O patinete ou a patinete? Um patinete ou uma patinete? Patinete é feminino ou masculino?

Sans titre

O certo é dizer “um patinete” ou “uma patinete”?

Quem abrir o dicionário Houaiss, entre outros, poderá surpreender-se, ao ver que, lá, patinete é considerado um substantivo feminino – embora no Brasil praticamente só se use no masculino: “um patinete”, “o patinete”. O dicionário Michaelis contraria o Houaiss e traz patinete como substantivo masculino, como é usado no Brasil:

Sans titre

O que explica a divergência? A evolução da língua – nisso, o Michaelis está à frente do Houaiss.

Ao longo de toda a história do português, sempre houve grande oscilação no gênero de palavras terminadas em “e”. “Ponte” e “árvore”, por exemplo, eram palavras masculinas em português (dizia-se “o ponte” e “o árvore”), como ainda são em espanhol, italiano e francês. No uso, os falantes de português acabaram usando essas palavras no feminino – e com tanta frequência, que o que no começo era um erro acabou virando a norma.

Esse tipo de mudança, que já ocorria séculos atrás, continua até hoje: tempos atrás, por exemplo, ocorreu com “omelete” e “quiche” – dois substantivos que vieram do francês, língua em que são femininos, entraram em Portugal, onde continuam a ser femininos, mas no Brasil viraram, pouco a pouco, masculinos – hoje, todos os dicionários brasileiros admitem que se diga “o omelete” e “o quiche”, ao lado das formas “originais” “a omelete” e “a quiche”, que, de tão raras, já começam a causar estranheza a quem as ouve.

É o mesmíssimo o caso de patinete. Como “omelete”, veio diretamente do francês, língua na qual é feminino; em Portugal, entrou como feminino, e como feminino entrou no Brasil, mas no Brasil virou masculino.

Prova dessa mudança é que há hoje 52 900 resultados para “o patinete“, entre aspas, no Google – mais de dez vezes mais do que para “a patinete“.

Entre os bons autores brasileiros contemporâneos, só encontramos patinete no masculino: é assim que usam, entre outros, Lygia Fagundes Telles, o “imortal” (membro da Academia Brasileira de Letras) Alberto da Costa e Silva e, já em 1968, Luis Fernando Verissimo.

“Patinete” parece estar, assim, no mesmo caminho de “omelete”: já foi feminino, hoje pode ser usado nos dois gêneros, mas, no Brasil, o gênero mais ouvido é o masculino, sendo que o feminino causa mesmo estranheza. Haverá, é claro, os puristas que se revoltarão com essa “mudança”, por desconheceram a regra mais básica dos estudos das línguas: que toda língua com falantes vivos está sempre em constante processo de mudança, e que tudo que hoje é regra já foi erro.

Querer lutar contra “o patinete” ou “o omelete” acaba sendo como ter tentado lutar, séculos atrás, contra “a árvore” e “a ponte”, sob o argumento purista de que essas duas palavras eram masculinas em latim, tinham entrado como masculinas em português e não podiam mudar de gênero “de repente” só porque cada vez mais pessoas aderiam a esse “erro”.

Ao fim, como sempre ocorre nas línguas vivas, o erro da maioria acabou virando a norma – e do mesmo modo que “ponte” e “árvore” mudaram de gênero, “omelete” e “patinete” seguem hoje o mesmo caminho.

Festa julina, julhina ou junina? Existe a palavra “julina”?

festas-juninas-og

Uma festa do tipo junina que ocorra no mês de julho pode, corretamente, ser chamada julina. “Julina” é o feminino de “julino“, que por sua vez significa “relativo ao mês de julho“.

A grafia “julhina” é errada, pois o radical erudito (usado na formação de palavras) de “julho” é “jul-“, e não “julh-“; do mesmo modo que o adjetivo referente a junho é “junino”, e não “junhino.

Há quem afirme, porém, que a palavra “julina” não pode ser usada, não existe ou é incorreta, por supostamente não vir em dicionários ou no VOLP (o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa) da Academia Brasileira de Letras. Quem diz isso revela não entender como a língua, os dicionários e o VOLP funcionam.

Nenhum dicionário ou vocabulário contém nem pretende conter todas as palavras de uma língua; pelo contrário, a maioria das palavras corretas de uma língua não vem no dicionário.

O dicionário em papel à venda hoje que traz o maior número de palavras é o “Aurelião”, a versão completa do dicionário Aurélio; na introdução, porém, assinada pelo próprio autor em vida, Aurélio Buarque de Hollanda deixa claro que, em relação ao tamanho total da língua, seu dicionário é “inframédio” – isto é, contém menos da metade das palavras corretas existentes.

Por limitações de espaço, há centenas de milhares de palavras corretas que não entram no dicionário. Mesmo não pretendendo recolher todas as palavras de uma língua, as equipes que trabalham em dicionários recolhem semanalmente palavras novas, tiradas da imprensa, de textos (mesmo de redes sociais) ou ouvidas dos falantes.

As palavras mais usadas acabam sendo recolhidas pelos dicionários, e apenas depois de entrar no dicionário, uma palavra segue para vocabulários. Na elaboração da última edição do VOLP, por exemplo, anos atrás, a Academia Brasileira de Letras pediu ao Aurélio e ao Houaiss listas com as milhares de palavras que vinham nos dicionários mas faltavam no VOLP.

Dizer que uma palavra não é correta ou não deva ser usada por não estar nos dicionários ou no VOLP é, portanto, completamente errado, pois há um número imensurável de palavras portuguesas corretas não recolhidas em dicionários, e é justamente apenas após ser usada em contextos reais, sobretudo em meios escritos, que uma palavra poderá  vir a ser recolhida pelos dicionários, e eventualmente, depois dos dicionários, pelo VOLP.

Pode até ser que a palavra, com uma frequência relativamente baixa, nunca chegue a entrar nos dicionários, mas não por isso ela será incorreta ou deverá ser evitada: se a palavra foi formada corretamente, de acordo com os processos de formação de palavras da gramática portuguesa – e é esse o caso de “julina” -, a palavra é correta e pode ser usada.

É perfeitamente correto, frise-se, usar palavras que não estão nos dicionários.

Ainda assim, para provar de vez que estava errado quem defendia que a palavra “julina” estava errada, convém notar que o dicionário Houaiss acaba de incluir a palavra julino na sua versão na Internet:

Houaiss

E existirá adjetivo referente a “agosto”? A “setembro”, “outubro”? Sim. Como se acaba de explicar, por terem uma frequência de uso muito menor que “junino” e “julino”, estas palavras não devem entrar nos dicionários – mas é perfeitamente correto usar termos como “agostino”, “setembrino”, “outubrino”, “novembrino” e “dezembrino”, que têm relativo uso e que seguem o mesmo processo correto de formação vocabular que nos deu “junino” e “julhino”.

“No Laos”, e não “em Laos” – países, em geral, levam artigo definido

IMG_4195.PNG

O jornal O Globo acaba de publicar notícia sobre bebê resgatado “em” Laos. Erraram. Em bom português, o bebê foi resgatado no Laos. O Laos é um país da Ásia e, como ocorre com a maioria dos países na língua portuguesa, leva o artigo definido: diz-se, assim, “no Laos”, “do Laos”, e não “em Laos” ou “de Laos”.

O uso do artigo definido com os nomes próprios de lugares (topônimos) é questão complexa da gramática portuguesa, pois não há uma regra única: a maioria das cidades, por exemplo, não leva artigo (“em São Paulo”, “em Lisboa”, “em Porto Alegre”), mas há exceções (“no Rio de Janeiro”). Já a maioria dos países leva artigo (“o Brasil”, “a Alemanha”, “o Laos”), mas também há várias exceções, como é o caso de Portugal.

Para não errar, assim, é necessário memorizar cada caso – ou recorrer à lista completa de países com os quais se usa (e com os quais não se usa) o artigo definido, elaborada conforme as informações do dicionário Houaiss, que segue, nesse tema, o Ministério das Relações Exteriores brasileiro.

Como se pode ver na lista, dispensam o artigo os seguintes países membros da ONU: Andorra, Angola, Antígua e Barbuda, Barbados, Belize, Cabo Verde, Chipre, Cuba, El Salvador,  Fiji, Gana, Granada, Honduras, Israel, Liechtenstein, Luxemburgo, Madagascar, Malta, Maurício, Moçambique, Mônaco, Montenegro, Myanmar, Nauru, Omã, Palau, Ruanda, Santa Lúcia, San Marino, São Cristóvão e Névis, São Vicente e Granadinas, São Tomé e Príncipe, Singapura, Timor-Leste, Tonga, Trinidad e Tobago, Tuvalu, Uganda e Vanuatu.

Com todos os demais países – como por exemplo o Laos -, o artigo definido deve ser usado.

Por fim: quem nasce no Laos é laosiano. Alguns dicionários trazem como sinônimas as formas laocianolaotiano, que nada mais são que barbarismos copiados de outras línguas; os gramáticos recomendam apenas a forma laosiano.

Uma pastora-alemã ou uma pastor-alemão? Raças de cães têm feminino?

52b48a417968a752e6a2f031a9ab849f

Devemos dizer “uma pastor-alemão” ou “uma pastora-alemã”? Em outras palavras, as raças de cães têm feminino?

Ao ouvirmos pela primeira vez o correto feminino de certos substantivos que só estamos acostumados a ouvir no masculino, a tendência é o estranhamento. Assim, há quem hesite, por exemplo, quanto a como chamar uma mulher que trabalha entregando cartas – a que chegam a chamar de “uma carteiro”, por acharem que o feminino “carteira” estaria incorreto. Não está; poderá soar estranho nas primeiras vezes em que se ouve, mas uma mulher que entrega cartas é, naturalmente, uma carteira.

Do mesmo modo, não existe em gramática alguma previsão de que as raças de cães ou  de outros animais sejam exceções em português, não tendo flexão no feminino. Sendo substantivos comuns, raças de animais têm femininos regulares: uma fêmea de gato siamês é uma gata siamesa, do mesmo modo que é correto referir-se a uma cadela maltesa ou a uma cachorra pequinesa (e não a uma “cadela maltês” nem a uma “cachorra pequinês“).

[Vale recordar, já que há quem tenha dúvida: “cadela” é o feminino de cão, e “cachorra” é o feminino de cachorro; as duas palavras, cadela e cachorra, existem e são corretas.]

Uma fêmea de buldogue francês será, naturalmente, uma buldogue francesa. A fêmea de um dogue alemão é uma dogue alemã.

Do mesmo modo, em português se dirá “uma labradora“(e não “uma labrador“) e “uma pastora-alemã” (e não “uma pastor-alemão“).

Uma exceção: como outros substantivos femininos derivados de nomes próprios masculinos (como “a são-bento”, “a são-pedro”), o nome “são-bernardo” fica invariável: uma fêmea de são-bernardo é “uma são-bernardo“, do mesmo modo que se fala de “uma são-pedro” e “uma são-bento” – duas variedades de peras portuguesas.

A flexão dos nomes de raças de animais é comum às demais línguas neolatinas: a fêmea do pastor-alemão é, em espanhol, uma “pastora alemana“; em italiano, uma “pastora tedesca“; e em francês, uma bergère allemande (literalmente “pastora alemã”, bergère sendo o feminino de berger, pastor, e allemande o feminino de allemand, alemão).

Há um único vendedor de livros de “dicas de português” que defende, com base apenas na “opinião” dele próprio, que as raças de cães não tenham feminino – mas porque esse autor defende que as raças seriam invariáveis, não tendo sequer plural: na opinião dele, deveria dizer-se “duas buldogue“, “duas dálmata“, “duas pastor-alemão” – o que obviamente não é correto em português padrão.

Os grandes dicionários e gramáticas portugueses e brasileiros concordam que raças de cães são substantivos variáveis; deve dizer-se, portanto, “dois dálmatas” (e não “dois dálmata“) e “duas dálmatas”, “dois buldogues”, “duas buldogues”, “dois pastores-alemães”, “duas pastoras-alemãs”, etc.

Pastor alemão (ou pastor-alemão) tem hífen? E isso importa?

alimentar-pastor-aleman

O certo é pastor alemão ou pastor-alemão? O nome da raça de cães leva hífen ou não?

A quem aqui chegar preocupado em escrever da forma “oficial” e apenas interessado na resposta rápida: escreva o nome da raça com hífen. É assim que vem, por exemplo, no VOLP, o Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de Letras – que, embora não tenha valor oficial, é usado como referência por dicionários brasileiros e mesmo pelo português Priberam.

Ainda assim, convém resistir à tentação de apontar o dedo a que escrever “pastor alemão” sem hífen como se se tratasse de erro: o Dicionário Michaelis, por exemplo, traz o nome da raça sem hífen, com abonação – a maioria dos bons autores, aliás, sempre escreveu o nome da raça sem hífen. O Houaiss em papel também traz apenas “pastor alemão” sem hífen, dentro do verbete “pastor”, mas na versão na Internet incluiu a forma hifenizada. E o Dicionário Aulete aceita as duas opções: traz tanto com hífen, “pastor-alemão”, quanto sem hífen, dentro do verbete “pastor”:

Sans titre3.png

E a verdade é que a solução salomônica do Aulete é a melhor: por que é que uma forma deve necessariamente estar errada?

Ouvir isso deve provocar arrepios no leitor que tenha chegado aqui após perder seu tempo consultando no Google qual a grafia “correta” para a raça, preocupado em não cometer um suposto “erro de grafia”; mas o que se quer aqui trazer à discussão é o fato de a língua portuguesa ser a única cujos falantes perdem tanto tempo, inutilmente, preocupados em descobrir se uma palavra ou expressão deve ser escrita com hífen ou não.

Deveríamos aprender a olhar a questão do hífen como o fazem os falantes das outras grandes línguas europeias – como o inglês, o francês, o espanhol, o italiano… todos eles há muito deixaram de se preocupar tanto com o hífen.

Em inglês e em francês, não existem regras rígidas para o uso dos hifens. Vários gramáticos ingleses repetem a máxima ensinada em manual da Universidade de Oxford, segundo a qual quem que se preocupar demais tentando seguir o uso “correto” dos hifens acabará por enlouquecer (“If you take hyphens seriously you will surely go mad“).

Assim, com a devida autorização das gramáticas e dos dicionários, cada falante de inglês tem o direito de corretamente, na escrita, escrever “air-crew“, “air crew” ou “aircrew“; “best seller“, “best-seller“, “bestseller” – todas as opções são corretas em inglês. Os dicionários limitam-se a registrar todas as opções conforme os autores as vão usando: várias expressões começam sendo escritas sem hifens, depois passam a levar o tracinho, e anos mais tarde passam a ser majoritariamente escritas numa só palavra: on lineon-lineonline.

Mas não é porque a maioria das pessoas hoje use online que quem escrever on-line estará cometendo um erro. As duas opções são corretas. Lá se entendeu, corretamente, que o hífen é uma questão de estilo, não de gramática.

A Academia francesa igualmente admite que, nos compostos, os falantes oscilam na grafia, recomendando aos dicionários o registro das variantes: é igualmente correto, assim, escrever haut-parleur ou hautparleur (alto-falante ou “altofalante”), porte-monnaie ou portemonnaie (porta-moedas ou “portamoedas”), sauf-conduit ou saufconduit (salvo-conduto ou “salvoconduto”), etc.

Em espanhol e em italiano foi-se ainda além, abolindo-se simplesmente o uso dos hifens. Em espanhol, por exemplo, em vez de ex-primeira-dama, escreve-se “ex primera dama“; em vez de porta-voz, escreve-se “portavoz“.

Se ainda não estamos no nível dos falantes do espanhol e do italiano, capazes de viverem sem hifens, brasileiros e portugueses deveriam ao menos aceitar – como já o fazem os falantes do inglês e do francês – que o uso do hífen é questão de estilo, e não de correção gramatical.

Haverá, porém, quem diga que a rigidez no uso do hífen – que só existe em português – é importante; há quem chegue a dizer que é preciso usá-lo para diferenciar um “pastor-alemão” (o cão) de um pastor que tenha de fato vindo da Alemanha. O argumento não se sustenta, já que, exceto em exemplos inventados propositadamente para ilustrar a suposta confusão, o contexto jamais permitiria uma dúvida do tipo – prova disso é que a maioria das pessoas já escreve “pastor alemão”, tanto na Internet quanto em bons livros, sem que jamais tenha havido confusão.

Para concluir definitivamente, por fim, a inutilidade do hífen em “pastor alemão”, basta ver o nome da raça nas outras línguas europeias antes citadas: em inglês, German shepherd; em espanhol, pastor alemán; em francês, berger allemand; em italiano, pastore tedesco. Em nenhuma dessas línguas se usa hífen no nome da raça.

Não é possível que os falantes de português sejam os únicos do mundo a precisar de um hífen para entender, em cada contexto, se se está falando de um cão ou de um ser humano de origem alemã.

Ter ou possuir? É errado usar o verbo “possuir”? Por quê?

Sans titre.png

Muitos manuais ou páginas de dicas de redação recomendam evitar o verbo “possuir”. Isso quer dizer que o verbo “possuir” está sempre errado? Não. O problema está no seu uso indiscriminado.

O verbo “possuir” significa, literalmente, “tomar posse de” ou “ter posse de”. Um espírito maligno possui alguém; um fazendeiro pode possuir muitas terras; etc. Nesta última acepção, é, em geral, sinônimo de ter.

Ainda assim, a recomendação recente de evitar o verbo “possuir” surgiu para combater um modismo que se verificara: que muitas pessoas, querendo escrever mais “bonito” ou “difícil”, vinham simplesmente abandonando o tradicionalíssimo verbo “ter”, substituindo-o sempre por “possuir”.

Em vez de um natural “Não tenho filhos”, ouvia-se um pretensioso “Não possuo filhos”. Em vez da corretíssima frase “O planeta Marte tem dois satélites”, ouvia-se uma quase risível “O planeta Marte possui dois satélites”.

O problema todo do abuso do verbo “possuir” é que o seu uso repetido passou a ser visto como marca registrada de quem queria “falar difícil”, daqueles que evitam construções mais precisas e claras em favor de outras supostamente mais rebuscadas.

Esse uso de “possuir” em lugar de “ter” tornou-se um dos muitos que identificariam os seguidores da crença (equivocada) de que, para bem escrever (ou falar formalmente), é preciso expressar-se o mais diferentemente possível de como normalmente se fala. É essa crença equivocada que leva à maior parte dos erros que vemos em escritos de brasileiros cultos hoje – por exemplo, as abundantes ênclises erradas do tipo “que trata-se”, “não viu-me”, “também sentiu-se”…

A ideia de que seria “chique” substituir um verbo clássico português como “ter” por outro mais longo é o que se vê também entre os mesmos falantes inseguros que trocam sempre o verbo “pôr” por “colocar”, ou o verbo “estar” por “encontrar-se” (“Ele encontra-se ocupado”), etc.

É o mesmo tipo de insegurança, ainda, que levou à criação de modismos como “irá fazer”, “irá criar”; ou que tem levado pessoas a substituírem o tradicional “de férias” por um supostamente mais chique “em férias”, ou mesmo o tradicional fim de semana por final de semana; é a mesma pretensão de se “falar difícil” que leva brasileiros a acharem “feio” escrever as corretíssimas contrações “numa” e “num” e a crerem que é mais correto escrever “em uma” e “em um” (que os portugueses dizem que só se veem no Brasil) – ou que os faz acharem necessário substituir as mais tradicionais “tinha feito”, “tinha sido” por “havia feito”, “havia sido”

É, ainda, o mesmo tipo de insegurança que têm feito falantes cultos evitarem formas preferíveis, como “ter gasto”, “haver pago”, “tinha ganho”, para as substituir pelas até há pouco obsoletas “gastado“, “pagado” e “ganhado.

Em resumo, não é propriamente um erro de português dizer que alguém “possui” tantos filhos; é, na opinião de muitos, um problema de estilo, que chega inclusive a levar à perda de pontos em redações de concursos mais exigentes, por se empregar um verbo menos apropriado do que a solução mais óbvia, simples e precisa: o bom e velho verbo “ter”.

Clique aqui para ler os outros textos da página www.dicionarioegramatica.com.br

Picado por uma cobra ou mordido? O certo é picada de cobra ou mordida de cobra?

10646025.jpg

A Internet é mesmo terreno fértil para os falso “corretores” da língua portuguesa. Há quem tenha tentado, por exemplo, “corrigir” reportagem sobre uma “picada de cobra”, dizendo que cobra não pica, mas morde.

É errado falar em picada de cobra? Não, não é – basta abrir um dicionário (como o Aurélio, o Houaiss, etc.) para ver que, em português, a mordida de uma cobra é chamada de picada:

Houaiss.png

Portanto, pode-se dizer que uma cobra pica ou morde. Picar é dar uma picada, e picada, em português, significa, entre outros, mordida de inseto ou de cobra.