildo Bechara (2015), da Academia Brasileira de Letras:

Pág. 71: “Em português, como em muitas outras línguas, nota-se uma tendência para evitar o hiato, através da ditongação ou da crase.

Pág. 77: “O sossego do vento ou o barulho ensurdecedor do mar ganham maior vivacidade através da aliteração, nos seguintes versos

Pág. 140: “surgem muitas dúvidas no uso do plural, além de alterações que se deram através da história da língua

Pág. 191: “O tipo “zero determinação” antes do substantivo seguido de “o mais” é menos enfático, e se valoriza através de uma inversão (o mais alto homem)”.

Pág. 457: “Grande é o número de radicais gregos que encontramos no vocabulário português. Muitos deles nos chegaram através do latim e são antiquíssimos.

Da mesma forma, na célebre Nova Gramática do Português Contemporâneo, de Celso Cunha e Lindley Cintra:

Pág. 18: “É só a partir do seculo IX que podemos atestar a sua existência através de palavras que se colhem em textos de latim bárbaro

Pág. 152: “No primeiro exemplo, o pronome está relacionado com o substantivo por meio da preposição ‘por’; no segundo, o substantivo relaciona-se com o adjetivo através da preposição ‘de’.”

E esse é o uso que fazem da palavra “através” os bons autores brasileiros e portugueses.

Nem mesmo aquele tradicionalmente considerado o mais conservador gramático brasileiro do século passado, Napoleão Mendes de Almeida, condenava esse uso que escritores que não são gramáticos hoje pretendem criminalizar:

“Não se deve cair no exagero de julgar que a locução só é possível quando significa “de um lado para o outro”, “de lado a lado” (Passou através da multidão – Passou a espada através do corpo). Não vemos erro em: “A palavra veio-nos através do francês”, como não vemos na passagem de Herculano: “Através desses lábios inocentes murmuram durante alguns instantes as orações submissas””  (Napoleão Mendes de Almeida, Dicionário de questões vernáculas, 1981, pág. 33)

De modo que, ao encontrar textos ou sabichões que dizem ser errado o uso de “através” em sentido não literal, o melhor é desconfiar de todo o resto que venha da mesma fonte, pois são grandes as chances de estar diante de um dos muitos inventores de falsos erros de português – ou, pior, de um coitado que apenas reproduz acriticamente o que “aprendeu” de um desses charlatões.

“Não obstante”, melhor que “inobstante”

No meio jurídico brasileiro, vez por outra se ouve ou lê a palavra “inobstante”, com o sentido de “não obstante”, ou seja, de “apesar de”.

Quem buscar, porém, no Aurélio, no Houaiss, no Michaelis ou no Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de Letras não encontrará a palavra “inobstante”. Isso porque, de fato, não se trata de construção tradicional portuguesa, sendo antes uma “invenção” de advogados brasileiros.

Se o uso da palavra nos impede de afirmar que a palavra “não existe” na língua, o que podemos dizer é que, em português, a forma tradicional, a única que se encontra nos dicionários Aurélio e Houaiss e que é recomendável é “não obstante“.

Ponto de ironia

160px-Irony_mark_full.svg

Em diferentes séculos, em diferentes países, diferentes escritores propuseram a criação de um ponto de ironia – um sinal gráfico que permitisse a clara identificação do teor irônico ou sarcástico de um comentário.

Em 1688, o inglês John Wilkins propôs o uso do ponto de interrogação invertido (⸮, usado regularmente em línguas cuja escrita é feita da esquerda para a direita, como o árabe e o hebraico) como um “ponto de ironia”.

Um século antes, o gráfico inglês Henry Denham já propusera o uso do ponto de interrogação invertido (⸮) para assinalar perguntas retóricas.

Em 1899, o enciclopedista francês Alcanter de Brahm faria proposta semelhante, com a apresentação de um sinal representativo de teor irônico, cuja representação gráfica proposta também se assemelhava a uma interrogação invertida:

Na Internet, atualmente, tem-se recorrido, especialmente em fóruns e blogues em língua inglesa, à marcação [/sarcasm] em seguida a uma afirmação, de modo a explicitar-lhe o teor sarcástico.
Apesar de ser uma dessas “ideias coletivas” da humanidade, que de vez em quando voltam a ser defendidas por diferentes pessoas em diferentes países, o estabelecimento de um sinal gráfico oficial ou universal para marcar a ironia nunca chegou a adquirir caráter oficial em língua nenhuma – na verdade, sequer chegou a popularizar-se ou tornar-se de conhecimento geral em nenhum país. Talvez porque se tenha chegado à conclusão de que, nos dias de hoje, já não haja necessidade dele⸮

Kosovo, em português, não se pronuncia “Kôsovo”

628857-600x600-1

Estas foram as primeiras olimpíadas com uma delegação do Kosovo. Em português, o nome se escreve com “K”, como manda o novo Acordo Ortográfico; e quem nasce no Kosovo é chamado kosovar (como se vê nos dicionários brasileiros, como o Houaiss, o Aulete e o de Bechara, e nos portugueses, como o Priberam, o da Porto Editora e o da Academia das Ciências de Lisboa). Como ocorre com a  maioria dos países do mundo em português, o nome leva artigo definido: diz-se “do Kosovo”, “no Kosovo” (e não *em, *de).

O que é um erro grosseiro é a pronúncia proparoxítona que se ouve na televisão, por pura cópia do inglês. Se fosse proparoxítono, o nome precisaria de acento em português. Mas a pronúncia tradicional é paroxítona – inclusive no próprio Kosovo: em albanês, língua de 90% da população local (não existe uma “língua kosovar”), a pronúncia é paroxítona.

A pronúncia proparoxítona (Kôsovo ou Kósovo), portanto, é uma cópia do inglês. Em português, pronuncie-se mesmo de forma paroxítona.

Outro erro que cometem alguns brasileiros e portugueses puristas é deturpar o nome do país escrevendo-lhe com “C” (há puristas que querem que se escreva Cosovo ou Cossovo): – trata-se, ademais, de ignorância linguística: passados estão os tempos em que a letra “K” era banida da língua portuguesa. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa em vigor no Brasil e em Portugal é explícito: a letra “K” deve ser usada, em português, precisamente para grafar os nomes próprios, de pessoas e localidades estrangeiras, que levem essa letra em sua versão original (o próprio acordo dá como exemplo “Kuwait”) – e deve ser usada, prossegue o texto do Acordo, também em seus derivados (como “kuwaitiano”): portanto, diga-se (e escreva-se), em português, kosovar, comum de dois gêneros, como já está nos dicionários atualizados:

ko·so·var
(Kosovo, topónimo + -ar)

adjetivo de dois géneros

1. Relativo ou pertencente ao Kosovo.

substantivo de dois géneros

2. Natural ou habitante do Kosovo.

“kosovar”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], http://priberam.pt/dlpo/kosovar [consultado em 22-08-2016].

Sargenta, feminino de sargento

IMG_2675

“Sargento” é uma palavra normal da língua portuguesa, que, como qualquer outra masculina terminada em “o”, faz plural em “a”: sargenta, feminino registrado no Vocabulário da Academia Brasileira de Letras e nos dicionários, que ensinam que sargenta é a forma feminino de “sargento”, que por sua vez é palavra exclusivamente masculina. “A sargento”, “uma sargento” são formas tão erradas quanto “a menino”.

Em reportagem sobre o papel de militares nos jogos olímpicos do Rio, a rede Globo acaba de afirmar que “mais duas sargentos” acabam de ganhar medalhas. Por favor, Rede Globo: não é porque os militares falam errado que vocês precisam passar adiante esse erro, que até ofende os ouvidos. Não há nenhum motivo pelo qual a palavra sargento seria uma exceção na língua portuguesa – é uma regra de português que os substantivos comuns masculinos terminados em “o” fazem seu feminino em “a”.

E, como ensinam o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa e todos os bons dicionários, “sargento” é palavra masculina (e não comum de dois gêneros: não existe, portanto “a sargento”). E o feminino, completamente regular, é sargenta – palavra devidamente registrada no Vocabulário Ortográfica da Academia Brasileira de Letras e em dicionários.

Em resumo: de acordo com os dicionários, com a gramática e com a Academia Brasileira de Letras, a palavra “sargento” é um substantivo apenas masculino, e o seu feminino é sargenta, e formas como “a sargento“, “uma sargento“, “duas sargentos” são erros grosseiros que até se explicam pela falta de costume (afinal, ainda há, infelizmente, relativamente poucas mulheres nas forças armadas), mas que em termos gramáticos fazem tanto sentido quanto “uma menino” ou “uma brasileiro“.

sol

Em português, “burquíni”, não “burkini”

quiz_veu5

O traje de banho cujo nome mistura burca com biquíni fez notícias nos últimos dias, com a polêmica de sua proibição em praias francesas. Os veículos de comunicação que usaram a palavra, porém, dividem-se em dois grupos: aqueles que, como sói ocorrer, limitaram-se a copiar e colar a grafia tirada das notícias em inglês – burkini – e aqueles poucos que sabem que uma palavra não precisa estar nos dicionários para ter uma grafia correta em português – que, neste caso, só pode ser burquíni, com “qu” e com acento agudo.

Burquíni” precisa de acento pela mesma razão que “biquíni“: porque é uma regra de acentuação que as palavras paroxítonas terminadas em “i” precisam de acento – como também são o caso de táximartínicáqui (a cor), etc. Isso para diferenciá-las das palavras oxítonas terminadas em “i”, que, em português, não levam acento: aquialicaqui (o fruto), daiquiri, tupiguarani, Sacivivicomibebidesapareci.

A poeta ou a poetisa? “Poeta” pode ser masculino ou feminino

Uma mulher que escreve poesia é uma poeta ou uma poetisa? Novamente, para o desespero dos boçais linguísticos que odeiam a riqueza da língua portuguesa, por lhes privar do prazer de apontar erros aos demais e corrigi-los, é este um caso em que tanto faz: “a poeta” é forma tão correta quanto “poetisa”, como se lê em boas gramáticas atualizadas e na mais recente edição do Dicionário Houaiss:

IMG_2052

Como mostra o Dicionário Houaiss, poeta, hoje, é um substantivo de dois gêneros: pode dizer-se “o poeta” ou “a poeta”. Mesmo assim, o Houaiss prefere explicitar: “a palavra poeta pode ser usada para homens e mulheres“.

Embora “poetisa” seja a forma tradicional e continue a ser absolutamente correta, há grande número de mulheres poetas que preferem ser chamadas de “poeta”.

Note-se que não é caso único da palavra “poeta” (as mulheres cônsules também há muito já preferem ser chamadas aqui, rejeitando a forma “consulesa”, hoje de uso restrito às esposas de cônsules), nem é capricho da língua portuguesa: em francês é considerado correto o uso de “la poète“, e, em espanhol, de “la poeta“, ao lado das formas flexionadas. São opções que as línguas têm.

De resto, o que se deu em português com a palavra “poeta”, que os antigos dicionários (e os ainda desatualizados) traziam como substantivo feminino, é o mesmo que se deu com várias outras da língua, de que são exemplos cônsuloficial marechal – que, tradicionalmente, eram substantivos apenas masculinos, sendo tradicionalmente de regra o uso, no feminino, das formas flexionadas consulesaoficialamarechala, mas que hoje já caíram em desuso, sendo substituídas pelas neutras “a cônsul“, “a oficial“, “a marechal” – formas hoje tão corretas quanto “a poeta” (ou ainda como a hoje majoritária, porém relativamente inovadora forma “a presidente“).