O plural dos nomes compostos

sem-titulo

Sabemos que, em português, os nomes sempre têm plural, tanto os prenomes quanto os sobrenomes. Mas como se faz o plural de prenomes compostos, ou de sobrenomes compostos?

Com base no uso de nossos melhores escritores e as recomendações de nossos bons gramáticos, as regras que se observam para a formação do plural de nomes compostos são:

  • Se o composto inclui a preposição “de” (do, das, dos, das), só se pluraliza o que vem antes dela: as Marias do Carmodois Ataídes de Azevedo; os de Sá Ribeiroos Limas de Azevedo; os Paes de Andrade; as Joanas d’Arc; muitos Vascos da Gama.
  • Se o composto é ligado por “e“, só se pluraliza o que vem após o “e“: os membros da família “Sousa e Silva” são “os Sousa e Silvas“.

Nos casos de compostos sem elemento de ligação entre os nomes, o uso dos autores clássicos variava entre as duas possibilidades que a gramática oferece:

  • Pluralizam-se ambos os nomes: as Marias Quitérias; os Pedros Paulos; os Castros Alves; os Ruys Barbosas; os Pedros Arcanjosos Zés Marias; os Pedros Miguéis; os Miguéis Ângelos; ou:
  • O composto é tratado como uma unidade, pluralizando-se apenas o segundo elemento: as Maria Quitériasos Ruy Barbosasos Joaquim Nabucosos Pedro Paulos; os Castro Alves; os Ruy Barbosasos Pedro Arcanjosos Zé Marias; os Pedro Miguéisos Miguel Ângelos.

 

Os sobrenomes têm plural: “Milhões de Cunhas”

milhoes-549x280

A faixa acima, “Somos milhões de Cunha“, trazia um erro gramatical. Em português, os nomes e sobrenomes têm plural. Basta recordar o título do clássico de Eça de QueirozOs Maias (e não *Os Maia), ou pensar nas famílias importantes da história do Brasil – “os Braganças“, por exemplo (e não *os Bragança). Pode-se até pensar em exemplos culturais mais recentes, como “Os Simpsons” e “Os Flintstones“.

Com o artigo no plural, o sobrenome também deve vir no plural: “a família Silva” é o mesmo que dizer “os Silvas” (e não *Os Silva). Do mesmo modo, deve-se dizer “os Cardosos“, “os Vianas“, “os Montagners“, “os Alckmins“.

Assim, os brasileiros que se identificam com o ex-deputado Cunha deveriam dizer que são milhões de Cunhas (e não “de Cunha”).

É bem diferente, portanto, o sentido das frases “Ninguém sabe onde foram parar os milhões de Cunha” (em referência ao dinheiro dele) e “Ninguém sabe onde foram parar os milhões de Cunhas” (em referência a seus antigos apoiadores).


Os nomes próprios (tanto prenomes quanto sobrenomes) portugueses seguem as mesmas regras de formação dos substantivos comuns: o Raul, os Rauiso Benjamim, os Benjamins; o Cabral, os Cabraisa Ester, as Esteres; o Mateus, os Mateusa Raquel, as Raquéiso Rafael, os Rafaéis.

Já os nomes estrangeiros normalmente recebem plural, em português, pela adição de um “s”: os Amins, os Bismarcks, os Clintons, os Husseins, os Isaacs, os Kennedys, os Kirchners, os Lafers, os Medvedevs, os Müllers, os Rousseffs, os Sarkozys – com a exceção daqueles já terminados em “s” ou “z”, que permanecem invariáveis: os Chávez (como os Chaves), etc.