Lalau, sinônimo de ladrão… desde 1949

caso2bforum2btrabalhista2bsp_juiz2bnicolau2blalau

No ano 2000, o Brasil acompanhou a revelação de escândalo de corrupção milionário que envolvia o juiz Nicolau dos Santos Neto. Quem acompanhava a imprensa brasileira à época recordará que, após meses de cobertura, o caso era já mencionado simplesmente como o caso “Lalau”, apelido pelo qual o juiz ficou nacionalmente conhecido.

A maioria das pessoas pode ter simplesmente achado que “Lalau” era simplesmente o apelido pessoal do juiz, o modo pelo qual amigos ou comparsas o chamavam. Na verdade, não – o juiz nunca usou o apelido.

“Lalau”, na verdade, é um antigo sinônimo brasileiro para ladrão. Há quem hoje, ao ouvir que alguém “deu uma de lalau”, pense que se está fazendo referência ao juiz condenado; na verdade, é o contrário: foi o juiz quem acabou, à época, recebendo da imprensa, como apelido, essa antiga gíria para ladrão.

É provável que a maior parte da imprensa não soubesse que foi induzida a erro, pois em geral se referiam ao juiz Nicolau como “conhecido como Lalau“, como se esse fosse de fato seu apelido. O que parece ter ocorrido é que o apelido “o juiz Lalau” tenha começado a ser usado em tom de piada por humoristas e colunas menos sérias que conheciam a antiga gíria, mas acabou sendo popularizada e adotada por toda a imprensa mais séria sem saber que estavam simplesmente repetindo – e dando ares de seriedade – a uma piada maldosa (ainda que merecida).

Lalau como sinônimo de ladrão ou malandro já vinha na primeira edição do dicionário Aurélio, de 1975; na primeira edição brasileira do dicionário Aulete, de 1958; e em A Gíria Brasileira, livro de Antenor Nascentes (autor do dicionário da Academia Brasileira de Letras), de 1953.

Embora a associação (e a rima) do nome do juiz Nicolau com a palavra tenha servido para reviver e nacionalizar a palavra, em 2000, o registro mais antigo da palavra que encontro é de 18 de junho de 1949, no jornal A Manhã:

Lalau

Entre dicionários e enciclopédias, um consenso: nazistas são de extrema direita

É um consenso entre historiadores, dicionários e enciclopédias da Alemanha, de Israel, da França, da Inglaterra, do Japão, dos Estados Unidos, do Brasil: o nazismo e o fascismo foram movimentos autoritários de extrema direita. Que nazistas são de extrema direita é o que diz o partido de Angela Merkel na Alemanha, que é de direita e conservador. É o que diz o atual governo do Reino Unido, que é de direita e conservador. É o que diz Israel, cujo governo também é de direita e conservador. E é o que dizem os próprios neonazistas, que se dizem, eles próprios, de direita.

Que o nazismo, o fascismo e os neonazismos e neofascismos são de extrema direita é o que dizem todas as grandes enciclopédias do mundo, desde a prestigiosa (e capitalista) Encyclopedia Britannica até a Wikipedia. É o que dizem também os dicionários – de inglês, alemão, francês e português -, vide, por exemplo, o Aurélio, cujo autor nunca foi em vida acusado de ser comunista:

Aurelio

Até a VEJA, principal revista de direita do Brasil, chama de “bizarrice” a tentativa de associar nazismo à esquerda – vide reportagem “Hitler era de direita (mas por que se importar com isso?)

No Brasil (e só no Brasil), porém, pessoas de direita recentemente começaram a defender que o nazismo não era de direita, mas de esquerda. Uma “prova” dessa descoberta, que só teria sido feita pelos iluminados brasileiros de 2017, apesar de contrariar todos os cientistas políticos do mundo, é que o partido nazista se chamava “nacional socialista”. Se tinha socialista no nome, era socialista, não? O argumento faz tanto sentido quanto dizer que a Coreia do Norte, hoje a ditadura mais fechada do mundo, é com certeza democrática, já que o nome oficial do país é República Democrática Popular da Coreia. Ou basta lembrar que, em 1980, no meio do regime militar brasileiro, o partido de sustentação da ditadura mudou de nome, de ARENA para “Partido Democrático Social”. Nomes obviamente não significam nada.

Dizer que nazismo era de esquerda porque, como o stalinismo, defendia um estado grande, restrição da liberdades, ditadura – é admitir que não entende o que significam direita e esquerda. O que lhes falta é aprender que o espectro político não inclui apenas um eixo direita-esquerda, mas também um eixo “autoritarismo x liberalismo” – e que, desde sempre, existem regimes autoritários de direita e de esquerda, assim como existem os liberalismos de direita e de esquerda.

Faz sentido que alguém de direita liberal repudie o nazismo – e isso porque o nazismo (como direita autoritária que é) era não apenas oposto à esquerda, mas também igualmente oposto à direita liberal:

Sans titre

Lendo as definições de “esquerda”, “direita”, “extrema esquerda” e “extrema direita” no dicionário Houaiss e nos melhores dicionários americanos e europeus, é possível identificar alguns elementos que distinguem cada um desses quadrantes políticos:

Direita liberal: foco na defesa da propriedade privada; o Estado deve ser mínimo, e não interferir na vida dos cidadãos; o capitalismo é o melhor sistema existente, e, sem interferência do Estado, funciona da melhor forma possível.

Esquerda liberal: foco na promoção da igualdade; o capitalismo é inerentemente falho e cria e mantém distorções, que devem ser corrigidas pelo Estado; a religião deve ser excluída dos processos políticos e de tomada de decisões; imigração não deve ser proibida.

Extrema direita: Estado deve ser grande; nacionalista; Estado deve proteger os valores da nação, inclusive a religião; imigração é ruim para a nação; capitalismo é o melhor sistema; socialistas e comunistas são inimigos.

Extrema esquerda: Estado deve ser grande; comunista; a promoção da justiça social é mais importante do que respeitar a propriedade privada; religião deve ser excluída dos processos políticos e de tomada de decisões.

Entendendo tudo isso, não há como não entender por que, no mundo todo, o nazismo era considerado um movimento antiliberal, antidemocrático – mas de extrema direita, e jamais de extrema esquerda. Embora compartilhe com a extrema esquerda a defesa de um Estado grande e totalitário, as ditaduras de extrema direita defendem sempre o nacionalismo e os valores da nação, inclusive sua história, religião e composição, ao meso tempo em que defendem o capitalismo; à diferença das ditaduras de esquerda, que repudiam o capitalismo, a propriedade privada e a religião.

Insistir que nazismo é de esquerda, quando os próprios partidos e governos de direita na Alemanha, em Israel, no Reino Unido, nos EUA – no mundo todo – e os próprios neonazistas dizem exatamente o oposto é admitir não entender que a categorização política é mais complexa do que simplesmente “esquerda” e “direita”, e que é possível nazistas serem de direita (autoritária) e mesmo assim defenderem o oposto do que defende a direita liberal.

Concertina, um tipo de acordeão

chemnitzer_concertina_star_old_timer

A concertina é um tipo de acordeão menor e com forma de hexágono ou octógono. É instrumento musical com papel relevante na tradição musical de vários países – Alemanha, Reino Unido, Portugal, partes do Brasil (sobretudo o estado do Espírito Santo), Argentina (onde deu origem ao bandoneón), etc.

Mas a linda concertina da foto acima não é uma concertina para os nossos principais dicionários: para os brasileiros Houaiss, Aulete e Michaelis e para os portugueses Priberam e Porto Editora, uma concertina tem de obrigatoriamente ter formato hexagonal. Errados, todos eles.

Quem se salva são o Aurélio (que nada fala do formato da concertina) e o Estraviz (“Instrumento musical de fole e palheta livre, de caixa poligonal, do grupo dos acordeões“).

Em espanhol, a Real Academia também acerta: “concertina: acordeón de forma hexagonal u octogonal“.

Apenas em português, concertinas são também as espirais do arame farpado, como as da foto a seguir:

cerca-concertina-e1316969372877

“Siderólito”: comparando dicionários

n3026

Topei hoje com uma palavra que desconhecia: siderólito. Significa, simplesmente, um meteorito (aproximadamente) metade de pedra, metade de metal. Isso o diferencia da maioria dos meteoritos, que são ou apenas de pedra, ou apenas de metal.

Decidi então verificar como se saíam nossos grandes dicionários brasileiros e portugueses na definição dessa palavrinha não muito usual.

Dicionário Houaiss descreve um siderólito como um “meteorito relativamente raro, que contém grandes proporções, e aprox. iguais, de ferro, níquel e silicatos“. Ora, essa definição está obviamente errada. Da maneira que está escrita, a única compreensão possível seria a de que um siderólito tem cerca de 33,3% de ferro, 33,3% de níquel e 33,3 % de silicatos (minerais). Errado.

O Dicionário Aurélio diz que é um “Aerólito com grande proporção de minérios de ferro e de níquel, afora outros corpos não metálicos“. Não chega a ser errado, mas é impreciso.

O novíssimo Dicionário Michaelis é, basicamente, uma grande paráfrase gratuita do Houaiss, que fez questão de copiar todos os erros do Houaiss, como teremos oportunidade de ver em muitos outros exemplos. Nesse caso, não faz por menos: copiou a definição errada do Houaiss: “Tipo de meteorito que contém proporções praticamente iguais de ferro, níquel e silicato“.

As cópias pura e simples do Houaiss feitas pelo novo Michaelis ficam sempre mais evidentes quando se compara uma palavra no novo Michaelis com a mesma palavra no antigo Michaelis, cujo conteúdo ainda pode ser acessado neste endereço.

Como se pode ver, o Michaelis original definia siderólito como um “Aerólito rico em minérios de ferro” – não era uma definição perfeita, mas ao menos estava correta. Ou seja, jogaram fora algo certo para copiar o errado do Houaiss.

A Academia de Lisboa (a homóloga portuguesa da nossa Academia Brasileira de Letras) desconhece a palavra. O Dicionário Priberam também nunca ouviu falar.

O Dicionário Aulete diz que um siderólito é o mesmo que “minério de ferro“. Não era o caso.

A portuguesa Porto Editora diz que um siderólito é um “tipo de meteorito em que os elementos metálicos (ferro) e os líticos (silicatos) entram em proporções quase iguais“. Bingo! Temos um vencedor!

Dicionrio-Ilustrado-da-Academia-Bras-de-Letras-Edio-20150127164911O Dicionário Estraviz, da Galiza, traz quase a mesma definição.

É especialmente notável que no grande dicionário da Academia Brasileira de Letras (foto da versão ilustrada aqui ao lado), de autoria do genial Antenor Nascentes, já vinha, corretamente, na edição de 1977: “meteorito com 50% de metal em sua composição”. É impressionante que uma obra já com quase meio século de idade e que nunca se popularizou seja até hoje mais completa e precisa do que quase todos os dicionários modernos. Infelizmente, o grande dicionário da ABL não é reeditado desde 1988.

“Um catito”: um ratinho, um gatinho, um bocadinho – os vários significados de catito

catito

Ter sido o estado onde estudou e se formou nosso mais famoso dicionarista, Aurélio, rende frutos a Pernambuco: até hoje, muitas palavras e modismos que só se usam lá estão registrados em todos os dicionários brasileiros (que “se basearam” no Aurélio), enquanto ficam de fora palavras com uso em áreas geográficas maiores das regiões Sul, Norte e Centro-Oeste.

Um caso desses é o da palavra catito, que todo dicionário brasileiro hoje traz com o significado de ratinho, camundongo – mas esse sentido só se usa em Pernambuco (nos demais estados do Nordeste e do Norte usa-se, com o mesmo significado de ratinho, camundongo, a forma feminina: catita).

Mas, como uma rápida busca numa ótima fonte de “português real” – o Twittermostra, na maior parte do Brasil (como São Paulo, Minas Gerais, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) a palavra catito se usa com outro sentido: o de gatinho (tanto em sentido literal, isto é, o animal, um bichano, quanto no sentido figurado, o de garoto bonito).

Um terceiro sentido de “um catito” que se usa informalmente por quase todo o Brasil – por exemplo no RJ, em SP, em Brasília, no Amazonas e no Paraná – é o de “um bocadinho“, “um pouquinho” – sentido que o dicionário Porto Editora, de Portugal, traz como sendo usual em países africanos que falam português (Angola, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe). “Um catito” também se usa com esse mesmo sentido no Brasil, mas nossos dicionários não fizeram o trabalho direito.

Minha noite de pesquisa ainda me permitiu constatar que catito tem um significado todo próprio na região de Uruguaiana (RS): o de algo (ou alguém) que não presta – como se vê neste, neste, neste, nesteneste, neste e neste tuítes – o que, só posso supor, sem conhecer a cidade, talvez advenha do fato de, como acabo de descobrir no Google, o centro de reciclagem de lixo e sucata da cidade se chamar Catito.

O significado de cricri (cri-cri): perfeccionista, minucioso, chato

istock_000003119607xsmall

No Brasil se usa muito a expressão cricri para se referir a uma pessoa demasiadamente detalhista, excessivamente criteriosa, exigente demais.

Parece óbvia a origem do termo: uma pessoa cricri é aquela que, por detalhes, fica incomodando, perturbando – como um grilo a cricrilar. Sempre me pareceu óbvia essa origem, que é também a defendida no Dicionário Brasileiro de Insultos.hqdefault

Mas o Houaiss traz outra etimologia – que, de tão absurda, parece piada. De acordo com o nosso maior dicionário, uma pessoa cricri (que o Houaiss, e ninguém mais, escreve cri-cri) seria alguém “que só fala de coisas sem nenhum interesse” e a expressão viria do fato de algumas dessas pessoas só falarem de “crianças e criados“. “Cricri” (ou “cri-cri”), segundo essa teoria, seria uma redução de “crianças + criados”.

É, obviamente, uma viagem completa.

Voltando no tempo, descobre-se que a teoria de Houaiss, além de pouco crível, sequer é original. Na primeira edição do Aurélio, lia-se que uma pessoa cricri era uma pessoa maçante, e só; na segunda edição, Aurélio alterou o verbete para incluir a história do “crianças + criados“. O Houaiss copiou-a acriticamente. É difícil saber qual dos dois fez pior.

A palavra cricri, usada em abundância em notícias, tuítes, crônicas e romances, é bem definida pelo Dicionário Michaelis de Gírias: “pessoa exageradamente perfeccionista, detalhista ao extrema“. Uma variante da gíria, bem lembrada pelo Michaelis, é crica.

Eu “ponhei”? Existe o verbo ponhar?

Num voo para Santa Catarina, a aeromoça pergunta à senhora ao meu lado se deseja gelo em sua bebida, a que a senhora responde que, se o suco já não estiver gelado, a aeromoça “pode ponhar umas duas pedrinhas.”

A naturalidade com que a senhora usou aquele verbo que me soava tão alienígena me fez rapidamente tirar o Aurélio eletrônico do bolso… E, de fato, o bom e velho Aurélio nunca nos deixa na mão:

Ponhar: verbo, usado nas regiões Sul e Centro-Oeste do Brasil, popular: O mesmo que pôr.

IMG_2179

Jogando a palavra no Twitter, vê-se que o verbo ponhar é, sim, usado. E muito (cliquem aqui para ver).

É obviamente uma forma popular, e, como tal, de se evitar em contextos não íntimos, a menos que não se importe com o julgamento de terceiros. Há, é claro, os que não se importam, para quem “pus” é muito mais feio e ambíguo do que o simpático “ponhei”.

O interessante é notar que sequer tinham essas formas de ser necessariamente populares: em galego, língua da qual veio a nossa (sim, ao contrário do que ensinam, muito simplificadamente, nas escolas, o português não veio diretamente do latim; veio do galego antigo), existe hoje o verbo ponher (ver aqui), considerado sinônimo perfeito do verbo pôr.

A criação brasileira de “ponhar” nada mais é, portanto, que uma tentativa lógica de “regularizar” o verbo em concordância com diversas de suas conjugações, como “eu ponho”, “que eles ponham”, etc. – que nada mais são que derivados diretos de ponher, forma antiga do verbo, que, com a evolução da língua (e a tendência dos falantes a reduzirem palavras e comerem sílabas), acabou reduzida a “pôr“.