A pronúncia de avessas (em “às avessas”)

Um leitor perguntou qual a pronúncia correta da palavra “avessas“, na expressão “às avessas”.

Como adjetivo, não há controvérsia – todos pronunciamos com “ê” fechado “avesso”, seu feminino e seus plurais (“Elas são ‘avêssas‘ ao trabalho”, por exemplo). A polêmica é quanto ao substantivo feminino plural “avessas” (coisas contrárias), que praticamente só se usa na expressão “às avessas”.

Esse “avessas” é uma das palavras que se ouvem com dupla pronúncia entre falantes cultos brasileiros – do mesmo modo que poça (de água, por exemplo, que se pode pronunciar tanto “pôça” quanto “póça”) ou o particípio pego, de pegar (por exemplo em “ele foi pego”, caso em que se pode pronunciar tanto “pêgo” quanto “pégo”).

Na prática observa-se que falantes do Rio de Janeiro, de São Paulo e dos estados da região Sul pronunciam “às avêssas“, enquanto falantes de Minas Gerais, Espírito Santo e de todo o Nordeste dizem “às avéssas” (Caetano Veloso, por exemplo, canta “avéssas” – ouça aqui).

Ao verificar o Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de Letras, uma surpresa – para a Academia Brasileira de Letras, a pronúncia é apenas “avêssas”:

VOLP

Isso significa que a única pronúncia correta é “avêssas“? Certamente não – até porque, como sabemos, o Vocabulário da Academia Brasileira de Letras não tem valor oficial. E basta abrir um bom dicionário, como o tradicional dicionário Aulete, para ver que este traz, explicitamente, a indicação da pronúncia “avéssas“, com “é” (ver aqui).

O Houaiss e o Aurélio não trazem indicação de pronúncia para “avessas” – mas esse “silêncio” tende a indicar que reconhecem a pronúncia “avéssas”, já que ambos em geral trazem a pronúncia dos substantivos terminados em -essa apenas quando se pronunciam com ê (como condessa), e não nos pronunciados com é (como promessa).

Em Portugal, o tema é unânime: a única pronúncia lá existente é “avéssas”, segundo os dicionários portugueses (Priberam, Porto Editora e o da Academia das Ciências de Lisboas, homóloga da nossa Academia Brasileira de Letras).

O que se conclui disso tudo? Que a pronúncia original, vinda de Portugal, é “avéssas”, e que é a preservada ainda no Nordeste, em Minas Gerais e em outras partes do Brasil; mas que a pronúncia culta mudou para “avêssas” pelo menos no Rio de Janeiro, em São Paulo e nos estados do Sul (e provavelmente em áreas de influência destes, como as áreas de colonização sulista no Centro-Oeste).

A diferença de pronúncia leva, inclusive, a diferenças nas rimas possíveis para a palavra: a banda paulista 5 a Seco, por exemplo, rima “avessas” com “cabeça”, exatamente como o carioca Toni Garrido.

Já a capixaba Elisa Lucinda faz rimar “avessas” com “confessa”, enquanto o vocalista mineiro da banda Biquíni Cavadão rima “avessas” com “promessas”.

E essa dupla pronúncia não é errado – como visto acima, há várias palavras com dupla pronúncia na norma culta do português, como “pôça”/”póça”.

O que não faz sentido é a carioquíssima Academia Brasileira de Letras querer dizer que a pronúncia carioca, que sequer é a tradicional, é a única correta. Embora errada, na prática a ação não é tão grave porque acaba sendo apenas mais um dos casos em que os dicionários brasileiros escolhem ignorar o que diz a Academia, mas que não deixa de ser inconveniente por ainda haver muita gente no Brasil que acredita que a Academia (que é uma simples organização não governamental carioca) tem poder legal ou oficial sobre a língua – o que ela não tem.

O VOLP, Vocabulário da Academia Brasileira de Letras, não tem valor oficial nem legal (segundo a própria ABL)

untitled

Uma crença comum entre brasileiros interessados pelo estudo da língua portuguesa é a ideia, equivocada, de que o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (o chamado VOLP) da Academia Brasileira de Letras teria algum valor oficial ou legal; com base nessa “lenda urbana”, uma palavra só existiria, em português (do Brasil), se estivesse no VOLP; e a grafia correta de toda e qualquer palavra seria a constante do VOLP.

Mas nada disso é verdade. Como afirma o próprio presidente da Academia Brasileira de Letras, “a ABL é uma organização não governamental, sem fins lucrativos, mas não é um órgão público“, e o único vocabulário ortográfico oficial, “efetivamente ligado ao Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa“, será o Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa (VOCLP), explicitamente previsto no texto do Acordo, e que está ainda em fase de elaboração.

O próprio presidente da Academia Brasileira de Letras diz ser “curioso” que, “no Brasil“, o VOLP seja por muitos considerado “a referênciaTudo isso foi dito pelo presidente da Academia Brasileira de Letras em entrevista na Organização das Nações Unidas, em 2016, disponível aqui.

Sendo a Academia Brasileira de Letras uma simples ONG, e não instituição governamental, o VOLP não tem, nem poderia ter, valor legal ou oficial. O único documento que rege oficialmente a ortografia da língua portuguesa no Brasil, devidamente ratificado pelos poderes legislativo e executivo brasileiro, é o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Isso significa que, quando o VOLP da ABL diverge ou contraria o que diz o próprio texto legal do Acordo Ortográfico (e há vários casos em que isso ocorre), é o Acordo que deve ser seguido, se se pretende seguir a ortografia legal e oficial.

Para ficar em uns poucos exemplos: o texto do Acordo Ortográfico manda, expressamente, escrever com hífen a palavra co-herdeiro; traz expressamente sem hífen a palavra zunzum; e diz expressamente que o gentílico do Kuwait a ser usado em português é kuwaitiano. Já o VOLP da ABL não traz co-herdeiro, mas, sim, em evidente contradição com o texto legal, coerdeiro; não traz zunzum, mas, sim, zum-zum; e não traz kuwaitiano, mas, sim, cuaitiano. São casos em que o VOLP expressamente contraria a norma ortográfica oficial da língua portuguesa. De modo que, se quiser seguir a norma oficial, não tenha dúvida: escreva zunzumco-herdeirokuwaitiano, e ignore o VOLP da ABL e suas recomendações extraoficiais, que não têm nenhum caráter legal.

Mesmo os dicionários escolhem não seguir (ou contrariar explicitamente) o VOLP em muitos casos: o VOLP da ABL, por exemplo, traz a forma lacrimogênio; os dicionários (Houaiss, Aurélio, Michaelis, Aulete, etc.) ignoram a recomendação da ABL e escrevem lacrimogêneo.


Segundo uma dessas lendas urbanas da Internet, o caráter oficial do VOLP da ABL da “delegação e responsabilidade legal” delegada “em cumprimento à lei n. 726, de 8/12/1900“. Mas basta a qualquer um procurar a tal lei número 726, de 8 de dezembro de 1900, disponível aqui, para ver que não há absolutamente nenhuma menção a vocabulário algum.

O VOLP, Vocabulário da Academia Brasileira de Letras, não tem valor oficial nem legal (segundo a própria ABL)

untitled

A Internet é terreno fértil para a proliferação de mitos e afirmações falsas. Um dos muitos mitos referentes à língua portuguesa que circulam pela Internet é a ideia, errada, de que o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (o chamado VOLP) da Academia Brasileira de Letras teria algum valor oficial ou legal; com base nessa “lenda urbana”, uma palavra só existiria, em português (do Brasil), se estivesse no VOLP; e a grafia correta de toda e qualquer palavra seria a constante do VOLP.

Mas nada disso é verdade. Segundo o próprio presidente da Academia Brasileira de Letras, “a ABL é uma organização não governamental, sem fins lucrativos, mas não é um órgão público”; e o único vocabulário ortográfico oficial, “efetivamente ligado ao Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa“, será o Vocabulário Ortográfico Comum da CPLP, ainda em fase de elaboração (que, embora ainda não concluído, já pode ser acessado aqui). O próprio presidente da ABL diz ser “curioso” que, apesar disso, “no Brasil”, o VOLP seja por muitos considerado “a referência”Tudo isso foi dito pelo presidente da Academia Brasileira de Letras em entrevista na ONU, em 2016, disponível aqui.

Sendo a Academia Brasileira de Letras uma simples ONG, e não instituição governamental, o VOLP não tem, nem poderia ter, valor legal ou oficial. O único documento que rege oficialmente a ortografia da língua portuguesa no Brasil, devidamente ratificado pelos poderes legislativo e executivo brasileiro, é o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Portanto, nos vários casos em que o VOLP da ABL diverge ou contraria o próprio texto legal do Acordo Ortográfico, é o Acordo que deve ser seguido, se se pretende seguir a ortografia legal e oficial.

Para ficar em uns poucos exemplos: o texto do Acordo Ortográfico manda, expressamente, escrever com hífen a palavra co-herdeiro; traz expressamente sem hífen a palavra zunzum; e diz expressamente que o gentílico do Kuwait a ser usado em português é kuwaitiano. Já o VOLP da ABL não traz co-herdeiro, mas, sim, em evidente contradição com o texto legal, coerdeiro; não traz zunzum, mas, sim, zum-zum; e não traz kuwaitiano, mas, sim, cuaitiano. São casos em que o VOLP expressamente contraria a norma ortográfica oficial da língua portuguesa. De modo que, se quiser seguir a norma oficial, não tenha dúvida: escreva zunzumco-herdeirokuwaitiano, e ignore o VOLP da ABL e suas recomendações extraoficiais, que não têm nenhum caráter legal.


Segundo uma dessas lendas urbanas da Internet, o caráter oficial do VOLP da ABL da “delegação e responsabilidade legal” delegada “em cumprimento à lei n. 726, de 8/12/1900”. Só que basta a qualquer um procurar a tal lei número 726, de 8 de dezembro de 1900, disponível aqui, para ver que não há absolutamente nenhuma menção a vocabulário algum.

Hifens inúteis: marcapasso, picapau, vagalume, paralamas, parabrisa, parachoque…

Untitled

Com quase certeza não terá sido proposital essa “desobediência civil” (ortográfica) da Folha de S.Paulo, mas não deixa de ser emblemática da obsolescência de nossos vocabulários e dicionários, portugueses e brasileiros, no que tange ao tantas vezes inútil hífen.

A Folha escreve marcapasso. Mas os dicionários e os vocabulários acadêmicos do Brasil e de Portugal só trazem marca-passo, com um hífen que, além de desnecessário, não reproduz a pronúncia corrente. Não é o único caso, aliás, em que os vocabulários e dicionários já há muito foram deixados para trás pela população e por meios de comunicação, que discordam da regra burra seguida por dicionários de sempre hifenizar compostos formados por verbo + substantivo. Outros exemplos dessa razoável “desobediência civil” são picapau, que a Academia e os dicionários até hoje mandam grafar pica-pau, apesar de, um século atrás, Monteiro Lobato já ter imortalizado o sítio do
Picapau Amarelo”; vagalume, que os acadêmicos insistem em grafar vaga-lume, ao contrário dos escritores de bom senso, que não veem naquele hífen utilidade nem lógica; e paralamasparabrisas e tantas outras palavras, que são quase unanimemente escritos aglutinados nas oficinas e anúncios de todo o país, ignorando os empoeirados vocabulários e dicionários, que mantêm hifens nessas palavras.

E sequer se pode dizer que essa mania hifenizadora dos vocabulários e dicionários tem respaldo no Acordo Ortográfico. Pelo contrário – o Acordo Ortográfico de 1990, que é o único instrumento com força de lei no que tange à ortografia da língua portuguesa no Brasil e em Portugal, diz expressamente:

Obs.: Certos compostos, em relação aos quais se perdeu, em certa medida, a noção de composição, grafam-se aglutinadamente: girassol, madressilva, mandachuva, pontapé, paraquedas, paraquedista, etc.

Se paraquedas, paraquedista (e parapeito, parapente, etc.) se escrevem sem hifens nos mesmos dicionários e vocabulários, e conforme recomendação expressa do texto legal ortográfico, por que vocabulários continuam trazendo somente com hifens formas como *para-lamas, *para-brisa, *para-choque (contrariando, aliás, o uso popular, que segue a lógica da língua e o instinto dos falantes)? Simplesmente porque  os vocabulários, seja o da Academia Brasileira de Letras, sejam os vários feitos em Portugal, são todos obras desatualizadas e cheias de lacunas. Mas e por que os dicionários, brasileiros e portugueses, seguem esses vocabulários e não acatam de uma vez as formas aglutinadas, mais usadas, mais lógicas e completamente permitidas pelo texto legal, se o fato é que nenhum dos ditos vocabulários tem qualquer vigência legal ou oficial? Há de se perguntar a eles…

Se o texto do Acordo Ortográfico permite escrever aglutinadamente girassol, mandachuva, paraquedas, “etc.”, é claro que é ideal também continuar a escrevendo, como muitos há muito já escrevem, vagalumepicapauparalamasparabrisaparachoque e marcapasso.


E, antes que alguém diga que o que se propõe aqui poderia levar a uma verdadeira “anarquia ortográfica”, considerem-se estes três pontos:

1) A língua não precisa de regras tão rígidas de hifens; tome-se para isso o exemplo da língua inglesa, que se sai muito bem sem regras rígidas para o uso do hífen, podendo cada falante decidir, na hora da escrita, se quer escrever “air-crew“, “air crew” ou “aircrew“; “best seller“, “best-seller“, “bestseller” – todas as opções são corretas em inglês;

2) O espanhol, por outro lado, aboliu completamente o uso do hífen na formação de palavras (em vez de ex-primeira-dama, escreve-se “ex primera dama“; em vez de porta-voz, escreve-se “portavoz“), e o que se percebeu é que, no fundo, o hífen não faz falta; e, finalmente:

3) A suposta “anarquia ortográfica” já existe, uma vez que, como se vê, nem os veículos de imprensa conservadores brasileiros seguem as ilógicas recomendações dos dicionários e da Academia Brasileira de Letras no que tange às desnecessariamente problemáticas e surrealmente complexas regras de hífen.

“Ano Novo” nunca teve hífen, nem precisa ter

Untitled.png

Como em todas as demais línguas, “Ano Novo” em português não precisa de hífen.

Em português, “ano novo” nunca teve hífen. Em Portugal e nos demais países de língua portuguesa, sempre se escreve assim, sem hifens. Pelas regras ortográficas (ver abaixo), realmente não há motivo para que “ano novo” tenha hífen.

No Brasil, porém, o Aurélio, por lapso, trouxe “ano-novo” como uma expressão com hífen, e os demais dicionários – que, como frequentemente vemos aqui, se copiam uns aos outros, em geral reproduzindo erros – fizeram o que tantas vezes fazem: repetiram o erro.

Já tratamos também da “mania hifenizadora” de certos brasileiros. Mas, como já vimos aqui, existe uma regra básica para o uso do hífen: o de que ele é usado quando é necessário para a compreensão; o hífen não aparece de brinde nem de enfeite.

Uma regra de ouro para o uso do hífen, que funciona na maioria dos casos, é muito mais simples que as mil regrinhas que alguns tentam decorar: se o hífen não faz nenhuma falta, não se usa. E, na língua portuguesa, em geral não é necessário usar hifens para ligar um substantivo a um adjetivo que o qualifique. É por isso que “bom senso” não tem hífen; que “assembleia geral” não tem hífen; que “senso comum” não tem hífen; assim como “gripe aviária”, “segundo esposo”, “bom dia”, etc. – e qualquer outro par normal formado por substantivo mais adjetivo em seus sentidos comuns.

É também por isso que “Ano Novo” nunca levou hífen.

O fato de o Vocabulário da Academia Brasileira de Letras trazer “ano-novo” com hífen só engana os descuidados: o Vocabulário também traz “bom-dia”, com hífen – e não traz “bom dia” sem hífen. Logo – concluiriam uns -, o certo é escrever “Olá, bom-dia!”? Não, não é. “Bom-dia”, tudo junto, é uma palavra, raramente usada, que significa “o cumprimento pelo qual se deseja a alguém um bom dia”. Mas o Vocabulário não registra “bom dia” sem hífen – porque os Vocabulários só trazem as palavras, separadamente, e nesse caso são duas palavras: “bom” e “dia”.

É o mesmo que ocorre com “livre comércio”, que se escreve sem hífen, mas algumas pessoas erram e acham que deve levar hífen porque o VOLP registra a palavra “livre-comércio” – essa palavra composta, porém, é o que o dicionário Aurélio define como “a teoria que estuda o livre comércio”.

É também, como já vimos, o mesmo que ocorre com “contas-correntes”, que o Aurélio define muito bem como um tipo desusado de livro “onde se registravam as movimentações das contas correntes” de um banco. O fato de existir o antiquado “contas-correntes” não quer dizer que toda conta corrente leva hífen – não leva.

Da mesma forma, Ano Novo – em frases como “Feliz Ano Novo!” – nunca levou hífen em português, nem deve levar. No excelente dicionário da Academia Brasileira de Letras nunca existiu a palavra – nem nos grandes dicionários de Caldas Aulete, nem no Michaelis tradicional, etc. Foi só o Aurélio registrar um “ano-novo” com hífen, retirado de um romance, que os demais dicionários brasileiros copiaram sem nenhum senso crítico a gafe.

Nenhum dicionário de Portugal ou de nenhum dos demais países que falam português escreve “ano-novo”. No novo Vocabulário Ortográfico Comum da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, só existem “ano” e “novo”, e muito bem. Nada de “ano-novo”, que agora alguns dicionários brasileiros tentam dizer que tem sentido diferente de “ano novo” sem hífen. Segundo quem defende a diferença, uma coisa seria a festa realizada na noite do 31 de dezembro – nesse caso se usaria hífen; já “ano novo” sem hífen seria literalmente o novo ano que começa.

Essa suposta necessidade de diferenciação na verdade não existe – quem a defende ignora outra regra básica da ortografia portuguesa: que, como manda o novo Acordo Ortográfico, todas as festas e festividades levam inicial maiúscula.

Portanto, o único argumento que havia para a existência de “ano-novo” com hífen – a suposta necessidade de diferenciar a festividade de um literal novo ano – foi enterrada com o novo Acordo Ortográfico, que marca obrigatoriamente essa diferença pelo uso de maiúscula: Ano Novo é a festividade, enquanto ano novo, sem maiúsculas, é o novo ano literal.

Conta corrente não tem hífen

Untitled

Conta corrente ou conta-corrente? Com ou sem hífen?

Uma “conta em banco, de depósitos à vista”, é uma conta corrente, sem hífen mesmo – como ensinam o Dicionário Aurélio, o Dicionário Aulete, Celso Luft e o Dicionário da Academia Brasileira de Letras, além do próprio Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP) – que ensina que c/c é a abreviatura de “conta corrente”.

IMG_0205

É, ainda, a forma usada por toda a imprensa (vide o Estadão, O Globo, o Valor, a Veja, a Folha, etc.) e, o mais importante, por todos os bancos no Brasil: o Banco do Brasil, a Caixa, o Santander, etc.

Novamente (como no caso de broxar), a atual edição do Houaiss fica sozinha, e erra sozinha: destoando do Aurélio e dos demais, Houaiss grafa “conta-corrente” com hífen – “uma bobagem do Houaiss“, diz o Professor  Lutibergue, “um lapso do Houaiss“, diz a Professora Maria Tereza Piacentini; um erro, dizemos nós.

A maior ironia é que o próprio acadêmico e filólogo Antônio Houaiss mandava escrever “conta corrente” sem hífen: no dicionário enciclopédico organizado ainda em vida (o Dicionário Enciclopédico Koogan-Larousse), Houaiss é taxativo: Conta corrente, sem hífen, é a “conta aberta em banco” (ver abaixo). O erro, portanto, não é de Antônio Houaiss, brilhante filólogo; mas sim da equipe que atualiza o dicionário que leva o nome do acadêmico, infelizmente falecido anos antes da conclusão e publicação do primeiro Dicionário Houaiss.

IMG_1625.JPG

IMG_0197

De todos modos, o erro da equipe do Dicionário Houaiss certamente vem de uma “compreensão” equivocada do VOLP, o Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de Letras. O VOLP traz “conta-corrente”, com hífen – mas o problema é que a palavra “conta-corrente” até existe, e por isso o VOLP a registra; mas, como o VOLP não traz significados, é preciso saber que “conta-corrente” é uma coisa, mas a conta em banco, que é a conta corrente, sem hífen, é outra.

Se, por exemplo, pesquisar por livre-comércio no VOLP, encontrará a palavra assim, com hífen – mas só se for a um bom dicionário, descobrirá que “livre-comércio” é a teoria que estuda o livre comércio (sem hífen!).

Da mesma forma, o VOLP traz “bom-dia”, e um desavisado poderia achar que isso significa que “bom-dia” sempre tem hífen. Mas um bom dicionário explica que “um bom-dia” é o nome do cumprimento usado por uma pessoa que diz “Bom dia” (sem hífen).

Assim, o VOLP registra “conta-corrente” com hífen, mas precisa-se recorrer a um bom dicionário como o Aurélio para entender que contas-correntes são os “livros onde se escrituram as contas correntes dum estabelecimento comercial”:

IMG_0205IMG_0206

Para não restar dúvida, basta ver que o próprio VOLP da Academia traz, após a lista de palavras, a lista de abreviaturas, onde ensina que c/c é a abreviatura de “conta corrente” (sem hífen). E, mais: o Dicionário da Academia Brasileira de Letras também ensina corretamente:

Dicionrio-Ilustrado-da-Academia-Bras-de-Letras-Edio-20150127164911IMG_0201

Qual o gênero de fast-food? Um fast-food ou uma fast-food? Fast-food, substantivo masculino?

O certo é “a fast-food” ou “o fast-food”? Diz-se, em português, “uma fast-food” ou “um fast-food”?

Vamos ao Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de Letras – o famoso VOLP, que, com o maior registro de palavras da língua portuguesa (381.000), supostamente “norteia” todos os dicionários brasileiros quanto a quais palavras existem e indica se são femininas ou masculinas, bem como os plurais e eventuais pronúncias não óbvias… e vemos que o VOLP diz que a palavra fast-food (que deve ser grafada em itálico ou entre aspas, por ser um estrangeirismo) seria um substantivo feminino.

Se fôssemos seguir à risca o VOLP, não poderíamos dizer que “abriu um fast-food mexicano aqui na rua”, que alguém “vai acabar trabalhando em um fast-food“, ou que X é o seu “fast-food favorito”. Tampouco poderia usar “fast-food” como adjetivo, como se ouve com tanta frequência, em “restaurante fast-food“.

Por sorte, o VOLP da Academia Brasileira de Letras não tem (ao contrário do que muitos pensam, e ao contrário do que equivocadamente afirmam certas páginas e portais de dicas de português) caráter normativo ou oficial. Os bons dicionários, que sabem disso, não sempre o seguem: é o caso do Houaiss, que indica que fast-food, em português, pode ser um substantivo feminino (“tipo de comida feita por produção mecanizada com determinado número de itens padronizados”), mas também um substantivo masculino, com o sentido de “estabelecimento que serve esse tipo de comida”.

Priberam, além de também registrar corretamente a palavra como substantivo masculino (o “fast-food” = o restaurante), indica, com perfeição, o uso de “fast-food” como adjetivo (e de qualquer dos dois gêneros).

Mesmo em inglês, aliás, a expressão fast-food, quando usada como adjetivo, é escrita sempre com hífen – razão pela qual acertam o VOLP e os dicionários ao registrar a expressão com hífen, como deve ser usada em português.