Em português, o correto é czar (e não *tzar nem *tsar)

family_nicholas_ii_of_russia_ca-_1914

Czar é a grafia tradicional, em português, para o título do antigo imperador da Rússia, e é a grafia que deve ser usada atualmente nos vários usos que a palavra adquiriu, sobretudo em sentidos figurados.

Czar, com “c” inicial, é a forma preferida por todos os dicionários portugueses e por todos os dicionários brasileiros com exceção do Houaiss, como veremos. Todos registram também a variante tzar, que imita a pronúncia russa da palavra.

O Dicionário Houaiss é o único que recomenda a forma “tsar” – uma das transliterações inglesas da palavra (embora também em inglês a forma mais usual seja czar), mas que sequer existe no Aurélio ou nos demais dicionários e que nunca teve uso em português.

Embora grafias como *tsar ou *tçar de fato representem melhor a pronúncia russa da palavra, a palavra portuguesa, desde sempre, foi czar, forma também usada em outras línguas ocidentais, baseada na escrita, mas que, ademais, tem a vantagem de remeter mais claramente à palavra que deu origem a “czar”: o nome romano César.

As formas tradicionais em português são mesmo czar (no plural: czares; no feminino: czarina). “Tzar” é uma variante menos usada de “czar”, mais próxima da pronúncia russa. E “tsar” é a variante em inglês – e, em português, apenas mais um dos muitos erros do Dicionário Houaiss.

O “h” não mudo (ou h aspirado) em português: handebol, hóquei, jihadista, bahamense, Hanói, bahaísmo, etc.

Gostaria de saber qual a pronúncia correta das palavras hóquei e handebol, pois pelo menos no Brasil pronunciam o “h” da mesma forma que em inglês, mas, seguindo a norma da nossa língua, o “h” não deveria ter som – ou isso varia nos casos de aportuguesamento? Em outro site, um especialista diz que mesmo em aportuguesamentos o “h” não pode ser pronunciado em português, e ponto. Mas não fiquei convencido com a resposta.

Prezado leitor, primeiramente, quanto ao tal “especialista”: perdoa-lhe, que não sabe o que diz.

A postura do tal “especialista” que diz que “h” aspirado não existe em aportuguesamentos equivale à de um biólogo ou zoólogo que, ao encontrar na vida real uma comunidade de animais de que nunca tinha ouvido falar e que não constam de seus livros, declara que tais bichos simplesmente não existem.

Tão certo é que o “h” em muitos aportuguesamentos tem som aspirado que essa já é a posição oficial da Academia Brasileira de Letras e de nossos melhores dicionários, como o Houaiss.

A esse respeito, limito-me a copiar resposta publicada aqui no Dicionário e Gramática no ano passado:

Em cada vez mais casos, o “h” é pronunciado em palavras em português: Hanói; handebol; hanseníase; hóquei; bahamense; jihadista; saheliano; bahaísmo; hobbesiano; hegeliano; etc.

Os portugueses escrevem andebol, porque assim pronunciam o nome do esporte chamado, em inglês, handball. Já no Brasil a grafia sem “h” inicial jamais teria sucesso, porque a pronúncia culta e padrão, de norte a sul do Brasil, é com uma aspiração inicial – a mesma usada em nomes como Hillary e Hilton, e que corresponde ao som do “r” inicial brasileiro, na pronúncia padrão contemporânea.

Temos assim, de um lado, a proliferação no português de empréstimos vindos de outras línguas, muitas das quais têm o som do “h” aspirado: hacker, hobby, husky, hip-hop, hit, holding, hollywoodiano, Hillary, Hilton, Hobbes (e hobbesiano) e outros tantos, do inglês; Honda, Yokohama, hashi (os palitinhos de comida japonesa), do japonês; hamster (o animalzinho de estimação), hegeliano (referente a Hegel), hanoveriano, do alemão; hanseníase, do norueguês; hare krishna, do híndi; tatuagem de hena, tahine, jihadista, saheliano, dirham, do árabe; Hanói, capital vietnamita; han, a principal dinastia chinesa, etc.

De outro lado, temos o fato de que o “r” inicial, no Brasil, passou no último meio século a ser pronunciado exatamente como esse “h” aspirado (fenômeno quase absoluto nos estratos populacionais mais jovens de todas as regiões do Brasil, que pronunciam rata e marra como /hata/ e /maha/, embora o fonema concorra com variantes fonéticas pouco contrastantes, que preservam alguma guturalidade na pronúncia de certas regiões e indivíduos).

Os dois fatos somados – a substituição do antigo som do “r” português pelo som aspirado, na pronúncia padrão brasileira, somada à percepção de que esse som é o mesmo que o representado por “h” na maioria das línguas estrangeiras – têm levado à pronúncia aspirada do “h” intervocálico ou inicial em aportuguesamentos cujas formas originais já traziam o som aspirado: hanseníase, hóquei, bahamense, bahaísta, jihadista, saheliano, etc.

Assim, a pronúncia padrão brasileira de Bahamas é, inegavelmente, com aspiração medial – e o mesmo vale para o gentílico correspondente, bahamense ou bahamiano. É essa, aliás, a pronúncia recomendada pela própria Academia Brasileira de Letras – que, em seu Vocabulário Ortográfico (o VOLP), indica entre parênteses, quando se pesquisam palavras como bahamense, bahamiano, bahaísmo ou bahaísta, a pronúncia figurada das duas primeiras sílabas como “barra” (ver aqui). A mesma é a posição do maior dicionário da língua portuguesa, o Houaiss:

Untitled

Trata-se, sem dúvida, de uma inflexão na tradição da língua: segundo a tradição portuguesa, esses agás, por serem mudos, simplesmente tendiam a desaparecer em aportuguesamentos (como no nome da língua swahili, aportuguesado “suaíli“, ou no nome do deserto do Sahara, aportuguesado Saara).

Embora contrarie a tradição da língua portuguesa, entendemos ser impossível deter esse processo de evolução fonética – normal na história de qualquer língua – e acreditamos que, se aqueles que zelamos pela língua insistirmos que o “h” entre vogais não pode nunca, em em hipótese nenhuma, representar o som aspirado comum à maioria das línguas estrangeiras, o tiro nos sairá pela culatra: o que ocorreria seria a criação de formas como barramiano, sarreliano, randebol, etc. – da mesma forma que se criou e já se dicionarizou “esfirra” como aportuguesamento de esfiha.

A censura imposta pelos puristas, quando da introdução do prato árabe no Brasil, à grafia esfiha em português, e a insistência em que o aportuguesamento “correto” devia ser “esfia” (que jamais se popularizaria no Brasil, por não refletir a pronúncia brasileira ou árabe) levaram à criação do vocábulo “esfirra” (grafia que, embora reflita coerentemente a pronúncia brasileira, não “serve” para portugueses ou mesmos para os árabes – para os quais as grafias “-irra” e “-iha” trazem sons consonantais diferentes).

É preferível, portanto, aceitar a manutenção do “h” aspirado em grafias de palavras novas na língua a introduzir novo fator de instabilidade e divergência entre o português brasileiro e as demais variedades da língua.

Cumpre apontar, por fim, que o mesmíssimo dilema se impôs na língua espanhola; e que, similarmente ao que propomos, a sempre conservadora Real Academia Espanhola recentemente desistiu de “nadar contra a corrente” e passou a admitir que a letra h, que as gramáticas espanholas há séculos ensinavam ser sempre muda em início de palavra ou entre vogais (como em português), pode, sim, representar o som aspirado em certos vocábulos: por exemplo (segundo a Real Academia Espanhola) em Hanói (http://lema.rae.es/dpd/?key=Hanoi) ou em hámster (http://lema.rae.es/dpd/?key=h%C3%A1mster), entre outras palavras que entraram no espanhol vindas de outras línguas, e cuja lista – como em português – só tende a crescer.

“Chicungunha” – do dicionarioegramatica para o Houaiss e a Porto Editora

No início de março, publicamos aqui no DicionarioeGramatica por que razões “chicungunha” era o perfeito aportuguesamento para o nome da doença chikungunya.

Passados quase dois meses, o aportuguesamento chicungunha, exatamente como recomendado por nós, está no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora (ver aqui) e na recém-lançada edição brasileira atualizada do Dicionário Houaiss:

IMG_1545

aedes

Palavras e sentidos que só existem nos dicionários

untitled

Não queremos aqui falar mal dos dicionários brasileiros e portugueses (pelo contrário: discordando frontalmente de outros sites e blogues, que vivem a reclamar de supostas deficiências de nossos léxicos, já publicamos textos inteiros dedicados exclusivamente a mostrar que a língua portuguesa vai muito bem de dicionários – vai muito melhor, aliás, que línguas próximas, como o espanhol e o francês, como já apontamos aqui).

Mas hoje falaremos, sim, de um problema frequente de nossos dicionários: o fato de, por copiarem acriticamente uns as edições anteriores dos outros, acabarem por perpetuar palavras ou sentidos “falsos” – palavras e sentidos que simplesmente não existem em lugar nenhum, exceto nos dicionários.

analisamos esse fato quando criticamos o Priberam por escolher, como “palavra do dia” no Dia da Mentira deste ano, a “palavra” gazopa, que, segundo o Priberam, significaria “mentira”… no Brasil.

O problema? “No Brasil”, não se sabe o que é gazopa. Se se usou algum dia em algum registro de alguma localidade específica, o fato é que não se usa hoje em canto nenhum, nunca se usou nacionalmente ou sequer regionalmente – e, como a Internet pode ajudar a verificar, definitivamente não se usa hoje (nem se usou desde o advento da Internet).

A história da mentira que é a própria existência da palavra “gazopa” é peculiar, mas, infelizmente, longe de ser a única do tipo. Após ter ido atrás da origem desse literal embuste, consegui traçá-la até sua origem: um levantamento, publicado em 1945, de gírias faladas no Rio de Janeiro naquele ano.

O problema é que, no campo das gírias, há aquelas que perduram e entram de fato para a língua; e aquelas que, no verão seguinte, já morreram. Esse parece ter sido o caso das infelizes gazopas.

Mas como os dicionários quase nunca eliminam palavras nem se dão ao trabalho de revisar criticamente o seu conteúdo antigo antes de cada reedição, “mentiras” como essa se perpetuam, e essa infeliz gíria, mesmo não tendo vivido mais que provavelmente poucos verões, e em contexto extremamente limitado, nos aparece em pleno 2016 como, segundo o dicionário de português mais acessado da Internet (e sem qualquer marcação de “regionalismo” ou “desusado”), palavra brasileira para “mentira”- quando definitivamente não o é.

Recordamos hoje esse caso por ser quase idêntico ao da palavra do dia da Priberam de hoje – goteira. Mais especificamente, ao caso do último significado que nos dá o Priberam: “(Brasil) Perturbação mental“.

Não é difícil verifica a (im)procedência dessa informação: pergunte-se a brasileiros, de diferentes idades e das cinco regiões do Brasil, o que entendem da frase “Fulano está com goteira“. Ninguém responderá entender se tratar de “perturbação mental”. Serve também consultar o DicionárioInformal, que não costuma deixar de fora nem uma única palavra ou sentido que sejam hoje usuais no português do Brasil – mas que ignora esse suposto sentido de goteira.

Serviria, ainda, jogar a palavra na busca do Twitter, ou em buscas controladas no Google ou no Google Books. Por mais que se controlem períodos e outras variáveis em pesquisas no Google e em diferentes córpus da língua, não se encontra nem uma única ocorrência de “goteira” com esse sentido… exceto em dicionários.

É possível mesmo traçar o caminho até a origem desse falso significado de “goteira”: o Priberam claramente copiou o verbete, com todas as definições, do Houaiss, que por sua vez copiara esse último sentido da primeira edição brasileira do Dicionário Aulete, publicada em 1958.

Após três edições anteriores feitas em Portugal, e querendo conquistar no Brasil o mesmo sucesso que tinha em Portugal, o dicionário Caldas Aulete se propunha a trazer inúmeros “verbetes e significados próprios do Brasil”. E, para tal, saiu o dicionarista responsável pelo “abrasileiramento” do Aulete atrás de todas as gírias brasileiras de que encontrou registro – o que incluiu uma lista de “brasileirismos” feita por Affonso de Taunay em 1914.

Ou seja: em algum momento 100 anos atrás, a palavra “goteira”  (na verdade “goteiras”, segundo Taunay) de fato terá tido uso com o significado de “perturbação mental”. Mas um dicionário português a ensinar-nos que “goteira”, aqui “no Brasil”, tem o sentido de “perturbação mental”, hoje?

E, mesmo que a ideia fosse ser o mais completo possível, registrando até mesmo gírias de uma única cidade e já desusadas, há outros sentidos muito mais usuais de “goteira” que estão de fora do Priberam (e do Houaiss) – como, por exemplo, o de “pessoa que entra num recinto maçônico, sem pertencer à maçonaria“, registrado pelo Aurélio e pelo novo Michaelis. Ou, ainda, o significado popular de gota como sinônimo de epilepsia – que poderá ter sido, afinal, a motivação para alguém algum dia ter usado a derivada “goteira” como um problema mental.

image20-20cc3b3pia-thumb-600x813-9099Uma merecida ressalva quanto à cópia acrítica que fazem entre si quase todos os principais dicionários deve ser feita ao Dicionário de usos do português do Brasil, de Francisco Borba (2002). Foi o primeiro dicionário brasileiro feito com base num córpus científico – isto é, cada uma das palavras constantes do Dicionário só foi acolhida após ter sido verificado seu uso real, tanto em textos atuais quanto antigos. E, por isso, não surpreende que, diferentemente dos demais, o Dicionário de usos do português do Brasil não traga nada parecido com “perturbação mental” entre os significados da palavra “goteira”.

“Becape” e “becapear”: existir, existem…

nina-tambem-ignorou-uma-regra-basica-do-backup-alem-de-fazer-mais-de-uma-copia-dos-arquivos-e-em-midias-diferentes-e-preciso-deixa-los-em-locais-diferentes-mas-ela-entregou-as-ambas-copias-para-as-1348185623580_615x47

Um leitor pergunta-nos se existe já um aportuguesamento de back-up, também escrito backup, que em informática se refere ao ato de salvar um cópia extra de arquivos importantes fora do ambiente usual de trabalho, por segurança.

A resposta simples é: sim, existe; o Dicionário Houaiss já traz o substantivo aportuguesado becape. Se repararem, fez-se, nesse caso, analogia com aportuguesamentos criados no século passado, como checape (de check-up ou checkup) e picape (de pick-up ou pickup).

O Dicionário Houaiss foi ainda além e já incluiu, entre suas palavras, os verbos becapar becapear, e até os particípios becapado becapeado.

Mas ainda que estejam no dicionário: precisamos dessas palavras?

Na nossa opinião, não. Como diz a sucinta definição do Houaiss, um becape nada mais é que uma cópia de segurança.

Camafeu, camafeus

O romance A Moreninha, clássico da primeira fase do Romantismo brasileiro, de autoria de Joaquim Manuel de Macedo (1820-1882), traz um camafeu como objeto de primeira importância no enredo.

Lembro-me do quão frustrante foi, em tempos pré-Internet, ter de ler toda a história sem saber exatamente o que era um camafeu. Por melhor que fosse a definição do dicionário, nenhuma alcançava transmitir o que uma simples imagem faz.

Comparem-se, de um lado a definição do Houaiss (“pedra delgada, ger. semipreciosa, que tem duas camadas de tonalidades diferentes da mesma cor (ou de cores diferentes), numa das quais se esculpe uma figura em alto-relevo, deixando-se à mostra a camada inferior; us. como ornamento, esp. do vestuário“); e, de outro, uma simples foto de dois camafeus:

camafeu-classico-com-toque-moderno-32-2068

Há casos em que, de fato, uma imagem serve muito mais que qualquer número de palavras. Possivelmente por concordar com isso, o Priberam tem começado a incluir fotos em algumas definições (embora por vezes de gosto duvidoso – vide a desnecesária ilustração de excremento).

De todos modos, e voltando aos camafeus: como uma rápida pesquisa no Google Imagens revela, há outro significado muito usado para camafeu – aparentemente o mais usado atualmente -, que ainda não consta em qualquer dicionário: o doce de chocolate e nozes, muito usado em festas de casamentos, cuja aparência, achou alguém, lembra um camafeu tradicional:

211adc3d2f1c8e169ae2324719d49690

Uma inocente “gazopa”…

Untitled

O problema de escrever sobre modalidades de português que não a sua é, sempre, o risco de repercutir alguma besteira. É o que faz hoje o Priberam – que não tem nenhum brasileiro em sua equipe e, ao escolher sua “palavra do dia” de hoje, escolhe – e expõe para portugueses e demais estrangeiros como se fosse uma palavra corrente no Brasil – um suposto sinônimo brasileiro para “mentira”: “gazopa”. O problema? Ao contrário do que a definição do Priberam faz supor, a palavra “gazopa” não tem uso (nem mesmo é conhecida) no Brasil.

O mais tradicional dicionário brasileiro, o monumental Dicionário Aurélio (o “Aurelião”), não registra o termo. O Dicionário de usos do português do Brasil, de Francisco Borba, cujas palavras que o integram foram selecionadas mediante constatação empírica de sua ocorrência na língua, tampouco traz a tal gazopa. Os Dicionários da Academia Brasileira de Letras tampouco trazem a palavra.

Aliás, nem mesmo o Dicionário Informal, o mais completo compilado de gírias brasileiras, conhece a tal gazopa.

A palavra existiu, sim, como gíria de limitada expansão geográfica, décadas atrás – que deve ser como foi parar no Houaiss, de onde o Priberam a terá copiado. Mas erra o Houaiss, e erra o Priberam, ao não indicar que a palavra só teve uso limitado e há tempos – como uma rápida pesquisa no Google ou mesmo no Twitter facilmente demonstra.

Apenas um exemplo mais do que já tanta vezes vimos aqui: que o Houaiss, embora gigantesco e excelente, está repleto de erros; e que, por ser o Houaiss tão bem reputado, os demais dicionários hoje se limitam a copiá-lo, disseminando sem qualquer critérios erros “originais” daquele dicionário.