“Também” exige próclise – em Portugal e no Brasil, em textos formais e informais

Sans titre

Todo brasileiro e todo português sabe que uma das marcas mais características do português brasileiro, que o difere do português lusitano, é a prevalência, no Brasil, de próclises – pronomes colocados antes do verbo. Assim, todo brasileiro diz “Me dá”, “Nos vimos”, “Me queixei” – enquanto os portugueses dizem “Dá-me”, “Vimo-nos”, “Queixei-me”. Desde o século passado, nossos melhores cronistas, poetas, músicos, etc. usam próclises à brasileira. O mesmo não ocorre, porém, com os jornalistas, que se obrigam a usar ênclises, à portuguesa, em casos em que nenhum brasileiro naturalmente as usa na fala espontânea.

O problema disso? É que, justamente por estarem simplesmente tentando imitar uma colocação pronominal que não lhes é natural e que não dominam, o que mais se vê nos jornais brasileiros hoje são ênclises erradas – mesmo pela gramática portuguesa. E assim, chovem casos como o da foto acima, em que o jornalista escreve “também manteve-se” – uso que é duplamente errado, pois viola a gramática tradicional portuguesa  (que determina que, diante de advérbios como “também”, deve ocorrer a próclise, e não a ênclise) e não reproduz o uso natural de nenhum falante, nem português, nem brasileiro.

Em suma, os jornalistas incorrem no pior tipo de erro, pois acertariam se escrevessem exatamente como falam (usando a brasileiríssima próclise), mas, tentando parecer chiques e seguindo a concepção ignorante de que “se eu falo assim, deve estar errado” e de que “quanto mais diferente da fala, mais correto deve ser”, acabam criando ênclises inexistentes em Portugal e em qualquer norma culta da língua portuguesa.

sem-titulo

O mesmo ocorre com orações com a palavra “que“, ou “onde“, entre outras: a gramática portuguesa tradicional obriga, nesses casos, que se use o pronome antes do verbo (como fazemos sempre no Brasil); todo português escreve “que se deu”, “onde se viu”; mas alguns brasileiros, querendo parecer chiques, acabam inventando construções erradas como “que deu-se“, “onde viu-se” – absolutamente risíveis, por não corresponderem nem ao português brasileiro, nem ao português de Portugal. Em outras palavras: se não quer passar vergonha, na dúvida, não invente e escreva do modo que lhe soar mais natural, do jeito que falaria. Quase sempre, estará certo.

13 comentários sobre ““Também” exige próclise – em Portugal e no Brasil, em textos formais e informais

  1. PARABÉNS…!!, Não só gosto do v/ “BLOG”, como dele faço “arquivo” de todas as emissões que recebo…,

    O tema de hoje é extremamente interessante e ajudou.me a clarificar a razão porque hoje em Portugal, por via do “MALFADADO” AO90 (Acordo Ortográfico, a esmagadora maioria dos jornalistas que diariamente entram nas nossas casa, seja pelo “veiculo Jornal” seja através da TV, ao escreverem ou falarem dão tantas “calinadas”.

    CONCLUSÃO: A mania dos “COPIANÇOS”, criados desde o ensino juvenil, está DEFINITIVAMENTE a impor-se…

    Curtir

    • Na nossa língua a regra é a próclise. Na Galiza, no Brasil, Portugal, Macau, Timor-Leste… em tôdolos lugares u a nossa língua é falada, a regra é a próclise.
      A diferença é que; na Galiza, Portugal, Angola, Moçambique… ista regra conta com mais exceções ca no Brasil

      Curtir

  2. Oi! Tenho uma dúvida referente à próclise. Meu professor disse que é errado começar frase com próclise, quando se escreve.
    Mesmo que nós escrevamos do jeito que se fala como “Me empresa” “Nos vimos”, é realmente errado gramaticalmente começar uma frase com a próclise?

    Por exemplo, em vez de “Me chamo João e moro em São Paulo” seria oficialmente correto “Chamo-me João e moro em São Paulo” ?

    Obrigado por responder!!!

    Curtir

    • Caro Vinícius, esse caso de que você fala é justamente o ponto número 1, o mais conhecido (e, por isso, em geral o mais policiado) exemplo da divergência entre a o português brasileiro vivo e a gramática tradicional do português de Portugal.

      Em Portugal, as pessoas não precisam estudar colocação pronominal – elas escrevem exatamente como falam. O ponto é que, lá, elas naturalmente falam “Chamo-me João”, “Empresta-me o lápis?”, “Vimo-nos”.

      No Brasil, dizemos “Me chamo João”, “Me empresta o lápis?”, “Nos vimos” – mas, como tradicionalmente se acreditava, no Brasil, que devíamos falar exatamente como os portugueses, ensinava-se que, em contextos mais formais (por exemplo, na escrita), deveríamos seguir a colocação portuguesa.

      Cada vez mais, os gramáticos, linguistas e professores brasileiros têm passado a aceitar que a colocação pronominal brasileira difere da portuguesa, e que a tentativa de artificialmente seguir uma colocação que nos é estranha causa mais mal do que bem – é ela, por exemplo, a culpada pela proliferação de erros como os vistos aqui (“Também reuniram-se”, etc.) – erros que não ocorrem em Portugal, e que só ocorrem no Brasil justamente pela tentativa (fracassada) de imitar os portugueses.

      Ainda assim, por ser a regra mais conhecida e mais simbólica da divergência do uso de pronomes entre as duas normas, a colocação no início de frase (“Me chamo”) ainda é, de fato, a que mais estigma carrega, e deverá ainda levar algum tempo até que seu uso deixe de ser visto como “erro” no Brasil (mas é certo que isso ocorrerá). Até lá, a “solução” mais usada e recomendada, para evitar a escolha entre frases começando por pronome átono e aquelas que começam por verbo, que nos soam artificiais, é explicitar o sujeito: em vez de “Chamo-me” ou “Me chamo”, escreva “Eu me chamo”; em vez de “Vimo-nos” ou “Nos vimos”, escreva “Nós nos vimos”, etc.

      Curtir

  3. Prezados Senhores, o artigo de V.Sas. incorre em erro porque a ênclise de um complemento verbal é sempre correta, já que o complemento é a finalidade da ação do verbo. Se a próclise é usada, sem problemas, mas é uma questão de preferência, de estilo, não que seja obrigatória gramaticalmente. Como a ênclise não é obrigatória, a próclise o é menos ainda.

    Curtir

    • Caro Luiz Fernando,
      É correta a ênclise em “Eu comprei o livro para que João leia-o”?
      É correta a ênclise em “Eu teria comprado o livro se João quisesse-o”?
      É correta a ênclise em “O João vai conversar com você sobre o livro quando ele vi-lo”?
      Em nenhum desses casos a ênclise é correta ou aceitável, seja no português europeu, seja no português brasileiro.
      Em nenhuma variante, em tempo algum, os usos acima se registraram, seja na escrita culta, seja na escrita coloquial.
      Enfim, convém pesquisar antes de pontificar.

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s