Os nove membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

img_3308

Acaba de ser declarada aberta, no Palácio Itamaraty (sede do Ministério das Relações Exteriores brasileiro), conferência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), com a presença dos presidentes da República dos nove países que têm o português como língua oficial: Angola, o Brasil, Cabo Verde, a Guiné-Bissau, a Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Além dos presidentes dos nove países membros da CPLP, também está presente em Brasília, para o evento, o próximo secretário-geral da ONU, o português António Guterres.

O português é hoje a sexta língua mais falado do mundo: são mais de 255 milhões de falantes (clique aqui para ver como se distribuem os falantes de português pelo mundo).

Como se chamam estas bolinhas na sua região?

As bolinhas da foto abaixo, usadas numa brincadeira ou jogo infantil, têm nomes muito diferentes em diferentes regiões do Brasil. Como elas são chamadas na sua cidade ou região? Respondam, por favor, aqui embaixo, nos comentários – basta dizer o nome usado e onde.

Resultado da enquete (e da pesquisa no Twitter):

baleba: Rio de Janeiro (aqui, aqui, aqui)

berlinde: Portugal (Lisboa)

bolita: Rio Grande do Sul (aqui, aqui, aqui)

bila: Ceará e Portugal

biloca: Brasília (aqui, aqui, aqui)

biroca: estado de São Paulo (aqui, aqui, aqui)

birosca (às vezes “bilosca“): Minas Gerais

boleba (às vezes “bolega“): Espírito SantoMinas Gerais, Rio de Janeiro

bola de gude, bolinha de gude: São Paulo (capital) e, por extensão, em todo o Brasil

bugalho: Goiás, interior de SP

bulica: Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro

burca (ou burquinha): Paranáestado de SP

cabeçulinha (pronunciada cabiçulinha): Ceará

canica: Galiza

carolo: Portugal (Norte)

clica: Rio Grande do Sul (aqui, aqui, aqui) e Santa Catarina (aqui, aqui, aqui)

fubeca: estado de São Paulo

guelas: Portugal

peca (pronunciada pêca): norte de SC (Barra Velha, Canoinhas, JoinvillePenhaRio Negrinho, São Francisco do Sul)

peteca: Norte e Nordeste do Brasil

pilica ou pinica: Rio Grande do Sul (aquiaqui, aqui, aqui)

quilica: Santa Catarina (Blumenau, LaurentinoRio do Sul)

tilica: Santa Catarina (Balneário Camboriú, Florianópolis, Itapema, Nova Trento, São João Batista, Tijucas, Urubici)

ximbra: Alagoas e Pernambuco

“Vexamoso” = “vexaminoso”? Por que não?

untitled

Hoje ouvi da boca de um amigo bastante culto a palavra “vexamoso“, com o sentido de “que causa vexame”. Quando pude, vim conferir se a palavra “existia”. Para os que consideram que uma palavra só existe se está nos dicionários, então não, o adjetivo vexamoso e suas demais formas (vexamososvexamosa, vexamosas) não existem; mas não se pode dizer que não existem mesmo, quando há centenas de registros de uso desses termos em notícias, livros, tuítes (como o do nosso maior “padre celebridade”, acima)… e até numa gramática.

Na sua Gramática de usos do português,  de 1999, a excelente professora Maria Helena de Moura Neves usou o seguinte exemplo tirado da imprensa: “O comportamento desta moça é vexamoso e indecoroso” (ver aqui) – sem fazer qualquer consideração acerca do adjetivo vexamoso.

É fato que a forma tradicional, registrada nos dicionários – e ainda a mais usada -, é vexaminoso. Mas também é um fato que o encurtamento de vocábulos é um dos processos mais naturais e corriqueiros da língua: a atual palavra bondoso era antigamente escrita (e falada) bondadoso (como só poderia ser, vinda de bondade -oso); o tempo e o uso dos falantes acabaram por “comer” uma das sílabas da palavra, e hoje ninguém estranha a forma abreviada.

Do mesmo modo, a palavra piedoso, que hoje ninguém diria ser incorreta, é na verdade uma “deformação” de piedadoso (piedade + -oso); e o nosso atual saudoso era, originalmente, saudadoso (saudade + -oso).

O atual você, todos sabem, veio da amalgamação de vossa mercê; a nossa palavra lenda um dia já foi legenda, que acabou cortada; a palavra cor já teve duas vogais e um -l-, como ainda mantém em outras línguas (color); o adjetivo tragicômico resultou do encurtamento, por praticidade, de trágico-cômico; e a antiga simbolologia acabou sendo substituída na prática pela encurtada simbologia.

Esses encurtamentos, que podem parecer “preguiça” dos falantes, são na verdade um fenômeno que se observa todo o tempo na evolução de todas as línguas, e que nada mais é que uma busca inconsciente e natural por eficiência linguística: passar a mesma ideia usando menos sílabas é, no fim das contas, comunicar-se mais eficientemente.

De modo que, assim como simbologia, bondoso e saudoso tomaram o lugar dos mais compridos simbolologiabondadososaudadoso, é quase certo que, no futuro, a forma vexamoso venha até a superar vexaminoso na preferência dos falantes e dos dicionários. Quem viver verá.

“Rattan” (ou “rotang”) em português é ratã

43045c7a2ffd842a136cbbeca91ae4f4

O Brasil aderiu a um fórum internacional sobre a preservação do bambu e o ratã – como bem escreve o nosso Congresso. Já na imprensa tradicional, às vezes se vê, em vez de ratã, a grafia inglesa rattan (por exemplo aqui).

O ratã é, à semelhança do bambu, uma espécie de palmeira asiática usada para fazer bengalas, móveis como cadeiras, etc. Outro nome em português do ratã é rotim.

Se escrevemos “bambu”, em vez de “bamboo“, também se deve, obviamente, escrever ratã em português, e não “rattan“.

Além de já estar em todos os dicionários, o aportuguesamento ratã obedece às regras ortográficas da língua portuguesa: como diz o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (que pode ser lido na íntegra aqui), na “Base VI”: “Quando uma vogal nasal ocorre em fim de palavra, representa-se a nasalidade pelo til, se essa vogal for “a”: afã, grã, Grã-Bretanha, lã, órfã

É por essa razão que o anglicismo “fan” (fanático) virou, em português, ; e que o anglicismo clan deu, em português, clã; que a dança francesa cancan virou aqui cancã; que o país internacionalmente conhecido como Iran (a antiga Pérsia) é, no Brasil, chamado Irã;  que a palavra bataclan dos franceses deu bataclã em português; e por que o antigo bairro do Butantan, em São Paulo, passou a chamar-se Butantã.

“Seu”: dele, dela ou de você?

sub-buzz-5860-1476963521-1O pronome “seu” é ambíguo, pois pode querer dizer tanto “de você” quanto “dele” ou “dela”.

Na foto acima, vemos que a criança cometeu um erro de interpretação, causado por uma característica do português atual: hoje em dia, os pronomes “seu” e “sua” foram quase completamente substituídos pelas palavras “dele” e “dela” quando se referem a uma terceira pessoa, e são usados cada vez mais apenas para se referir a algo da pessoa com quem se fala (“a sua casa“: “a casa onde você mora“).

Originalmente, os pronomes referentes à pessoa com quem se fala eram “teu” e “tua“. Na medida em que o pronome “tu” foi substituído, em grande parte do Brasil, pela forma “você“, os pronomes “seu” e “sua” se tornaram ambíguos: “Vi o João com a sua mulher” pode querer dizer tanto que vi o João com a mulher do próprio João, ou com a mulher da pessoa com quem estou falando.

Por essa razão, na língua falada, para se referir à mulher de uma terceira pessoa, quase só se usam, hoje, construções com “dele”, “dela”, “deles”, “delas”. Mas a língua escrita ainda dá preferência ao pronome tradicional – o que às vezes pode causar confusão entre pessoas não habituadas a “seu”/”sua” com o sentido de “dele”, mas apenas “de você”:

sub-buzz-25599-1476968278-1

“Siderólito”: comparando dicionários

n3026

Topei hoje com uma palavra que desconhecia: siderólito. Significa, simplesmente, um meteorito (aproximadamente) metade de pedra, metade de metal. Isso o diferencia da maioria dos meteoritos, que são ou apenas de pedra, ou apenas de metal.

Decidi então verificar como se saíam nossos grandes dicionários brasileiros e portugueses na definição dessa palavrinha não muito usual.

Dicionário Houaiss descreve um siderólito como um “meteorito relativamente raro, que contém grandes proporções, e aprox. iguais, de ferro, níquel e silicatos“. Ora, essa definição está obviamente errada. Da maneira que está escrita, a única compreensão possível seria a de que um siderólito tem cerca de 33,3% de ferro, 33,3% de níquel e 33,3 % de silicatos (minerais). Errado.

O Dicionário Aurélio diz que é um “Aerólito com grande proporção de minérios de ferro e de níquel, afora outros corpos não metálicos“. Não chega a ser errado, mas é impreciso.

O novíssimo Dicionário Michaelis é, basicamente, uma grande paráfrase gratuita do Houaiss, que fez questão de copiar todos os erros do Houaiss, como teremos oportunidade de ver em muitos outros exemplos. Nesse caso, não faz por menos: copiou a definição errada do Houaiss: “Tipo de meteorito que contém proporções praticamente iguais de ferro, níquel e silicato“.

As cópias pura e simples do Houaiss feitas pelo novo Michaelis ficam sempre mais evidentes quando se compara uma palavra no novo Michaelis com a mesma palavra no antigo Michaelis, cujo conteúdo ainda pode ser acessado neste endereço.

Como se pode ver, o Michaelis original definia siderólito como um “Aerólito rico em minérios de ferro” – não era uma definição perfeita, mas ao menos estava correta. Ou seja, jogaram fora algo certo para copiar o errado do Houaiss.

A Academia de Lisboa (a homóloga portuguesa da nossa Academia Brasileira de Letras) desconhece a palavra. O Dicionário Priberam também nunca ouviu falar.

O Dicionário Aulete diz que um siderólito é o mesmo que “minério de ferro“. Não era o caso.

A portuguesa Porto Editora diz que um siderólito é um “tipo de meteorito em que os elementos metálicos (ferro) e os líticos (silicatos) entram em proporções quase iguais“. Bingo! Temos um vencedor!

Dicionrio-Ilustrado-da-Academia-Bras-de-Letras-Edio-20150127164911O Dicionário Estraviz, da Galiza, traz quase a mesma definição.

É especialmente notável que no grande dicionário da Academia Brasileira de Letras (foto da versão ilustrada aqui ao lado), de autoria do genial Antenor Nascentes, já vinha, corretamente, na edição de 1977: “meteorito com 50% de metal em sua composição”. É impressionante que uma obra já com quase meio século de idade e que nunca se popularizou seja até hoje mais completa e precisa do que quase todos os dicionários modernos. Infelizmente, o grande dicionário da ABL não é reeditado desde 1988.

Os sobrenomes têm plural: “Milhões de Cunhas”

milhoes-549x280

A faixa acima, “Somos milhões de Cunha“, trazia um erro gramatical. Em português, os nomes e sobrenomes têm plural. Basta recordar o título do clássico de Eça de QueirozOs Maias (e não *Os Maia), ou pensar nas famílias importantes da história do Brasil – “os Braganças“, por exemplo (e não *os Bragança). Pode-se até pensar em exemplos culturais mais recentes, como “Os Simpsons” e “Os Flintstones“.

Com o artigo no plural, o sobrenome também deve vir no plural: “a família Silva” é o mesmo que dizer “os Silvas” (e não *Os Silva). Do mesmo modo, deve-se dizer “os Cardosos“, “os Vianas“, “os Montagners“, “os Alckmins“.

Assim, os brasileiros que se identificam com o ex-deputado Cunha deveriam dizer que são milhões de Cunhas (e não “de Cunha”).

É bem diferente, portanto, o sentido das frases “Ninguém sabe onde foram parar os milhões de Cunha” (em referência ao dinheiro dele) e “Ninguém sabe onde foram parar os milhões de Cunhas” (em referência a seus antigos apoiadores).


Os nomes próprios (tanto prenomes quanto sobrenomes) portugueses seguem as mesmas regras de formação dos substantivos comuns: o Raul, os Rauiso Benjamim, os Benjamins; o Cabral, os Cabraisa Ester, as Esteres; o Mateus, os Mateusa Raquel, as Raquéiso Rafael, os Rafaéis.

Já os nomes estrangeiros normalmente recebem plural, em português, pela adição de um “s”: os Amins, os Bismarcks, os Clintons, os Husseins, os Isaacs, os Kennedys, os Kirchners, os Lafers, os Medvedevs, os Müllers, os Rousseffs, os Sarkozys – com a exceção daqueles já terminados em “s” ou “z”, que permanecem invariáveis: os Chávez (como os Chaves), etc.