“Collant”, em português, se escreve colã

 

cola

Como chamar a roupa de material aderente ao corpo que se usa em danças, como o balé? Collant ou colã? Collant – em francês. Em português, colã.

Em francês collant significa literalmente “colante”. O nome vem do fato de a roupa “colar-se” ao corpo. Do mesmo modo que não faz mais sentido escrever maillot em português – mas sim maiô -, em português a forma correta, já incluída inclusive no Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa, é colã:

sem-titulo

“Bruschetta”, em português: brusqueta

maxresdefault

O Google nos dá mais de 120 mil ocorrências, em português, da palavra brusqueta – aperitivo italiano que consiste numa fatia de pão grelhada temperada com alho, azeite, pimenta e que geralmente leva coberturas adicionais como tomate.

Em italiano, escreve-se bruschetta  – a pronúncia, lá como cá, é “brus-ke-ta” – o “ch” em italiano tem sempre o som do nosso “qu“. Nada mais natural, portanto, que o aportuguesamento brusqueta – que, embora ainda ausente dos dicionários, já tem mais uso em português do que boa parte das palavras contidas nos nossos vocabulários.

Em italiano, o plural é bruschette – as palavras terminadas em “a” fazem o plural em “e” em italiano. Com a palavra devidamente aportuguesada, o plural, naturalmente, segue as regras do português: a brusqueta, as brusquetas.

brusquetas_mdc_01

Grafia correta: paratleta, paratletas

untitled

Folha de S.Paulo – a mesma que em pleno 2016 continua a insistir em tríplex e em paraolimpíada, mas que até hoje não sabe a diferença entre a Galiza e a Galícia nem o significado correto de desagravo – também insiste em escrever para-atleta, contrariando a pronúncia da palavra… e os dicionários.

É paratleta que se lê em dicionários, como o Houaiss (acima), o Priberam e o Estraviz, com a definição de atleta que é portador de alguma deficiência.

E nenhum dicionário registra para-atleta.

Outros nomes da bolinha de gude: bolita, bila, peteca, birosca, burquinha, cabeçulinha, fubeca, pilica, peca, tilica, ximbra…

bola_de_gude

O nome bolinha de gude (palavra que, segundo os dicionários, veio de um termo do norte de Portugal, “gode“, cujo sentido seria “pedrinha redonda e lisa“) é hoje entendido no Brasil todo graças ao poder da cidade de São Paulo como polo irradiador, mas muitas outras formas ainda têm uso regional.

Peteca parece ser aquela com maior uso em termos de espaço geográfico, sendo a forma mais popular em toda a região Norte e em grande parte da região Nordeste do Brasil. O interessante é que no centro-sul do Brasil (e, por exportação brasileira, no resto do mundo, inclusive em francês, inglês, etc.), peteca se refere a outro objeto objeto completamente diferente – o brinquedo com penas. Quem está errado nessa história? Ninguém: peteca vem da palavra tupi para “bater” – nome que faz sentido, portanto, para ambos os jogos.

Ainda no Nordeste, o estado de Alagoas tem uma palavra própria – ximbra -, e o Ceará, duas outras: bila (nome também conhecido em Portugal) e cabeçulinha.

As bolas de gude de vidro, tal como as conhecemos hoje, são uma invenção alemã; dentro da própria Alemanha, há muitos diferentes nomes (MurmelBuckerKlickerKnicker), que parecem estar na origem de alguns dos nomes usados no Sul do Brasil. O nome alemão Klicker (pronunciado aproximadamente “clica”) deve ser a fonte dos nomes clica (usado em partes do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina) e quilica (Santa Catarina), enquanto Knicker foi seguramente a fonte da forma canica, usada em espanhol e na Galiza. O alemão Bucker pode ter dado origem à burca dos paranaenses (com um “r” talvez vindo da influência de “buraco”), mais frequentemente chamada burquinha.

(Quase) todos os muitos nomes das bolas de gude:

baleba: Rio de Janeiro (aqui, aqui, aqui)

berlinde: Portugal (Lisboa)

bolita: Rio Grande do Sul (aqui, aqui, aqui)

bila: Ceará e Portugal

biloca: Brasília (aqui, aqui, aqui)

biroca: estado de São Paulo (aqui, aqui, aqui)

birosca (às vezes “bilosca“): Minas Gerais

boleba (às vezes “bolega“): Espírito SantoMinas Gerais, Rio de Janeiro

bola de gude, bolinha de gude: São Paulo (capital) e, por extensão, em todo o Brasil

bugalho: Goiás, interior de SP

bulica: Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro

burca (ou burquinha): Paranáestado de SP

cabeçulinha (pronunciada cabiçulinha): Ceará

carolo: Portugal (Norte)

clica: Rio Grande do Sul (aqui, aqui, aqui) e Santa Catarina (aqui, aqui, aqui)

fubeca: estado de São Paulo

guelas: Portugal

peca (pronunciada pêca): norte de SC (Barra Velha, Canoinhas, JoinvillePenhaRio Negrinho, São Francisco do Sul)

petecaPiauí e Amazonas

pilica ou pinica: Rio Grande do Sul (aquiaqui, aqui, aqui)

quilica: Santa Catarina (Blumenau, LaurentinoRio do Sul)

tilica: Santa Catarina (Florianópolis, GasparItapema, LagesSão João Batista, Tijucas, etc.)

ximbra: Alagoas e Pernambuco

07015ed411d3bfba6aa9182a5bdcf3b3

Xeica é o feminino de xeique ou xeque

sem-tituloO feminino de xeique (ou xeque) é xeica.

Anos atrás, os portugueses noticiavam a visita da sheikha” do Kuwait a Portugal. Corretíssimo o uso do feminino, já que nenhum dicionário admite “xeique” ou “xeque” como substantivo de dois gêneros. O feminino já vem do árabe, e mesmo o inglês, língua que em geral não faz distinção de gênero nos cargos, usa a forma feminina sheikha.

Mas em português, é claro, deve escrever-se xeica – forma usada pela imprensa e pelo governo brasileiro, e perfeita do ponto de vista ortográfico, e que já consta do Dicionário Houaiss:

sem-titulo

hqdefault

“Veredito” ou “veredicto”? Ambos estão corretos

Uma sentença ou decisão definitiva é um veredito ou um veredictoTanto faz. Use a que preferir, pois ambas estão corretas.

Os vocabulários e dicionários brasileiros e portugueses (como o Aurélio, o Aulete e a Academia Brasileira de Letras) aceitam ambas as formas, uma vez que existem ambas as pronúncias (com e sem o “c”). A mais recente edição do Dicionário Houaiss, abaixo, inverte a ordem alfabética e traz a forma “veredito” à frente de “veredicto” – possivelmente pela constatação de que essa é a pronúncia (e, em consequência, a grafia) mais usual:

img_2767

Em português, “burquíni”, não “burkini”

quiz_veu5

O traje de banho cujo nome mistura burca com biquíni fez notícias nos últimos dias, com a polêmica de sua proibição em praias francesas. Os veículos de comunicação que usaram a palavra, porém, dividem-se em dois grupos: aqueles que, como sói ocorrer, limitaram-se a copiar e colar a grafia tirada das notícias em inglês – burkini – e aqueles poucos que sabem que uma palavra não precisa estar nos dicionários para ter uma grafia correta em português – que, neste caso, só pode ser burquíni, com “qu” e com acento agudo.

Burquíni” precisa de acento pela mesma razão que “biquíni“: porque é uma regra de acentuação que as palavras paroxítonas terminadas em “i” precisam de acento – como também são o caso de táximartínicáqui (a cor), etc. Isso para diferenciá-las das palavras oxítonas terminadas em “i”, que, em português, não levam acento: aquialicaqui (o fruto), daiquiri, tupiguarani, Sacivivicomibebidesapareci.

“Peleumonia” x “catéter”: erro de pobre, erro de rico

o-medico-facebook

Ganhou espaço na imprensa brasileira nos últimos dias o caso de um jovem médico que ridicularizou paciente que se queixara de uma suspeita de “peleumonia“. “Não existe peleumonia“, afirmou o médico, com base em que, de fato, “peleumonia” não está no dicionário. A ironia, porém, é que a classe médica brasileira sabidamente usa aos montes , diariamente, palavras que não estão nos dicionários – como “catéter“, palavra usada diariamente por médicos de todas as regiões do país; para o Aurélio (e para o Houaiss, o Michaelis, o Aulete, o Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de Letras, etc.) só existe cateter, palavra oxítona.

Qualquer que seja, portanto, o critério para definir se uma palavra existe (se seu uso no dia a dia, ou sua presença em dicionários), “peleumonia” existe (ou não) tanto quanto “catéter“. Então por que os mesmos médicos que zombam de quem usa aquela não tem vergonha de usar “catéter“? Pura hipocrisia linguística.

Diariamente se vê muito desse tipo de hipocrisia, que dá tratamento diferente a erros de português baseando-se não no erro em si, mas no meio em que se ouvem – é a diferenciação entre “erros de pobre” e “erro de rico”. Mas, erro por erro, o paroxítono catéter, queridinho dos médicos brasileiros, é tão errado (ou tão correto, a depender do nível de permissividade linguística) quanto “peleumonia“.

Jabuticaba ou jaboticaba? O certo é jaboticaba ou jabuticaba?

jabuticaba

Jabuticaba ou jaboticaba? Quando se quer dizer que algo só acontece no Brasil, diz-se, popularmente, que a coisa é “uma jaboticaba“, em referência à pequena fruta brasileira, em forma de pequenas pelotas escuras, com doce polpa branca. Ou será o certo  dizer uma “jabuticaba”, com “u”? Resposta: tanto faz. As duas formas existem, estão corretas e são sinônimas, segundo os bons dicionários brasileiros, como o Aurélio, o Houaiss e o Michaelis.

A grafia com “u” – jabuticaba – é a mais usada, mas a grafia com “o”, jaboticaba, é mais correta etimologicamente: em tupi, língua da o português recebeu a palavra, a vogal era mesmo um “o”, não um “u”.

Segundo o Houaiss, a palavra pode vir seja de yawotikawa; seja de ïapotïkaba; ou pode ainda ter relação com o nome do animal brasileiro – a tartaruga terrestre chamada jabuti ou jaboti – que, como já vimos, também é, mais corretamente escrito com “o” do que com “u”.

A forma jaboticaba, com “o”, é, ademais, a mais adequada para manter a coerência com os nomes próprios de duas cidades brasileiras – Jaboticaba, no estado do Rio Grande do Sul, e Jaboticabal, no estado de São Paulo – cujos habitantes, respectivamente, são jaboticabenses jaboticabalenses.

A pronúncia, é claro, não muda: jaboticaba pode ser pronunciada, em perfeito português formal, da mesma forma que jabuticaba – do mesmo modo que mochila se pronuncia “muchila”, que costume se pronuncia “custume” ou que sovaco se pronuncia “suvaco”.

 

Siriguela, seriguela? O certo é ciriguela

A pequena frutinha da foto acima, de cor avermelhada e sabor muito doce, vem ganhando popularidade no Brasil nos últimos anos. Mas, embora esteja na boca de cada vez mais brasileiros, pouquíssimos são os que escrevem sem titubear o nome da tal fruta: será siriguela, seriguela, ceriguela ou ciriguela?

Resposta rápida: a forma correta de escrever o nome da fruta é ciriguela, com “ci-“.

A escrita correta (isto é, a ortografia) de uma palavra é definida por sua etimologia (isto é, pela origem da palavra). E o nome dessa fruta, como a própria fruta, nos veio da América  hispanófona, onde a fruta é chamada de ciruela (originalmente, o nome da ameixa em espanhol). A intrusa letra “g“, não etimológica, já apareceu no próprio espanhol (língua em que é normal a aparição dessa letra antes de ditongos começado por “u”), como mostram o uso da variante cirgüela no Méxicoem Honduras, no Equadorna Colômbia, no Chile, etc.

Não há espaço sequer para duplas grafias, portanto: nem seriguela, nem siriguela, nem ceriguela. A única grafia etimologicamente aceitável, em português, é com “ci” como primeira sílaba – o certo é ciriguela, portanto – forma, aliás, já recolhida no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Academia Brasileira de Letras e nos bons dicionários.