Pastor alemão (ou pastor-alemão) tem hífen? E isso importa?

alimentar-pastor-aleman

O certo é pastor alemão ou pastor-alemão? O nome da raça de cães leva hífen ou não?

A quem aqui chegar preocupado em escrever da forma “oficial” e apenas interessado na resposta rápida: escreva o nome da raça com hífen. É assim que vem, por exemplo, no VOLP, o Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de Letras – que, embora não tenha valor oficial, é usado como referência por dicionários brasileiros e mesmo pelo português Priberam.

Ainda assim, convém resistir à tentação de apontar o dedo a que escrever “pastor alemão” sem hífen como se se tratasse de erro: o Dicionário Michaelis, por exemplo, traz o nome da raça sem hífen, com abonação – a maioria dos bons autores, aliás, sempre escreveu o nome da raça sem hífen. O Houaiss em papel também traz apenas “pastor alemão” sem hífen, dentro do verbete “pastor”, mas na versão na Internet incluiu a forma hifenizada. E o Dicionário Aulete aceita as duas opções: traz tanto com hífen, “pastor-alemão”, quanto sem hífen, dentro do verbete “pastor”:

Sans titre3.png

E a verdade é que a solução salomônica do Aulete é a melhor: por que é que uma forma deve necessariamente estar errada?

Ouvir isso deve provocar arrepios no leitor que tenha chegado aqui após perder seu tempo consultando no Google qual a grafia “correta” para a raça, preocupado em não cometer um suposto “erro de grafia”; mas o que se quer aqui trazer à discussão é o fato de a língua portuguesa ser a única cujos falantes perdem tanto tempo, inutilmente, preocupados em descobrir se uma palavra ou expressão deve ser escrita com hífen ou não.

Deveríamos aprender a olhar a questão do hífen como o fazem os falantes das outras grandes línguas europeias – como o inglês, o francês, o espanhol, o italiano… todos eles há muito deixaram de se preocupar tanto com o hífen.

Em inglês e em francês, não existem regras rígidas para o uso dos hifens. Vários gramáticos ingleses repetem a máxima ensinada em manual da Universidade de Oxford, segundo a qual quem que se preocupar demais tentando seguir o uso “correto” dos hifens acabará por enlouquecer (“If you take hyphens seriously you will surely go mad“).

Assim, com a devida autorização das gramáticas e dos dicionários, cada falante de inglês tem o direito de corretamente, na escrita, escrever “air-crew“, “air crew” ou “aircrew“; “best seller“, “best-seller“, “bestseller” – todas as opções são corretas em inglês. Os dicionários limitam-se a registrar todas as opções conforme os autores as vão usando: várias expressões começam sendo escritas sem hifens, depois passam a levar o tracinho, e anos mais tarde passam a ser majoritariamente escritas numa só palavra: on lineon-lineonline.

Mas não é porque a maioria das pessoas hoje use online que quem escrever on-line estará cometendo um erro. As duas opções são corretas. Lá se entendeu, corretamente, que o hífen é uma questão de estilo, não de gramática.

A Academia francesa igualmente admite que, nos compostos, os falantes oscilam na grafia, recomendando aos dicionários o registro das variantes: é igualmente correto, assim, escrever haut-parleur ou hautparleur (alto-falante ou “altofalante”), porte-monnaie ou portemonnaie (porta-moedas ou “portamoedas”), sauf-conduit ou saufconduit (salvo-conduto ou “salvoconduto”), etc.

Em espanhol e em italiano foi-se ainda além, abolindo-se simplesmente o uso dos hifens. Em espanhol, por exemplo, em vez de ex-primeira-dama, escreve-se “ex primera dama“; em vez de porta-voz, escreve-se “portavoz“.

Se ainda não estamos no nível dos falantes do espanhol e do italiano, capazes de viverem sem hifens, brasileiros e portugueses deveriam ao menos aceitar – como já o fazem os falantes do inglês e do francês – que o uso do hífen é questão de estilo, e não de correção gramatical.

Haverá, porém, quem diga que a rigidez no uso do hífen – que só existe em português – é importante; há quem chegue a dizer que é preciso usá-lo para diferenciar um “pastor-alemão” (o cão) de um pastor que tenha de fato vindo da Alemanha. O argumento não se sustenta, já que, exceto em exemplos inventados propositadamente para ilustrar a suposta confusão, o contexto jamais permitiria uma dúvida do tipo – prova disso é que a maioria das pessoas já escreve “pastor alemão”, tanto na Internet quanto em bons livros, sem que jamais tenha havido confusão.

Para concluir definitivamente, por fim, a inutilidade do hífen em “pastor alemão”, basta ver o nome da raça nas outras línguas europeias antes citadas: em inglês, German shepherd; em espanhol, pastor alemán; em francês, berger allemand; em italiano, pastore tedesco. Em nenhuma dessas línguas se usa hífen no nome da raça.

Não é possível que os falantes de português sejam os únicos do mundo a precisar de um hífen para entender, em cada contexto, se se está falando de um cão ou de um ser humano de origem alemã.

“Boas festas” não leva hífen – ao desejar boas festas, use sempre sem hífen

(Adendo: logo após esta postagem, o dicionário Houaiss corrigiu o erro que havia no dicionário: o editor-chefe do Houaiss admitiu o erro e acaba de tirar o hífen, errado, que vinha em boas-festas como forma de cumprimento – ver abaixo.)

boas_festas

O jornal Correio Braziliense deve achar que estamos no Dia da Mentira, porque hoje compartilhou tuíte de sua consultora de português dizendo, simplesmente: “Boas-festas se escreve assim — com hífen”. Erro feio da consultora, erro grave do Correio Braziliense: na verdade, boas festas não leva hífen.

Sempre que for desejar boas festas a alguém, o correto é sem hífen: “Boas festas!” – do mesmo modo que se escreve “Bom dia”, “Boa tarde”, “Boa noite”, sempre sem hífen.

A regra é tão simples que deveríamos parar por aí – boas festas, boa noite, bom dia não levam hífen, ponto. Isso porque isso cobre quase 100% dos casos em que se escrevem as expressões “boas festas” e “boa noite”, “bom dia”, “boa tarde”…

A confusão da consultora deve vir do fato de que até existe um único caso em que pode ser correto usar hífen em “boas-festas” (e em “bom-dia”, etc.) – mas nunca quando se está desejando algo a alguém. A tal exceção é quando se toma a frase toda como um substantivo – mas isso não se restringe a “boas festas”, aplicando-se na verdade a qualquer frase tomada como um substantivo:

João me deu um boa-noite seco.

Não aguento mais ouvir a Helena repetindo feliz-natal-e-próspero-ano-novo vinte vezes por dia.

Abra a porta, só vim te dizer boas-festas.

Em todos esses casos, porém, o hífen poderia ser trocado por aspas – o que é mesmo a forma mais comum hoje em dia:

João me deu um “boa noite” seco.

Não aguento mais ouvir a Helena repetindo “feliz Natal e próspero ano novo” vinte vezes por dia.

Abra a porta, só vim te dizer “boas festas”.

Esse raríssimo caso em que o uso de hífen seria aceitável, como se viu, nada tem a ver especificamente com a expressão “boas festas” – e é um caso tão raro e específico que mais vale a pena não mencioná-lo, e simplesmente ensinar que “boas festas” não leva hífen, que é a regra geral.

Afinal, se a exceção faz até a consultora de português de um grande jornal se confundir e errar, é porque a menção a essa exceção tão peculiar de fato confunde.


Adendo: possivelmente o erro da consultora se deveu ao fato de, como muitas vezes ocorre com consultores linguísticos, ter confiado cegamente no Houaiss e tratado o dicionário como palavra divina, sem saber, como sabemos todos os visitantes daqui da página, que o Houaiss, como todo grande dicionário, tem centenas de erros. Logo após fazer a postagem aqui, alertei o coautor e atual responsável pelo Houaiss, Mauro Villar, do erro, que prontamente respondeu admitindo o erro e informando que já fez a correção sugerida por esta página:

IMG_9608

Papua Nova Guiné: com ou sem hífen?

bd1f65e2bc57cc2a71bc271c5df08fdb

Uma boa mudança trazida pelo novo Acordo Ortográfico foi uma maior sistematização no uso dos hifens. O caso da Papua Nova Guiné, país situado ao norte da Austrália, era emblemático da confusão: embora o nome do país, em português, fosse “Papua-Nova Guiné“, era comum encontrar, em fontes sérias, grafias como “Papua Nova-Guiné“, ou mesmo “Papua-Nova-Guiné“.

Com o novo Acordo Ortográfico, não há dúvidas: como regra geral, determina o Acordo, os topônimos (nomes de lugares: países, estados, cidades, etc.) não levam hífen. Escreve-se, portanto, sempre sem hifens: Papua Nova Guiné.

 

Na nova ortografia, nomes de países se escrevem sem hífen

bd1f65e2bc57cc2a71bc271c5df08fdb.jpg

Em português, porto-riquenho escreve-se obrigatoriamente com hífen – mas Porto Rico, obrigatoriamente sem hífen.

Até poucos anos atrás, a questão do uso (ou não) dos hifens (sim, a palavra hífen tem acento, mas hifens, no plural, não tem) gerava muita confusão na hora de escrever nomes de países, regiões, estados, etc. O novo Acordo Ortográfico resolveu a questão: como regra geral, os topônimos (nomes de localidades: de países, estados, cidades, etc.) agora se escrevem sem hifens em português.

Assim, pela nova ortografia, escrevem-se sem hifens, por exemplo: Adis AbebaAntígua e BarbudaCabo VerdeBósnia e Herzegovina, Congo Brazzaville (denominação informal da República do Congo); Congo Kinshasa (denominação informal da República Democrática do Congo, o antigo Zaire); Dar es SalaamGuiné Equatorial; Hong Kong; Kuala Lumpur; Nova DelhiPapua Nova Guiné; Porto Príncipe; Santa Lúcia; São Vicente e Granadinas; São Cristóvão e NévisTel AvivTrinidad e Tobago; etc.

Os nomes de apenas dois países mantiveram os hifens, como exceções cujos nomes ficaram inscritos com hífen no próprio texto do Acordo, por serem precisamente dois dos países lusófonos signatários do Acordo: a Guiné-Bissau Timor-Leste.

Todos os demais, repita-se, escrevem-se agora sem hifens.

O mesmo se aplica a estados, cidades, etc.: Mato Grosso (e não *Mato-Grosso) – como São Paulo, Rio de Janeiro; ou, em Portugal: Beira Alta, Beira Baixa, Entre Douro e Minho, Vila Real; ou, em Angola: Lunda Sul, Lunda Norte, etc.

Por fim, o texto do Acordo fez ainda exceção explícita aos topônimos iniciados pelos adjetivos grã ou grão, ou por verbo, ou cujos elementos estejam ligados por artigo: Grã-Bretanha; Abre-Campo; Passa-Quatro, Trinca-Fortes; Montemor-o-Novo, Trás-os-Montes.

Em português, “porto-riquenho”, não *portorriquenho nem *portoriquenho

240_f_72979783_l5is0mgsr42tufxhwh71k7sr1nihdpto

O fato de o novo Acordo Ortográfico ter eliminado os hifens de muitos compostos (como anti-semita, que virou antissemita, e contra-regra, que virou contrarregra) tem levado muitas pessoas a usarem a palavra portorriquenho para se referir a quem nasce em Porto Rico. O espanhol também pode ser o culpado: em espanhol, escreve-se puertorriqueño ou portorriqueño. Em português, porém, o certo é escrever com hífen: porto-riquenho.

O texto do novo Acordo Ortográfico dispõe explicitamente que a “queda” de hifens na nova grafia não se aplica aos gentílicos – isto é, aos nomes que identificam as pessoas que nascem em um lugar específico ou os cidadãos de um lugar.

Em outras palavras, os adjetivos pátrios que se escreviam com hífen antes do Acordo Ortográfico continuam a escrever-se com hifens na nova ortografia: escreve-se norte-americano, e não *norteamericano; sul-coreano, e não sulcoreano; e porto-riquenho, e não *portorriquenho. 

Absurda é ainda a forma portoriquenho, que às vezes se vê – que não faz sentido em grafia alguma, uma vez que – tanto em português quanto em espanhol – um “r” entre duas vogais se lê como o r fraco de caro, e não como o r forte de carro.

“Mão de obra” não leva hífen na nova ortografia

untitled

Antigamente se escrevia mão-de-obra, com hifens. Já o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa determinou que “Nas locuções de qualquer tipo não se emprega em geral o hífen. Sirvam, pois, de exemplo de emprego sem hífen as seguintes locuções: cão de guarda, fim de semana, sala de jantar“. O uso do hífen ficou restrito às “palavras compostas por justaposição que não contêm formas de ligação” (como preposições).

Assim, na nova ortografia deve escrever-se mão de obra sem hífen – como se pode ver no Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de Letras (VOLP) e em todos os dicionários brasileiros, como o Aurélio, o Houaiss, o Michaelis e o Aulete, e também no Vocabulário Ortográfico Português (de uso oficial em Portugal), no Vocabulário Ortográfico da Academia de Lisboa (homóloga da nossa ABL) e em dicionários portugueses como os da Porto Editora.

“secretário-geral”, com hífen e minúsculas

image

Ao tempo em que um português é eleito secretário-geral das Nações Unidas – parabéns, Portugal! O ex-primeiro-ministro António Guterres sucederá, a partir de janeiro de 2017, ao sul-coreano Ban Ki-moon -, convém apenas recordar: secretário-geral  se escreve com hífen – e com minúsculas.

Como já explicamos em publicação anterior (releia-a aqui), a norma ortográfica anterior obrigava o uso de maiúsculas “nos nomes que designam altos cargos, dignidades ou postos: Papa, Cardeal, Arcebispo, Bispo, Patriarca, Vigário, Vigário-Geral, Presidente da República, Ministro da Educação, Governador do Estado, Embaixador, Almirantado, Secretário de Estado, etc.”. Essa regra foi revogada pela entrada em vigor do Acordo Ortográfico atual – de modo que todo e qualquer cargo ou posto, alto ou baixo, deve escrever-se com minúsculas: o secretário-geral, o embaixador, o governador, o ministro, o presidente.

(Se, porém, se decidir usar inicial maiúscula, por razões de estilo – por exemplo, numa placa, ou numa carta endereçada a ele, devem ambas as palavras ir com maiúsculas, e não só a primeira: “Secretário-Geral“, e não *Secretário-geralveja aqui por quê. A combinação maiúscula-minúscula, Secretário-geral, só poderia ocorrer no começo de uma frase, em que o “S” somente viria em maiúscula por iniciar a frase.)

Quanto ao hífen: apesar de, tradicionalmente, as combinações de substantivo + adjetivo não exigirem hífen (“bom senso“, “senso comum“, “professor titular”, “secretário executivo“, etc. – e mesmo “greve geral“, “reunião geral”, “limpeza geral“, “assembleia geral), uma exceção consagrada são os nomes de cargos e instituições formados com o adjetivo “geral” – que, por convenção, se escrevem com hifens: procuradoria-geralprocurador-geralconsulado-geralcônsul-geralsecretaria-geralsecretário-geral.

Assim, o correto é escrever que o português António Guterres assumirá, em janeiro de 2017, o cargo de secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU).