Ambrosia ou ambrósia? Os “puristas”, novamente, estavam errados

Sans titre.png

O certo é ambrosia ou ambrósia? Como se vê em qualquer bom dicionário atual, as duas palavras existem, mas significam coisas diferentes: a comida, o manjar dos deuses, é ambrosia – com sílaba tônica no “si“. Já ambrósias são plantas.

Ambrosia era o nome dado pelos gregos à comida dos deuses, que conferiria imortalidade, e popularmente designa também diferentes doces – no Brasil, designa, por exemplo, uma sobremesa feita com ovos, leite e açúcar.

Há, porém, diversos livros, tanto no Brasil quanto em Portugal, que trazem o “ensinamento”  (errado) de que a pronúncia “certa”, mesmo para a comida, deveria ser ambrósia. Tal afirmação se encontra, por exemplo, no Vocabulário de Rebelo Gonçalves, autor português, e mesmo no dicionário Houaiss – que afirma, quase como um lamento, que, para a comida, “a prosódia ambrósia seria a recomendável, mas ambrosia parece imposta pelo uso“. Errou o português, e erra o Houaiss.

Erram ambos, porque – além de ser a única pronúncia existente para a comida, tanto em Portugal quanto no Brasil – é ambrosia, com sílaba tônica no “si”, a pronúncia original grega. O manjar dos deuses, entre os gregos, era mesmo ambrosía – cuja pronúncia em grego se pode inclusive ouvir aqui.

De onde tiraram tanto o brasileiro Houaiss quanto o português Rebelo Gonçalves (e outros tantos) a afirmação errada? Como aqui já tantas vezes vimos, o que mais fazem os dicionaristas e muitos autores de livros de gramática é copiar uns aos outros, em geral acriticamente, o que faz que erros como esse se perpetuem ao longo de séculos como se verdade fossem.

No caso da errada “ambrósia” como pronúncia mais correta, é possível traçar o erro ao menos até Cândido de Figueiredo, português, autor de um dos mais vendidos dicionários da língua (primeira edição de 1899, republicada numerosas vezes até 1996) – mas que, ao longo da carreira, foi autor e propagador de centenas de “falsos erros” de português e criador, ele próprio, de erros de culpa sua, como o da “ambrósia” grega. Na tentativa de corrigir à força o que ele achava serem erros da língua, acabou sendo responsável por vários erros por ele criados – alguns dos quais repercutidos até recentemente, acriticamente, por gramatiqueiros, dicionaristas e professores pouco desconfiados.

Esse exemplo, como outros, mostra que nossos autointitulados “puristas” erram, erravam e erravam muito, e que não poucas vezes, quando teimavam que o “certo” era de um jeito, e não do jeito que todo o povo falava, a boa análise etimológica e histórica acabou provando que era o povo, e não os puristas, quem tinha razão.

O acento de oxímoro (e não *oximoro): mais um erro do Houaiss

rh5rh

Oxímoro, ensina o Dicionário da Academia Brasileira de Letras (foto abaixo), é a “figura que consiste na associação de termos contraditórios quanto ao seu significado“. O Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa (foto também abaixo) explica ainda que são exemplos de oxímoros os famosos versos de Camões “Amor é (…) ferida que dói e não se sente / É um contentamento descontente / É dor que desatina sem doer.

É também oxímoro, com acento, a grafia encontrada nos dicionários de Antenor Nascentes, Celso Luft, Estraviz e em todos os dicionários feitos por Aurélio enquanto vivo.

Quem procurar “oxímoro” no Houaiss, porém, só encontrará oximoro, sem acento. Mas o próprio dicionário informa que a palavra vem do grego, língua em que a palavra já era proparoxítona.

Some-se a isso o fato de oxímoro ser a única forma que se ouve nas faculdades de Letras e demais círculos em que de fato se usa a palavra. O Dicionário de usos do português do Brasil, de Francisco Borba, feito com as palavras efetivamente mais usadas no Brasil, colhidas de usos reais por métodos técnicos, também só traz “oxímoro“, acentuada.

É uma grande contradição, portanto, o Houaiss (como outros dicionários, que, recentemente, passaram a não fazer mais que copiar o Houaiss) atestar que a etimologia da palavra indicaria uma pronúncia proparoxítona (e que de longe é a pronúncia mais corrente ), mas ainda assim registrarem a palavra sem nenhum acento.

É um erro mais do Houaiss (e dos dicionários que, desde a publicação do Houaiss, não fazem mais que copiá-lo acriticamente). Como sempre insistimos: o Houaiss é um dos melhores e maiores dicionários já feitos em qualquer país de língua portuguesa, mas, como toda obra dessa magnitude, não pode ser tomada como verdade absoluta, pois tem muitos erros.

Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa:IMG_1355

Dicionário da Academia Brasileira de Letras:IMG_1363

Hindustâni, uma macrolíngua que inclui o urdu e o híndi (com acento)

indian-village-girl-writing-english-alphabet-on-a-chalkboard-in-a-d010nx

A língua oficial da Índia é o híndi; a língua oficial do Paquistão é o urdu. Na fala, o urdu e o híndi são praticamente indistinguíveis, razão pela qual muitos linguistas defendem tratar-se de duas variantes de uma mesma língua (o chamado hindustâni). O hindustâni seria, assim, uma macrolíngua que incluiria o híndi e o urdu. 

O híndi e o urdu distinguem-se sobretudo na escrita: o urdu usa o alfabeto persa (por sua vez, uma derivação do alfabeto árabe e, como tal, escrita da direita para a esquerda), enquanto o híndi é escrito em um alfabeto próprio da Índia, o devanágari.

A palavra híndi é paroxítona e, por isso, leva acento em português (do mesmo modo que hindustâni, por ser uma paroxítona terminada em -i, como táxi ou martíni, e ao contrário das oxítonas tupi, sambaqui).

urdu se pronuncia “urdú” e, por isso, não leva acento em português (como urubu, beiju, baiacu).

devanágari obviamente também leva acento, como todas as proparoxítonas em português.

“Quórum”, em português, tem acento (como fórum)

sem-titulo

Um dia a Folha de S.Paulo aprende: quórum em português tem obrigatoriamente acento.

Em português, as palavras paroxítonas terminadas em -um precisam de acento: fórumquórumultimátum.

Se uma palavra em português termina em -um e não leva acento, é obrigatoriamente oxítona, como é o caso de algumnenhumzunzumvacumcomum.

img_2923

Pronomes de tratamento (“Vossa Senhoria”, “Sua Excelência”) nunca levam crase

untitled

Não se usa crase antes de pronomes de tratamento. São incorretas, portanto, construções como “à Sua Excelência”; o certo é sempre “a Sua Excelência”. O mesmo vale para Vossa Excelência, Vossa Senhoria, Sua Senhoria, Vossa Santidade, Sua Alteza, etc.

A razão é simples: a crase ocorre, em regra, quando se dá a junção de duas vogais idênticas – quando dizemos “dei o livro à menina”, há crase porque o “à” ali representado vale por dois: a preposição “a” (equivalente a “para”) e o artigo feminino “a”.

Como os pronomes de tratamento não levam artigo definido (não se diz “A Vossa Excelência chegou”, “O pai da Vossa Alteza”, e sim “Vossa Excelência chegou”, “O pai de Vossa Alteza”), nunca há, antes de pronomes de tratamento, os dois “aa” necessários para que surja uma crase.

Assim, escreva sempre sem crase: “dirigiu-se a Suas Senhorias”; “falou a Sua Excelência”; etc.

untitled4

Em português, “burquíni”, não “burkini”

quiz_veu5

O traje de banho cujo nome mistura burca com biquíni fez notícias nos últimos dias, com a polêmica de sua proibição em praias francesas. Os veículos de comunicação que usaram a palavra, porém, dividem-se em dois grupos: aqueles que, como sói ocorrer, limitaram-se a copiar e colar a grafia tirada das notícias em inglês – burkini – e aqueles poucos que sabem que uma palavra não precisa estar nos dicionários para ter uma grafia correta em português – que, neste caso, só pode ser burquíni, com “qu” e com acento agudo.

Burquíni” precisa de acento pela mesma razão que “biquíni“: porque é uma regra de acentuação que as palavras paroxítonas terminadas em “i” precisam de acento – como também são o caso de táximartínicáqui (a cor), etc. Isso para diferenciá-las das palavras oxítonas terminadas em “i”, que, em português, não levam acento: aquialicaqui (o fruto), daiquiri, tupiguarani, Sacivivicomibebidesapareci.

O acento de oxímoro: mais um erro do Houaiss

rh5rh

Oxímoro ou oximoro?

Oxímoro, ensina o Dicionário da Academia Brasileira de Letras (foto abaixo), é a “figura que consiste na associação de termos contraditórios quanto ao seu significado”. O Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa (foto abaixo) explica ainda que são exemplos de oxímoros os famosos versos de Camões “Amor é (…) ferida que dói e não se sente / É um contentamento descontente / É dor que desatina sem doer.”

Não só eles – o Dicionário de usos do português do Brasil, de Francisco Borba, feito com as palavras efetivamente mais usadas no Brasil, também só traz “oxímoro”, acentuada – que também é a única palavra que consta dos dicionários feitos por Aurélio em vida (como se vê na primeira e na segunda edições do “Aurelião”).

Quem procurar “oxímoro” no Houaiss, porém, só encontrará oximoro, sem acento. O próprio Houaiss explica, porém, que a palavra vem do grego, língua em que a palavra já era proparoxítona – que é a única forma que se ouve nas faculdades de letras e outros círculos em que de fato se usa a palavra.

E por falar em contradições (nem todas as quais são oxímoros), uma contradição (que não chega a ser um oxímoro) é justamente o fato de o Houaiss (como outros dicionários, que, recentemente, passaram a não fazer mais que copiar o Houaiss) atestar que a etimologia da palavra justificaria uma pronúncia proparoxítona – de longe a pronúncia mais corrente -, mas mesmo assim não registrar a forma com acento. Ou talvez seja simplesmente um erro.

O Dicionário Aulete, salomônico, registra ambas numa só entrada:

oxímoro, oximoro

1. Ret. Figura em que se combinam palavras contraditórias, mas que no contexto reforçam uma ideia (p.ex.: O mito é o nada e é o tudo, Fernando Pessoa, Ulisses, in Mensagem); “(…) conspiração conservadora é um oximoro, minha outra palavra difícil do mês.” (Luis Fernando Verissimo, in O Globo, 04.08.05); PAROXISMO

Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa:IMG_1355

Dicionário da Academia Brasileira de Letras:IMG_1363

O tríplex e o triplex (e o dúplex e o duplex)

triplex-capa

Afinal, é tríplex  (como se vê em alguns dicionários) ou triplex? O certo é duplex ou dúplex?

Já há muitos anos as palavras duplextriplex, oxítonas, constam do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP) da Academia Brasileira de Letras (clique aqui para conferir) e dos dicionários – como o Dicionário Priberam e o Dicionário Aulete:

tríplex, triplex
(trí.plex, tri.plex) [cs]

adjetivo de dois gêneros e de dois números
1. Constituído de três partes (geladeira triplex, tanque triplex).
2. Que tem três andares (chalé triplex, coberturas triplex).

substantivo masculino de dois números
3. Apartamento com três andares: um triplex avaliado em mais de um milhão.
4. Vidro de segurança us. ger. em automóveis, constituído por duas lâminas de vidro entremeadas por fina camada de acetato de celulose.

Ms Dicionários oficiais da Academia Brasileira de Letras (a ABL) e da Academia das Ciências de Lisboa (a homóloga portuguesa da ABL) e o fato é que ambas as academias registram como forma preferencial triplex, oxítona, e não tríplex:

14905IMG_0529

Acima, o Dicionário da Academia de Lisboa. A seguir, o mais recente Dicionário da Academia Brasileira de Letras (2009):

IMG_1293

IMG_0537

Mas – se todas as pessoas pronunciam triplex como oxítona (como atesta o próprio Aurélio), e a maioria dos dicionários prefere a forma triplex ou mesmo só aceita essa forma, e as duas Academias da Língua Portuguesa dão preferência à forma oxítona, triplex… por que é que há jornais que até hoje escrevem tríplex? Em resposta: simplesmente porque os jornais tendem a confiar cegamente seja no Houaiss, seja no Aurélio – mesmo em casos absurdos como esse. E, como o Houaiss (que já mostramos que, por melhor que seja, tem uma abundância de erros) registra triplex como forma não preferível de tríplex, alguns jornais sem senso crítico acabam pagando esse mico que é escrever, em pleno 2016, tríplex.

“aimarás”, em português = “aimaras”, em espanhol

Evo Morales

O grupo populacional indígena predominante na Bolívia, ao qual pertence o presidente do país, Evo Morales, chama-se “aimara” – apenas em espanhol. Em português, a denominação correta é aimará – palavra oxítona, com acento no último “a”.

aimará é também uma das línguas oficiais da Bolívia – juntamente com o espanhol e com outras 35 línguas indígenas (a Bolívia tem, atualmente, 37 línguas oficiais). Não é correto chamar ao aimará ou a qualquer uma das línguas indígenas “dialetos“.

Como já dito, os aimarás são em espanhol chamados aimaras – sem acento, por ser, em espanhol, palavra paroxítona. Apesar da grafia correta em espanhol moderno ser essa (aimaras no plural, aimara no singular: Los aimaras hablan la lengua aimara), é comum ver também, especialmente na Bolívia, as grafias aymara aymaras, com ípsilon no lugar do i.

O “y” como semivogal foi há muito tempo substituído, na ortografia oficial espanhola, pelo “i”, quando no interior de vocábulos (“rainha” hoje, escreve-se reina, embora historicamente se tenha grafado reyna), tendo-se mantido seu uso apenas no final de palavras (por exemplo “rei”, que continua a escrever-se, em espanhol, rey).

Muitos dos próprios aimarás, porém, preferem a grafia “antiga”, razão pela qual é comum encontrar, sobretudo na Bolívia, a forma aymara – embora essa grafia não seja reconhecida pela Real Academia Espanhola nem conste dos dicionários oficiais espanhóisque apenas registram aimara.

Como o português, a língua espanhola não usa iniciais maiúsculas para nomes de povos e etnias: Los españoles no conquistaron a los aimaras, ou Os espanhóis não conquistaram os aimarás – em oposição à forma em inglês, em que o uso da maiúscula, nesses casos, é obrigatório: The Spanish didn’t conquer the Aymaras.

É importante recordar a diferença da sílaba tônica entre a palavra espanhola (aimara) e sua tradução portuguesa (aimará) sobretudo pelo fato de que a palavra aimara também existe em português, porém com significado diferente: em português, aimara é o nome de uma árvore.

Eta, notícia boa: Globo corrigiu nome da novela

Nem tudo está perdido: embora achássemos que já fosse quase causa perdida quando fizemos o apelo para que a Rede Globo corrigisse o nome da novela que estreou nesta semana (ver postagem original aqui), nada como uma boa notícia inesperada – a novela enfim apareceu com título e logotipo sutilmente corrigidos (ver comparação, abaixo)!  Na publicação anterior, recordamos por que “eta” não podia levar aquele acento. Gostamos de ver, Rede Globo!

15-01-2016-40-logo-novela-eta-mundo-bom