Outros nomes da bolinha de gude: bolita, bila, peteca, birosca, burquinha, cabeçulinha, fubeca, pilica, peca, tilica, ximbra…

bola_de_gude

O nome bolinha de gude (palavra que, segundo os dicionários, veio de um termo do norte de Portugal, “gode“, cujo sentido seria “pedrinha redonda e lisa“) é hoje entendido no Brasil todo graças ao poder da cidade de São Paulo como polo irradiador, mas muitas outras formas ainda têm uso regional.

Peteca parece ser aquela com maior uso em termos de espaço geográfico, sendo a forma mais popular em toda a região Norte e em grande parte da região Nordeste do Brasil. O interessante é que no centro-sul do Brasil (e, por exportação brasileira, no resto do mundo, inclusive em francês, inglês, etc.), peteca se refere a outro objeto objeto completamente diferente – o brinquedo com penas. Quem está errado nessa história? Ninguém: peteca vem da palavra tupi para “bater” – nome que faz sentido, portanto, para ambos os jogos.

Ainda no Nordeste, o estado de Alagoas tem uma palavra própria – ximbra -, e o Ceará, duas outras: bila (nome também conhecido em Portugal) e cabeçulinha.

As bolas de gude de vidro, tal como as conhecemos hoje, são uma invenção alemã; dentro da própria Alemanha, há muitos diferentes nomes (MurmelBuckerKlickerKnicker), que parecem estar na origem de alguns dos nomes usados no Sul do Brasil. O nome alemão Klicker (pronunciado aproximadamente “clica”) deve ser a fonte dos nomes clica (usado em partes do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina) e quilica (Santa Catarina), enquanto Knicker foi seguramente a fonte da forma canica, usada em espanhol e na Galiza. O alemão Bucker pode ter dado origem à burca dos paranaenses (com um “r” talvez vindo da influência de “buraco”), mais frequentemente chamada burquinha.

(Quase) todos os muitos nomes das bolas de gude:

baleba: Rio de Janeiro (aqui, aqui, aqui)

berlinde: Portugal (originalmente de Lisboa, é hoje a forma entendida em todo o país, como bola de gude no Brasil)

bolita: Rio Grande do Sul

bila: Ceará e Portugal

biloca: Brasília (aqui, aqui, aqui)

biroca: estado de São Paulo (aqui, aqui, aqui)

birosca (às vezes “bilosca“): Minas Gerais

boleba (às vezes “bolega“): Espírito SantoMinas Gerais, Rio de Janeiro

bola de gude, bolinha de gude: São Paulo (capital) e, por extensão, todo o Brasil

bugalho: Goiás, interior de SP

bulica: Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro

burca (ou burquinha): Paranáestado de SP

cabeçulinha (pronunciada cabiçulinha): Ceará

canica: Galiza e países de língua espanhola

carolo: Portugal (Norte)

clica: Rio Grande do Sul (aqui, aqui, aqui) e Santa Catarina (aqui, aqui, aqui)

fubeca: partes do estado de São Paulo

guelas: Portugal

peca (pronunciada pêca): norte de Santa Catarina (Barra Velha, Canoinhas, JoinvillePenhaRio Negrinho, São Francisco do Sul)

peteca: Norte e Nordeste do Brasil

pilica ou pinica: Rio Grande do Sul (aquiaqui, aqui, aqui)

quilica: Santa Catarina (Blumenau, LaurentinoRio do Sul)

tilica: Santa Catarina (Balneário Camboriú, Florianópolis, Itapema, Nova Trento, São João Batista, Tijucas, Urubici)

ximbra: Alagoas e Pernambuco

07015ed411d3bfba6aa9182a5bdcf3b3

Xeica é o feminino de xeique ou xeque

sem-tituloO feminino de xeique (ou xeque) é xeica.

Anos atrás, os portugueses noticiavam a visita da sheikha” do Kuwait a Portugal. Corretíssimo o uso do feminino, já que nenhum dicionário admite “xeique” ou “xeque” como substantivo de dois gêneros. O feminino já vem do árabe, e mesmo o inglês, língua que em geral não faz distinção de gênero nos cargos, usa a forma feminina sheikha.

Mas em português, é claro, deve escrever-se xeica – forma usada pela imprensa e pelo governo brasileiro, e perfeita do ponto de vista ortográfico, e que já consta do Dicionário Houaiss:

sem-titulo

hqdefault

Cunilíngua (‘cunilingus’) e cunete são coisas diferentes

beb2662da8ea2544b979385ec1baea1a

Um leitor diz-se surpreso por ter apenas agora descoberto que cunilíngua (ou o seu equivalente em latim, também usado em inglês, cunilingus) se refere à prática do sexo oral na genitália feminina, e não no ânus, como sempre pensara.

Cunilíngua = língua no cu”, pensava ele. Faria sentido, mas a etimologia explica: o prefixo “cuni” de cunilingus não se referia o moderno “cu” (ânus); em latim, cunnus significava vulva, as partes externas da genitália feminina. É dessa palavra latina que surgiram as formas atuais conocona, que caíram em desuso no Brasil, mas que ainda significam vulva, como os dicionários podem atestar. Seus cognatos em espanhol (coño) e em italiano (conno) ainda são bastante usados para se referir à genitália feminina. Em Portugal e na Galiza, também ainda se usam cona e cono com esse sentido.

Para se referir à estimulação oral do ânus há outra palavra, muito mais recente – esta sim formada diretamente do elemento vulgar moderno “cu“: cunete, substantivo masculino, é um nome para a prática de estímulo oral no ânus.

Outros sinônimos para cunete (estimulação oral do ânus) são carocha e, em Portugal, botão de rosa (tradução do nome da prática em francês, fleur de rose).

Já um sinônimo de cunilíngua (estimulação oral da vulva), em Portugal, é minete – aportuguesamento do francês minet, que significa “gatinho”, provavelmente em referência ao uso da língua que fazem esses animais.

O significado de “tabajara”

Untitled

Da série de palavras (e sentidos) que ainda  não estão nos dicionários – mas já deveriam estar: o ex-presidente do Poder Judiciário brasileiro manifestou hoje sua percepção de que a destituição de Dilma Rousseff foi um processo “tabajara”.

Alguém que desconhecesse o adjetivo por ele usado e fosse aos dicionários tradicionais ficaria na mesma: os dicionários brasileiros, como o Aulete, dizem apenas que “tabajara” é uma tribo indígena. O Houaiss diz quase o mesmo, mas dando informação errada sobre a localização da tribo (“grupo indígena que habita o município de Viçosa CE“). O Michaelis consegue a mesma proeza que o Houaiss: dar uma única informação sobre a tribo (a sua localização), e ainda dá-la errada: “Indígena dos tabajaras, povo que habita a cidade de Amarante (MA)“. Obviamente, a tribo não habita uma única cidade (e sequer existente uma cidade chamada simplesmente “Amarante” no Maranhão, ou uma cidade chamada simplesmente “Viçosa” no Ceará). O português Priberam, por sua vez, sequer registra o termo.

De todos modos, não foi o ex-presidente do Supremo Tribunal politicamente incorreto – não quis ele associar a destituição presidencial a índios. A palavra “tabajara” foi usada, isso sim, no sentido que tem no Brasil modernamente – que encontra amparo no Dicionário Informal:  algo tabajara é algo “falsificado“, “inferior ao original” ou, simplesmente, “de baixa qualidade“.

A acepção usada por Joaquim Barbosa faz referência, é claro, às fictícias Organizações Tabajara, do extinto humorístico Casseta & Planeta, que eram famosas por seus produtos de duvidosas utilidade ou qualidade. O fato é que tamanha era a popularidade do programa no início do século que até hoje o adjetivo “tabajara” é usado com esse sentido pejorativo – apenas neste ano, por exemplo, foi a mesma palavra usada por outro ministro do Supremo Tribunal para se referir a outro processo na Câmara dos Deputados e pela ex-ministra da Cultura para se referir ao governo de Dilma Rousseff. Até o termo de posse ministerial enviado por Dilma a Lula foi tachado de “tabajara“.

Já está mais do que na hora, portanto, de essa acepção de tabajara aparecer recolhida em nossos dicionários.

Diferença, em português, entre crocodilo, jacaré, aligátor e caimão

imageA família Crocodilidae é a família dos crocodilos; outra família diferente é a Alligatoridae, cujos membros são chamados indistintamente jacarés, aligátores ou caimões.

Uma criança de dois anos foi morta na Disney, atacada por um Alligator mississippiensis. Nas caixas de comentários das notícias sobre o caso nas imprensas brasileira e portuguesa, uma constante: a estupidez de lusófonos que, mais que com a criança, se preocupavam em “corrigir” os repórteres que haviam se referido ao animal como um “jacaré“.

Houve, de um lado, ignorantes a dizer que não podia ser um jacaré, mas sim um crocodilo, pois nos EUA o que há são crocodilos. Errados. De fato, o que mais há nos EUA são crocodilos, que efetivamente são animais distintos dos jacarés, inclusive de famílias diferentes. Mas, especificamente no estado da Flórida, há, sim, jacarés. O estado da Flórida é, aliás, o único lugar do mundo em que se podem encontrar naturalmente jacarés e crocodilos no mesmo ambiente.

De outro lado apareceram os “especialistas” segundo os quais o animal não era crocodilo mas também não era um jacaré, “porque jacarés são os do Brasil”; segundo estes, o bicho que atacara a criança era um aligátor.

“Aligátor” nada mais é que o aportuguesamento de alligator, que é a tradução, em inglês de jacaré – do mesmo modo que os jacarés ou alligators são chamados, em espanhol, caimanes, de onde se criou ainda outro aportuguesamento, caimão.

As três palavras, de diferentes origens, referem-se exatamente aos mesmos animais: jacarés, aligátores caimões são sinônimos.

Biologicamente, os crocodilos pertencem à família Crocodylidae; outra família, diferente, é a família Alligatoridae, que inclui oito espécies – são portanto oito animais chamados, em inglês, alligators; em espanhol, caimanes; e, em português, jacarés. As oito espécies são:

As seis primeiras espécies são encontradas no Brasil e também em demais países da América Latina (nos países de língua espanhola são, em geral, chamados de caimanes). A penúltima das espécies mencionada acima é encontrada na Flórida e em outros estados dos EUA, onde é, em geral, chamado de alligator; e o último é encontrado apenas na China, onde é chamado de 學名.

Da mesma forma que, em português, não chamamos o jacaré-da-china de 學名, não há por que chamarmos os jacarés dos EUA de aligátores, assim como não necessariamente chamamos um jacaré colombiano de  caimão.

Palavra “estrupo” existe, mas não tem nada a ver com “estupro”

12065534_980128158710238_3660107163122020239_n

As palavras estrupo estrupada  existem em português – mas não têm nada a ver com estupro ou estuprada.

Sim, há muita gente que, por confusão, pronuncia (e escreve) mal a palavra estupro – que, no sentido de violação, violência sexual, crime sexual, só se pode escrever mesmo estupro. Por essa razão, para “corrigir” o erro, muita gente costuma dizer, taxativamente, que “a palavra estrupo não existe”. Mas isso é falso: estrupo também existe; é uma palavra antiga da língua portuguesa – mas de fato nada tem a ver com estupro.

Estrupo, palavra que pode ser encontrada em dicionários atuais como o Aulete e o Priberam  e em todos os bons dicionários antigos, é um muito antigo sinônimo de tropel, que significa o ruído intenso causado pelo andar ou pelo correr de muitas pessoas ou animais ou uma multidão.

No Grande diccionario portuguez ou Thesouro da lingua portugueza, de Domingos Vieira, publicado em 1873, a palavra estrupo já era considerada antiga (e portanto, desusada), como sinônima de estrepido ou de tumulto.

No New Dictionary of the Portuguese and English Languages, de 1871, estrupo era definido como: ESTRUPO, s. the noise made by many horses ambling or running together; multitude, crowd.

Dicionário de Moraes de 1831 (4ª edição – foto abaixo) também já trazia estrupo, com o significado de “rumor de gente revolta“. O mesmo dicionário trazia, também, o substantivo estrupada (palavra presente até no Dicionário da Academia Brasileira de Letras, de 1988, com o significado de “rajada de vento”), que não deve ser confundida com  o adjetivo estuprada – da mesma forma que não se deve, jamais, confundir a antiga palavra estrupo com o crime de estupro.

Moraes

Ser conivente é conivir ou coniver?

Chamou a atenção de alguns, no último domingo, a afirmação de uma deputada de que “não iria conivir com a corrupção”. Chamou a atenção, é claro, porque não existe o verbo “conivir” – mas, se qualquer brasileiro ou português que o ouve entende exatamente qual seria o seu significado – “ser conivente com” -, é porque existe uma lógica por detrás do suposto erro.

A lógica é puramente a lógica da língua portuguesa: via de regra, os adjetivos portugueses em “nte” vêm-nos de verbos: crente, de crer, doente, de doer; ouvinte, de ouvir, pedinte, de pedir; presidente, de presidir; atuante, de atuar.

Assim, nada mais lógico que supor que, se existe um adjetivo “conivente”, tão usado e popular na língua, deve existir um verbo que lhe tenha dado origem – que poderia ser “conivir” (a exemplo de presidir/presidente), como supôs a deputada (e como supõem muitos outros falantes, o que justifica inclusive o registro da palavra no Dicionário Informal), ou ainda “coniver” (a exemplo de crer/crente, etc.).

O problema, porém, é que a língua nem sempre é lógica: o adjetivo conivente nos veio direto do adjetivo do latim connivens / conniventis, que por sua vez era, de fato, a forma adjetiva do verbo latino connivere. A questão é que apenas o adjetivo passou ao português – o verbo que lhe deu origem, provavelmente por ser menos usado que o próprio adjetivo, acabou não passando ao português – como não passou ao espanhol.

É na língua francesa que podemos, porém, encontrar uma “encarnação” atual do verbo que dá origem a “conivente”: conniver, também grafado convier, é um verbo que, embora raramente usado em francês contemporâneo, significa precisamente “dissimuler” ou “user de connivence” – como mostra o dicionário da língua francesa de Richelet, de 1775:

conniver

 

Em português, como já dito, o verbo não chegou a ser criado – ficou no latim. Mas, a continuar o processo de sua “invenção” (ou “ressurreição” – ou, melhor ainda, “reencarnação”) forçada, como se tem visto na linguagem informal brasileira, é provável que no futuro tenhamos oficialmente o verbo “conivir” nos dicionários portugueses, com o sentido de “ser conivente“.