Anões ou anãos? Qual o plural correto de anão?

anãos.png

O plural de “anão” em português pode ser “anãos” ou “anões”; as duas formas estão corretas.

Anunciou-se hoje que as novas traduções brasileiras dos livros de J. R. R. Tolkien, autor de O Senhor dos Anéis, usarão o plural “anãos”, em vez de “anões”. Invencionice dos tradutores? Não: segundo todos os dicionários e gramáticas de Portugal e do Brasil, a palavra “anão” tem dois plurais corretos: anãos e anões.

Nem sempre foi assim; embora hoje a forma mais usada seja “anões“, originalmente “anão” fazia parte do grupo de palavras como “mão”, “irmão” e “cristão”, que só admitem plural em “-ão”: mãos, irmãos, cristãos… e anãos.

No entanto, esses casos são minoria: a maioria dos substantivos portugueses terminados em “ão” tem plural em “ões”: ação/ações, produção/produções, coração/corações, etc. Isso faz que as pessoas com frequência acabem errando o plural de algumas exceções menos usadas, como “refrão” e “anão”, e acabem, por erro, empregando um plural em “ões” etimologicamente incorreto. Mas algo que o português e todas as línguas vivas têm em comum é que – para o desespero dos puristas -, quando a maioria dos falantes cultos acaba cometendo um mesmo erro, esse erro acaba deixando de ser percebido como erro, e passa a ser aceito como forma correta.

É o que aconteceu com o plural de anão: o plural que era errado, “anões”, ficou tão popular que passou a ser considerado a forma correta, e a forma que era originalmente a única correta, “anãos”, ficou tão rara que muitos falantes hoje chegam a achar que está errada, por desconhecerem a história da palavra.

No texto “Plural das palavras terminadas em -ão” é apresentada a explicação histórica de por que existem esses plurais diferentes para a terminação “ão” em português – e apresenta-se até uma regra que permite “intuir” qual a forma correta (“O plural de guardião é guardiãos ou guardiães?“, por exemplo). Clique aqui para ler a explicação.

O plural de guardião: guardiães ou guardiões

Sans titre

Num mesmo programa de TV, ao usar o plural da palavra “guardião“, o apresentador fala em guardiães, enquanto a apresentadora, sua colega, diz guardiões. Quem errou?

Nenhum dos dois: tanto guardiães (forma tradicional) quanto guardiões (forma mais recente) são corretas.

Como já vimos, o fato de as palavras terminadas em “ão” poderem ter diferentes plurais (irmão, irmãos; avião, aviões; alemão, alemães) é explicada pela história da língua portuguesa.

São, na verdade, três terminações “ão” diferentes em português, cada uma com uma forma anterior distinta: -an, -on e -ano, que, na passagem do galego para o português moderno, deixaram de distinguir-se, transformando-se todas em “ão”.

Aí, ajuda o conhecimento etimológico – ou também serve o conhecimento da língua espanhola. Isso porque o espanhol manteve as três terminações diferentes (-an, -on e -ano), e basta saber como uma palavra terminada em -ão é pronunciada em espanhol para saber qual será seu plural em português (-ães, -ões ou -ãos, respectivamente).

Em espanhol, por exemplo, cão é can; pão é pan; alemão é alemán; e capitão é capitán. Coerentemente, todas elas têm o mesmo plural em português: -ães (cães, pães, alemães, capitães).

Os terminados em -on, que formam o maior grupo (avión, canciónconstitución, corazónexportaciónmaldición, razón), são aqueles que, em português, têm o plural em -ões (ações, aviões, canções, corações, constituições, exportações, maldições, razões).

E aqueles que em espanhol terminam em -ano (mano, ciudadano, hermano, huérfano, grano, órgano) são os que, em português, têm plural em -ãos: mãos, cidadãos, irmãos, órfãos, grãos, órgãos.

Seguindo, portanto, a regra acima, teríamos que o plural de guardião (em espanhol, guardián), conclui-se que o plural em português deve ser guardiães. E essa forma é, de fato, correta, e foi, com efeito, por muito tempo a única aceita.

Mas todas as línguas vivas estão sempre em meio a processos de mudanças, causados pelo uso que delas fazem os seus falantes. E, em muitos casos, os falantes, primeiramente sem querer, passaram a confundir terminações de palavras de diferentes origens; por ser o mais numeroso, o grupo do -on (que faz o plural em -ões) acabou “contaminando” algumas palavras dos outros dois grupos, que passaram a admitir, além do plural etimológico, também a forma em -ões, que de tão usada acabou por se tornar aceita e, com o tempo, até mesmo a mais usada.

É por isso que guardião, por exemplo (em espanhol guardián) admite, além do plural etimológico guardiães, também o plural guardiões.

É também o caso de verão ou de anão, por exemplo; pela regra acima exposta (em espanhol, diz-se verano enano), os plurais deveriam ser verãos e anãos – e de fato essas são formas historicamente corretas, e ainda hoje aceitas, embora já até causem estranheza, tendo sido quase totalmente substituídas, no uso, pelas formas regulares verões anões – que, no início, eram “erros de português”, mas que, de tão usadas, acabaram se tornando corretas.

Do mesmo modo, houve um tempo em que o único plural aceito de guardião era guardiães; como em todas as línguas existe uma tendência à regularização de formas irregulares, há muito se ouvia, com cada vez mais frequência, guardiões – que era um “erro de português”, com o tempo passou a ser opção também aceita, e a cada dia ganha  mais em popularidade da forma etimológica.

É o que já ocorreu, por exemplo, com verõesanões, plurais originalmente errados, mas que hoje praticamente substituíram as formas originalmente corretas “verãos” e “anãos”.

Como se pode ver, a língua portuguesa continua – como toda língua viva – em constante processo de evolução.

O plural dos nomes compostos

sem-titulo

Sabemos que, em português, os nomes sempre têm plural, tanto os prenomes quanto os sobrenomes. Mas como se faz o plural de prenomes compostos, ou de sobrenomes compostos?

Com base no uso de nossos melhores escritores e as recomendações de nossos bons gramáticos, as regras que se observam para a formação do plural de nomes compostos são:

  • Se o composto inclui a preposição “de” (do, das, dos, das), só se pluraliza o que vem antes dela: as Marias do Carmodois Ataídes de Azevedo; os de Sá Ribeiroos Limas de Azevedo; os Paes de Andrade; as Joanas d’Arc; muitos Vascos da Gama.
  • Se o composto é ligado por “e“, só se pluraliza o que vem após o “e“: os membros da família “Sousa e Silva” são “os Sousa e Silvas“.

Nos casos de compostos sem elemento de ligação entre os nomes, o uso dos autores clássicos variava entre as duas possibilidades que a gramática oferece:

  • Pluralizam-se ambos os nomes: as Marias Quitérias; os Pedros Paulos; os Castros Alves; os Ruys Barbosas; os Pedros Arcanjosos Zés Marias; os Pedros Miguéis; os Miguéis Ângelos; ou:
  • O composto é tratado como uma unidade, pluralizando-se apenas o segundo elemento: as Maria Quitériasos Ruy Barbosasos Joaquim Nabucosos Pedro Paulos; os Castro Alves; os Ruy Barbosasos Pedro Arcanjosos Zé Marias; os Pedro Miguéisos Miguel Ângelos.

 

Em português, os sobrenomes têm plural

Sem título.png

Diferentemente do que diz o jornal Diário de Notícias, não foi a cadela dos Obama que mordeu uma visitante na Casa Branca – foi a cadela dos Obamas.

Em português, os nomes, inclusive os nomes de família (sobrenomes), sempre tiveram plural como qualquer substantivo da língua portuguesa: uma das obras-primas de Eça de Queiroz (por muitos considerado o maior escritos português) foi aquela chamada “Os Maias” (e não *Os Maia); os membros daquela família imperial eram os Braganças, e não *os Bragança; e uma das famílias mais conhecidas da televisão mundial é a dos Simpsons (e não *os Simpson).

Assim, não há por que falar em “os Obama“, “dos Obama” – o certo é “os Obamas“, “dos Obamas“.

Os nomes próprios (tanto prenomes quanto sobrenomes) portugueses seguem as mesmas regras de formação dos substantivos comuns: o Raul, os Rauiso Benjamim, os Benjamins; o Cabral, os Cabraisa Ester, as Esteres; o Mateus, os Mateusa Raquel, as Raquéiso Rafael, os Rafaéis.

Já os nomes estrangeiros normalmente recebem plural, em português, pela adição de um “s”: os Amins, os Bismarcks, os Clintons, os Husseins, os Isaacs, os Kennedys, os Kirchners, os Lafers, os Medvedevs, os Müllers, os Rousseffs, os Sarkozys – com a exceção daqueles já terminados em “s” ou “z”, que permanecem invariáveis: os Chávez (como os Chaves), etc.

Os sobrenomes têm plural: “Milhões de Cunhas”

milhoes-549x280

A faixa acima, “Somos milhões de Cunha“, trazia um erro gramatical. Em português, os nomes e sobrenomes têm plural. Basta recordar o título do clássico de Eça de QueirozOs Maias (e não *Os Maia), ou pensar nas famílias importantes da história do Brasil – “os Braganças“, por exemplo (e não *os Bragança). Pode-se até pensar em exemplos culturais mais recentes, como “Os Simpsons” e “Os Flintstones“.

Com o artigo no plural, o sobrenome também deve vir no plural: “a família Silva” é o mesmo que dizer “os Silvas” (e não *Os Silva). Do mesmo modo, deve-se dizer “os Cardosos“, “os Vianas“, “os Montagners“, “os Alckmins“.

Assim, os brasileiros que se identificam com o ex-deputado Cunha deveriam dizer que são milhões de Cunhas (e não “de Cunha”).

É bem diferente, portanto, o sentido das frases “Ninguém sabe onde foram parar os milhões de Cunha” (em referência ao dinheiro dele) e “Ninguém sabe onde foram parar os milhões de Cunhas” (em referência a seus antigos apoiadores).


Os nomes próprios (tanto prenomes quanto sobrenomes) portugueses seguem as mesmas regras de formação dos substantivos comuns: o Raul, os Rauiso Benjamim, os Benjamins; o Cabral, os Cabraisa Ester, as Esteres; o Mateus, os Mateusa Raquel, as Raquéiso Rafael, os Rafaéis.

Já os nomes estrangeiros normalmente recebem plural, em português, pela adição de um “s”: os Amins, os Bismarcks, os Clintons, os Husseins, os Isaacs, os Kennedys, os Kirchners, os Lafers, os Medvedevs, os Müllers, os Rousseffs, os Sarkozys – com a exceção daqueles já terminados em “s” ou “z”, que permanecem invariáveis: os Chávez (como os Chaves), etc.

Plural das palavras terminadas em “ão”: o espanhol ajuda

Sans titre

As palavras que terminam em “ão” costumam causar dúvida no plural. Isso porque os vocábulos terminados em -ão podem ter no plural três terminações diferentes:

  • -ão pode virar -ães: cão, cães; pão, pães; capitão, capitães;
  • -ão pode virar -ões: ação, ações; coração, corações; razão, razões;
  • -ão pode virar -ãos: mão, mãos; irmão, irmãos; cidadão, cidadãos.

O motivo para essa aparente incoerência da língua é o fato de que a terminação portuguesa “ão” é o resultado da padronização moderna de três antigas terminações distintas: -an, -on e -ano, que, na passagem do galego para o português moderno, deixaram de distinguir-se, transformando-se todas em “ão“.

Aí, ajuda o conhecimento etimológico – ou também serve o conhecimento da língua espanhola. Isso porque, diferentemente do português, o espanhol manteve as três terminações diferentes (-an,
-on e -ano), e basta saber como uma palavra terminada em -ão em português é pronunciada em espanhol para saber qual será seu plural (-ães, -ões ou -ãos).

As palavras que em espanhol terminam em -an (e têm plural em espanhol em –anes) têm, em português, plural em -ães: em espanhol, por exemplo, cão é can; pão é pan; alemão é alemán; e capitão é capitán. Em português, têm o plural em -ães: cães, pães, alemães, capitães.

As palavras que em espanhol terminam em -on (e têm plural em espanhol em –ones) têm, em português, plural em -ões. Formam o maior grupo: avión, canciónconstitución, corazónexportaciónmaldición, razón… Em português, com plural em -ões: ações, aviões, canções, corações, constituições, exportações, maldições, razões…

E as palavras que em espanhol terminam em -ano (e têm plural em espanhol em –anos)  são aquelas que em português têm plural em -ãos: em espanhol, mano, ciudadano, hermano, huérfano, grano, órgano; em português: mãos, cidadãos, irmãos, órfãos, grãos, órgãos.

Como se vê, nada na língua é por acaso.

Apenas uma ressalva: pelo fato de o grupo do -ões ser de longe o mais numeroso, é muito normal que as pessoas acabem errando o plural de palavras menos comuns dos outros dois grupos, trocando o plural correto em “ães” ou “ãos” por um plural em “ões“. É o que ocorre, por exemplo, com “refrão“: em espanhol se diz “refrán“, e, coerentemente, seu plural etimológico e até hoje correto em português é refrães. Mas, por confusão com o caso mais comum (o dos que terminam em “ões”), muita gente acaba dizendo “refrões“, forma incorreta.

Algo que o português tem, porém, em comum com todas as demais línguas vivas é o fato de que, em geral, quando um mesmo erro é cometido com grande frequência pela maior parte da população, inclusive a população considerada “culta”, esse erro deixa de ser considerada erro, e passa a ser aceito como forma correta.

É o que já aconteceu, por exemplo, com o plural de guardião: como indica o espanhol guardián, o plural etimológico e até hoje correto de guardião é guardiães, mas de tanto as pessoas usarem, equivocadamente, a forma “guardiões, essa forma acabou sendo considerada igualmente correta.

É o que já ocorreu também, há mais tempo ainda, com verõesanões, plurais originalmente errados. Pela regra acima exposta, o plural de verão (em espanhol verano) e o plural de anão (em espanhol enano) deveriam ser verãos anãos – e essas duas formas de fato são corretas até hoje, como se pode ver nos dicionários, mas, de tão pouco usadas, já são percebidas como erradas por muita gente – enquanto as formas “verões” e “anões”, que já foram simples “erros de português”, são hoje as formas preferidas.

O que esses exemplos deixam claro é que, como toda língua viva, a língua portuguesa está em permanente processo de mudança – como sempre esteve, desde que era galego, e antes disso, latim, e como sempre estará, enquanto tiver falantes vivos.

Olimpíada ou olimpíadas? O certo é “a olimpíada” ou “as olimpíadas”?

bandeira-olimpica
Tanto faz dizer “a olimpíada do Rio” ou “as olimpíadas do Rio” (ou, ainda, “os jogos olímpicos do Rio”).

O certo é olimpíada do Rio ou olimpíadas do Rio? As olimpíadas de Tóquio ou a olimpíada de Tóquio? Para o desespero daqueles que adoram corrigir os demais, este é um daqueles vários casos da língua em que tanto faz: “olimpíada” e “olimpíadas” são sinônimos. Quem diz o contrário não sabe interpretar um dicionário.

Há os ignorantes que chamam de burros os que se referem, no singular, à “olimpíada” do Rio, ou à última olimpíada, ou à próxima olimpíada, etc. Isso porque, afirmam, achando-se sabichões, o primeiro significado de olimpíada no dicionário é: “Na Grécia antiga, período de quatro anos entre dois jogos olímpicos que servia para a contagem do tempo“. Sim, olimpíada significava, portanto, um período de quatro anos. Mas qualquer sabichão deveria saber que a maioria das palavras têm mais de um significado – e, como indicam os mesmos bons dicionários (ver aqui), “olimpíada”, no singular, é, também, um sinônimo de “jogos olímpicos”.

E “olimpíadas”? Segundo os mesmos dicionários (vejam aqui, por exemplo, o Michaelis), também significa “jogos olímpicos”.

Portanto, tanto faz dizer “a olimpíada do Rio” ou “as olimpíadas do Rio” (ou, ainda, “os jogos olímpicos do Rio”). É exatamente a mesma coisa. Está errado quem diz que a forma no plural está errada – assim como também estão erradas as pobres almas que dizem o contrário: sim, também existem os “gênios da gramática” que dizem que, se a olimpíada do Rio é somente uma, estaria errado dizer “as olimpíadas de 2016”, etc.

Ignorância deles: há, na língua portuguesa, várias palavras que podem ser usadas tanto no singular quanto no plural, sem modificação de sentido: pode-se dizer “Tinha muito ciúme dele” ou “Tinha muitos ciúmes dele“; “Estou com muitas saudades de você” ou “Estou com muita saudade de você“, indiferentemente. E, do mesmo modo, é perfeitamente correto dizer tanto “a olimpíada de 2020” quanto “as olimpíadas de 2020“.

Alguéns, plural de alguém

Sem título

Leitor pergunta-nos se a palavra “alguém” tem plural – isto é, se existe o plural “alguéns”.

A resposta é sim. Embora não seja usado com muita frequência, a palavra alguém tem plural, alguéns, contemplado em Vocabulários Ortográficos e usado em obras de bons autores, como o moçambicano Mia Couto, o brasileiro Mário de Andrade, ou da portuguesa Fundação Casa de Bragança.

Ainda menos usual é o plural de ninguém – que também existe. Como, além de pronome, “ninguém” é também um substantivo, tem seu plural regular: como de “armazém” se faz “armazéns”, de “neném” se faz “nenéns” e de “vintém” se faz “vinténs”, de “alguém” se faz “alguéns”, e de ninguém, ninguéns.

 

 

O plural de siglas: um CD, dois CDs; uma ONG, duas ONGs…

Li num lugar que o certo é “comprei dois CD”, e não “dois CDs”, porque as siglas não têm plural em português. Isso está certo?”

Não, não está. Desconfie do que mais vier desse tal “lugar” que lhe diz que siglas não podem ter plural em português. Não existe nenhuma regra gramatical que impeça a pluralização de siglas em português.

Pelo contrário: a Academia Brasileira de Letras, o Dicionário Aurélio, o Houaiss, o Aulete (clique aqui), o Michaelis (aqui), a portuguesa Porto Editora (aqui) a própria Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) usam siglas no plural, acrescentando-lhes um “s” minúsculo: um CD, dois CDs; um DVD, dois DVDs; uma ONG, duas ONGs.

Os gramáticos Celso Luft, Napoleão Mendes de Almeida, Silveira Bueno e  Paschoal Cegalla são todos unânimes na questão:

IMG_1520

ghG.jpg

Também o professor Pasquale Cipro Neto assim afirma, em sua gramática:

gh

E o maior gramático da língua portuguesa hoje vivo, Evanildo Bechara, diz o mesmo:

12977023_10207679431775849_2314105013995323548_o

Mas atenção: o “s” deve ser sempre minúsculo; e é errado usar apóstrofo: o certo é “dois DVDs” (e não “dois DVD’s“).

Vide, por exemplo, o plural de CD no Dicionário Aurélio:

IMG_1519

Ou, aqui, o plural de uma sigla no Dicionário Houaiss (2016):

IMG_1846

Vide, também, o plural de DVD no Dicionário da Academia Brasileira de Letras:

IMG_1517

Já a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, em sua mais recente declaração presidencial (a “Declaração de Díli”), assinada pelos presidentes de Brasil, Portugal e dos demais países lusófonos, oficializou a recomendação formal da “integração progressiva dos Vocabulários Ortográficos Nacionais (VONs) num Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa (VOC)“.

A “teoria” de que siglas não têm plural é tão absurda que obrigaria a que, antes de usar uma sigla, o falante pensasse se a sigla ainda é uma sigla, escrita com maiúsculas, ou se já se escreve com minúsculas – uma vez que ninguém discute que, quando escrita com minúsculas, óvni (da sigla para Objeto Voador Não Identificado) vira, no plural, óvnis.

Em suma: se, mesmo com isso tudo, alguém ainda disser (sem nenhuma gramática, acordo ou convenção como embasamento) que é errado usar plurais em siglas, basta ignorar – ou recomendar-lhe que deixe de prender-se a regras “inventadas”, como essa, que só se encontra em sites na Internet – mas em nenhuma gramática ou dicionário, nem tem qualquer embasamento teórico, linguístico ou factual.

Avôs ou avós? O plural de avô (e de avó)

Untitled

Em geral, a língua é machista: o pai e a mãe, juntos, podem ser chamados de “os pais” (mas nunca “as mães”). O tio e a tia são “os tios”. Mas “o avô e a avó”, juntos, são “os avós”.

Assim como o plural de ovo (que se pronuncia “ôvo”) é ovos (pronunciado “óvos”), o plural normal de avô, quando inclui o vô e a vó, é avós. Existe também o plural regular “avôs”, com ô fechado, que só se usa para indicar dois avôs homens (o pai do pai e o pai da mãe, por exemplo).

Em resumo: o vô e a vó, juntos, são os avós. A vó materna e a vó paterna, juntas, são as avós. Os quatro, juntos, são também os avós. E somente o avô materno (pai da mãe) e o avô paterno (pai do pai), juntos, é que seriam os avôs, com ô fechado.

“Vô” e “vó” são formas encurtadas, igualmente válidas, de avô e avó; e vovô e vovó, formas carinhosas.

Bons dicionários, como o Priberam e o Dicionário Houaiss, definem corretamente os dois plurais:

avôs: substantivo masculino plural
1 o avô paterno e o avô materno conjuntamente

avós: substantivo masculino plural
1 o avô e a avó (o casal) de um indivíduo
2 todos os antepassados de uma pessoa, com exceção dos próprios pais; ascendentes, avoengos