Lalau, sinônimo de ladrão… desde 1949

caso2bforum2btrabalhista2bsp_juiz2bnicolau2blalau

No ano 2000, o Brasil acompanhou a revelação de escândalo de corrupção milionário que envolvia o juiz Nicolau dos Santos Neto. Quem acompanhava a imprensa brasileira à época recordará que, após meses de cobertura, o caso era já mencionado simplesmente como o caso “Lalau”, apelido pelo qual o juiz ficou nacionalmente conhecido.

A maioria das pessoas pode ter simplesmente achado que “Lalau” era simplesmente o apelido pessoal do juiz, o modo pelo qual amigos ou comparsas o chamavam. Na verdade, não – o juiz nunca usou o apelido.

“Lalau”, na verdade, é um antigo sinônimo brasileiro para ladrão. Há quem hoje, ao ouvir que alguém “deu uma de lalau”, pense que se está fazendo referência ao juiz condenado; na verdade, é o contrário: foi o juiz quem acabou, à época, recebendo da imprensa, como apelido, essa antiga gíria para ladrão.

É provável que a maior parte da imprensa não soubesse que foi induzida a erro, pois em geral se referiam ao juiz Nicolau como “conhecido como Lalau“, como se esse fosse de fato seu apelido. O que parece ter ocorrido é que o apelido “o juiz Lalau” tenha começado a ser usado em tom de piada por humoristas e colunas menos sérias que conheciam a antiga gíria, mas acabou sendo popularizada e adotada por toda a imprensa mais séria sem saber que estavam simplesmente repetindo – e dando ares de seriedade – a uma piada maldosa (ainda que merecida).

Lalau como sinônimo de ladrão ou malandro já vinha na primeira edição do dicionário Aurélio, de 1975; na primeira edição brasileira do dicionário Aulete, de 1958; e em A Gíria Brasileira, livro de Antenor Nascentes (autor do dicionário da Academia Brasileira de Letras), de 1953.

Embora a associação (e a rima) do nome do juiz Nicolau com a palavra tenha servido para reviver e nacionalizar a palavra, em 2000, o registro mais antigo da palavra que encontro é de 18 de junho de 1949, no jornal A Manhã:

Lalau

Concertina, um tipo de acordeão

chemnitzer_concertina_star_old_timer

A concertina é um tipo de acordeão menor e com forma de hexágono ou octógono. É instrumento musical com papel relevante na tradição musical de vários países – Alemanha, Reino Unido, Portugal, partes do Brasil (sobretudo o estado do Espírito Santo), Argentina (onde deu origem ao bandoneón), etc.

Mas a linda concertina da foto acima não é uma concertina para os nossos principais dicionários: para os brasileiros Houaiss, Aulete e Michaelis e para os portugueses Priberam e Porto Editora, uma concertina tem de obrigatoriamente ter formato hexagonal. Errados, todos eles.

Quem se salva são o Aurélio (que nada fala do formato da concertina) e o Estraviz (“Instrumento musical de fole e palheta livre, de caixa poligonal, do grupo dos acordeões“).

Em espanhol, a Real Academia também acerta: “concertina: acordeón de forma hexagonal u octogonal“.

Apenas em português, concertinas são também as espirais do arame farpado, como as da foto a seguir:

cerca-concertina-e1316969372877

“Siderólito”: comparando dicionários

n3026

Topei hoje com uma palavra que desconhecia: siderólito. Significa, simplesmente, um meteorito (aproximadamente) metade de pedra, metade de metal. Isso o diferencia da maioria dos meteoritos, que são ou apenas de pedra, ou apenas de metal.

Decidi então verificar como se saíam nossos grandes dicionários brasileiros e portugueses na definição dessa palavrinha não muito usual.

Dicionário Houaiss descreve um siderólito como um “meteorito relativamente raro, que contém grandes proporções, e aprox. iguais, de ferro, níquel e silicatos“. Ora, essa definição está obviamente errada. Da maneira que está escrita, a única compreensão possível seria a de que um siderólito tem cerca de 33,3% de ferro, 33,3% de níquel e 33,3 % de silicatos (minerais). Errado.

O Dicionário Aurélio diz que é um “Aerólito com grande proporção de minérios de ferro e de níquel, afora outros corpos não metálicos“. Não chega a ser errado, mas é impreciso.

O novíssimo Dicionário Michaelis é, basicamente, uma grande paráfrase gratuita do Houaiss, que fez questão de copiar todos os erros do Houaiss, como teremos oportunidade de ver em muitos outros exemplos. Nesse caso, não faz por menos: copiou a definição errada do Houaiss: “Tipo de meteorito que contém proporções praticamente iguais de ferro, níquel e silicato“.

As cópias pura e simples do Houaiss feitas pelo novo Michaelis ficam sempre mais evidentes quando se compara uma palavra no novo Michaelis com a mesma palavra no antigo Michaelis, cujo conteúdo ainda pode ser acessado neste endereço.

Como se pode ver, o Michaelis original definia siderólito como um “Aerólito rico em minérios de ferro” – não era uma definição perfeita, mas ao menos estava correta. Ou seja, jogaram fora algo certo para copiar o errado do Houaiss.

A Academia de Lisboa (a homóloga portuguesa da nossa Academia Brasileira de Letras) desconhece a palavra. O Dicionário Priberam também nunca ouviu falar.

O Dicionário Aulete diz que um siderólito é o mesmo que “minério de ferro“. Não era o caso.

A portuguesa Porto Editora diz que um siderólito é um “tipo de meteorito em que os elementos metálicos (ferro) e os líticos (silicatos) entram em proporções quase iguais“. Bingo! Temos um vencedor!

Dicionrio-Ilustrado-da-Academia-Bras-de-Letras-Edio-20150127164911O Dicionário Estraviz, da Galiza, traz quase a mesma definição.

É especialmente notável que no grande dicionário da Academia Brasileira de Letras (foto da versão ilustrada aqui ao lado), de autoria do genial Antenor Nascentes, já vinha, corretamente, na edição de 1977: “meteorito com 50% de metal em sua composição”. É impressionante que uma obra já com quase meio século de idade e que nunca se popularizou seja até hoje mais completa e precisa do que quase todos os dicionários modernos. Infelizmente, o grande dicionário da ABL não é reeditado desde 1988.

Palavra “estrupo” existe, mas não tem nada a ver com “estupro”

12065534_980128158710238_3660107163122020239_n

As palavras estrupo estrupada  existem em português – mas não têm nada a ver com estupro ou estuprada.

Sim, há muita gente que, por confusão, pronuncia (e escreve) mal a palavra estupro – que, no sentido de violação, violência sexual, crime sexual, só se pode escrever mesmo estupro. Por essa razão, para “corrigir” o erro, muita gente costuma dizer, taxativamente, que “a palavra estrupo não existe”. Mas isso é falso: estrupo também existe; é uma palavra antiga da língua portuguesa – mas de fato nada tem a ver com estupro.

Estrupo, palavra que pode ser encontrada em dicionários atuais como o Aulete e o Priberam  e em todos os bons dicionários antigos, é um muito antigo sinônimo de tropel, que significa o ruído intenso causado pelo andar ou pelo correr de muitas pessoas ou animais ou uma multidão.

No Grande diccionario portuguez ou Thesouro da lingua portugueza, de Domingos Vieira, publicado em 1873, a palavra estrupo já era considerada antiga (e portanto, desusada), como sinônima de estrepido ou de tumulto.

No New Dictionary of the Portuguese and English Languages, de 1871, estrupo era definido como: ESTRUPO, s. the noise made by many horses ambling or running together; multitude, crowd.

Dicionário de Moraes de 1831 (4ª edição – foto abaixo) também já trazia estrupo, com o significado de “rumor de gente revolta“. O mesmo dicionário trazia, também, o substantivo estrupada (palavra presente até no Dicionário da Academia Brasileira de Letras, de 1988, com o significado de “rajada de vento”), que não deve ser confundida com  o adjetivo estuprada – da mesma forma que não se deve, jamais, confundir a antiga palavra estrupo com o crime de estupro.

Moraes

“Parricídio” e “patricídio”

1043431-article_1094065_02c80cb6000005dc_763_468x307

Na publicação anterior sobre deicidas, fordicidas, gaticidas e afins, um leitor comentou ter sentido falta, na lista, de “parricida” – aquele que comete um parricídio: o ato de matar o próprio pai, ou a própria mãe, ou um avô ou avó, ou bisavô ou bisavó, ou qualquer outro ascendente.

Parricídio não é, assim, o mesmo que patricídio – ao contrário, portanto, do que afirma, erradamente, o Dicionário Houaiss. Patricida é aquele que mata o próprio pai, e ponto final – é, portanto, forma análoga de “matricida” (aquele que mata a própria mãe).

Dar um significado errado, como faz o Houaiss, é pior do que o que fazem o Dicionário Aurélio, o Aulete, o Michaelis, o da Porto Editora e o da Texto Editores, que sequer trazem as palavras patricídio patricida.

Na “prova” de hoje, o dicionário que se sai melhor é, sem dúvida, o Priberam (que além de tudo é grátis), que define, muito bem, patricida como quem mata o próprio pai, matricida como quem mata a própria mãe, e parricida como “Pessoa que mata seu pai ou sua mãe ou outro qualquer dos seus ascendentes.” ou ainda, por extensão, “Pessoa que atenta contra o rei ou contra a pátria“.

 

Qual o dicionário de português com mais palavras?

image_thumb5b95ddicionario-da-lingua-portuguesa-laudelino-freire-1957-5-vol-229211-MLB20511396991_122015-FDicionrio-Ilustrado-da-Academia-Bras-de-Letras-Edio-20150127164911

Após termos feito, anteriormente, uma lista com os maiores dicionários da língua portuguesa para responder qual é o maior até hoje, diversos leitores enviaram-nos os números atualizados de alguns dos dicionários mencionados. A própria Priberam nos deu a honra de comentar na publicação, informando que o Dicionário Priberam já passa das 115 mil palavras. Obtivemos, ainda, os números exatos de verbetes dos dicionários de Laudelino Freire, da Academia Brasileira de Letras e daquele que já tínhamos identificado, corretamente, como o maior dicionário até hoje já publicado. Para que esteja sempre atualizada, a publicação em questão se tornou uma página fixa, acessível pelo menu aqui acima (ou simplesmente clique aqui).

image (2) image20-20cc3b3pia-thumb-600x813-9099dicionario-universal  14905

Tríplex? Até as Academias recomendam triplex

Embora só se ouça falar recentemente de um certo triplex, alguns jornais insistem em só escrever tríplex. Por quê? Porque confiaram cegamente (como sói ocorrer) no Houaiss e no Aurélio, que, como já mostramos tantas outras vezes, erram, e muito.

Já mostramos aqui que o Dicionário Aulete, de Caldas Aulete, registra como formas idênticas triplex e tríplex (pelo que faria mais sentido dar preferência à forma que de fato se ouve, oxítona). Dicionários de renome como o Dicionário de Usos do Português do Brasil (cujas palavras foram selecionadas das palavras que de fato mais ocorrem na língua, com um sistema profissional de busca), o Dicionário de Celso Luft e até o Dicionário feito pelo ex-presidente Jânio Quadros somente registram triplex, sem acento. E agora fomos checar os Dicionários oficiais da Academia Brasileira de Letras (a ABL) e da Academia das Ciências de Lisboa (a homóloga portuguesa da ABL), e o fato é que ambas as academias registram como forma preferencial triplex, oxítona, e não tríplex:

14905IMG_0529

Acima, o Dicionário da Academia de Lisboa. A seguir, o mais recente Dicionário da Academia Brasileira de Letras (2009):

IMG_1293

IMG_0537

Mas – se todas as pessoas pronunciam triplex como oxítona (como atesta o próprio Aurélio), e a maioria dos dicionários prefere a forma triplex ou mesmo só aceita essa forma, e as duas Academias da Língua Portuguesa dão preferência à forma oxítona, triplex… por que é que há jornais que até hoje escrevem tríplex? Em resposta: simplesmente porque os jornais tendem a confiar cegamente seja no Houaiss, seja no Aurélio – mesmo em casos absurdos como esse. E, como o Houaiss (que quase semanalmente mostramos aqui que, por melhor que seja, tem uma abundância de erros) registra triplex como “forma não preferível de tríplex”, alguns consultores linguísticos aparentemente sem senso crítico pessoal (caso da consultora da Folha de S.Paulo) acabam pagando esse mico que é obrigar toda a redação a escrever, em pleno 2016, “tríplex”.