Uso do artigo definido com nomes de países – lista de países

Sans titre

Por que é que se diz “no Brasil”, “do Brasil”, mas “em Portugal”, “de Portugal”? Por que se diz “na Alemanha”, “na Áustria”, “na Hungria”, mas “em Angola” ou “em Singapura”? Nesses casos, infelizmente, não há explicação para cada caso. No que tange ao uso de artigo definido com o nome de países, a regra, em português, é seguir o uso e a tradição da língua.

Em regra geral, o normal é que os nomes de países levem artigo definido em português. Por isso, não se deve dizer que algo ocorreu “em Gâmbia“, ou “em Zâmbia“, ou “em Benim” (ou, pior ainda, “em Benin“), ou “em Brunei“, “em Malawi“, “em Papua Nova Guiné“, “em Serra Leoa“, “em Guiné-Bissau“, etc.

O certo, nesses casos citados, é usar o artigo: na Gâmbia, na Zâmbia, no Benim, no Brunei, no Malawi, na Papua Nova Guiné, na Serra Leoa, na Guiné-Bissau, etc.

Essa regra geral se aplica à maioria dos países do mundo. Assim, do mesmo modo que se diz “o Brasil”, “a Argentina” e “o México”, diz-se também: o Afeganistão, a África do Sul, a Albânia, a Alemanha, a Arábia Saudita, a Argélia, a Argentina, a Austrália, a Áustria, o Azerbaijão, as Bahamas, o Barém (ou Bahrein), a Belarus, a Bélgica, o Benim, a Bolívia, o Botsuana, o Butão, os Camarões, o Camboja, o Canadá, o Cazaquistão, o Chade, o Chile, a China, a Colômbia, as Comores, o Congo, a Coreia, a Costa do Marfim, a Costa Rica, a Croácia, a Dinamarca, a Dominica, o Egito, o Equador, a Eritreia, a Eslováquia, a Eslovênia, a Espanha, os Estados Unidos, a Etiópia, as Filipinas, a Finlândia, a França, o Gabão, a Gâmbia, a Geórgia, a Grécia, a Guiné, a Guiné-Bissau, a Guiné Equatorial, o Haiti, a Hungria, o Iêmen, as Ilhas Cook, as Ilhas Marshall, as Ilhas Salomão, a Índia, a Indonésia, o Irã, o Iraque, a Itália, a Jamaica, o Japão, a Jordânia, o Kiribati, o Kosovoo Kuwait, o Laos, o Lesoto, a Letônia, o Líbano, a Libéria, a Líbia, o Liechtenstein, a Lituânia, a Macedônia, o Malawi, as Maldivas, o Mali, a Moldova, a Papua Nova Guiné, o Quênia, o Quirguistão, as Seicheles, o Senegal, a Serra Leoa, a Sérvia, a Síria, a Somália, o Sri Lanka, a Suazilândia, a Suécia, a Suíça, o Sudão, o Suriname, a Tanzânia, o Tajiquistão, o Togo, a Tunísia, o Turcomenistão, a Turquia, a Ucrânia, o Uruguai, o Uzbequistão, o Vaticano, a Zâmbia, o Zimbábue, etc.

Há, porém, um número reduzido de países cujos nomes não admitem artigo definido em português. É o caso de Portugal, por exemplo. Não existe uma explicação satisfatoriamente lógica quanto a por que Portugal e outros países não levam artigo, enquanto a maioria leva. Nesses casos, a regra é seguir o uso e a tradição. Assim, é errado dizer, por exemplo, “na Angola”, “da Angola”, porque a tradição em português é não usar artigo com Angola: o correto é “em Angola”, “de Angola”.

(No caso de Angola, além da própria tradição da língua há o fato de que se trata de um país cuja língua oficial é o português – e o nome oficial do país, em português, é República de Angola, não “da Angola”. Do mesmo modo, Timor-Leste, também um país em que o português é língua oficial, rejeita o artigo: seu nome oficial é República Democrática de Timor-Leste, e seus habitantes, assim como os portugueses, dizem sempre “em Timor”, “de Timor”, “em Timor-Leste”).

Usam-se, assim, sem artigo: em Angola, em Antígua e Barbuda, em Belize, em Cabo Verde, em Chipre, em Cuba, em El Salvador, em Granada, em Honduras, em Israel, em Madagascar, em Malta, em Moçambique, em Myanmar, em Nauru, em Niue, em Omã, em Palau, em Santa Lúcia, em São Cristóvão e Névis, em São Vicente e Granadinas, em São Tomé e Príncipe, em Singapura, em Taiwan, em Timor-Leste, em Tonga, em Tuvalu, em Vanuatu.

Como se vê, são, em grande parte, ilhas (Cuba, Malta, Niue, Singapura, Tuvalu…), mas há exceções, de modo que a única regra que se pode estabelecer é a do uso tradicional na história da língua.

Há ainda alguns países cujo uso é discrepante entre o Brasil e Portugal – são países com que os portugueses usam o artigo, e os brasileiros não:

  • portugueses dizem “nas Honduras”, “nas Fiji”, “no Gana”, “no Ruanda”, “no Uganda”‘, “no Luxemburgo”, “no Mónaco”, “no Montenegro”;
  • enquanto os brasileiros dizem “em Honduras”, “em Fiji”, “em Gana”, “em Ruanda”, “em Uganda”, “em Luxemburgo”, “em Mônaco”, “em Montenegro”.

No caso de Marrocos, ocorre o contrário: os portugueses dizem “em Marrocos”, enquanto no Brasil se diz “no Marrocos”.

E há, por fim, alguns poucos nomes que, em Portugal, tal como em português antigo, podem ocorrer sem artigo quando regidos por preposição: em Espanha, em França, em Inglaterra, em Holanda, em África, e outros poucos mais. No Brasil, usam-se hoje sempre com artigo: na Espanha, na França, na Inglaterra, na Holanda, na África.

22 comentários sobre “Uso do artigo definido com nomes de países – lista de países

  1. Convém lembrar que há certos contextos que justificam o uso de artigo antes dos nomes de países que não são antecedidos normalmente por ele:

    “Este/a é o Portugal/a Angola que sonhamos para os nossos filhos: próspero/a e justo/a”.

    Curtido por 1 pessoa

    • Claro, com determinantes todo nome recebe o artigo; diz-se “o Portugal de antigamente”, do mesmo modo que fazemos com qualquer nome que normalmente não admite artigo: dizemos “a Curitiba de antigamente”, “a São Paulo que queremos”, “a minha Manaus”, etc.

      Curtir

  2. Ocorreu-me agora algo em que nunca pensara: mesmo os nomes dos países que não são definidos por artigo têm, todavia, gênero?

    Se não têm, por que se diz “O Portugal de antigamente” ou “A Angola que queremos para os nossos filhos”, em vez de “A Portugal de antigamente” ou “O Angola que queremos para os nossos filhos”?

    Dado que os nomes dos países não se encontram nos dicionários, há algum lugar em que se possa encontrar a relação dos gêneros dos países cujos nomes não são definidos por artigo?

    Curtir

    • Sim, sua observação é pertinente e está corretíssima: embora muitos países não levem artigo, intrinsecamente todos eles têm de ser masculinos ou femininos, mesmo que o artigo não apareça normalmente. Esse é o tipo de discussão que tivemos sobre Chipre: procurei mostrar que dizer “o Chipre” é duplamente estranho, não apenas porque, historicamente, Chipre recusa artigo em português, mas também porque, nos raros casos em que se necessitava marcar seu gênero (quando o nome era qualificado), se usava no feminino: “a bela Chipre”, “a antiga Chipre”.

      Curtir

    • De resto, a tendência (no caso dos países sem artigo) parece ser a de tratarmos como femininos aqueles terminados em “a” átono e certas ilhas (“a Taiwan de antigamente”, como “a antiga Chipre”), e como masculinos os demais (“o Israel antigo”, “o Moçambique que queremos”).

      Curtir

      • E às cidades chamamos-lhes “a São Paulo que queremos” e “a Belo Horizonte do futuro”, por exemplo, mesmo quando os nomes são masculinos, como nestes casos, por referência ao substantivo cidade, feminino? Ou os nomes destas cidades, em que pese à referência do nome da capital paulista ao santo que lhe dá nome e à adjetivação de substantivo masculino no nome da capital mineira, são femininos?

        Curtir

        • Nos casos das cidades, efetivamente, o uso do artigo feminino parece ligar-se à ideia de “cidade” (sendo exceções apenas aquelas pouquíssimas exceções que naturalmente levam artigo masculino: o Rio de Janeiro, o Porto, o Recife, o Cairo…).

          Curtir

  3. Pingback: O Mali (país africano), República do Mali – não “em” Mali, “de” Mali | DicionarioeGramatica.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s