O certo é bolacha ou biscoito? No Brasil, é lei: biscoito e bolacha são sinônimos

bolachas.png

Uma discussão capaz de de exaltar ânimos, no Brasil, diz respeito a como chamar o alimento das fotos acima: bolachas ou biscoitos?

Qualquer exaltação de ânimos, porém, é injustificada: pela lei brasileira, biscoito e bolacha são sinônimos perfeitos; nenhum dos dois nomes é mais correto que o outro. São, pela lei brasileira, exatamente a mesma coisa, apenas com uso predominante em diferentes estados e regiões do Brasil.

Por resolução em vigor amparada pelo decreto-lei nº 986, de 1969, que instituiu as normas sobre alimentos no Brasil, a Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos determina que “Biscoito ou bolacha é o produto obtido pelo amassamento e cozimento conveniente de massa preparada com farinhas, amidos, féculas fermentadas, ou não, e outras substâncias alimentícias. O produto é designado por “biscoito” ou “bolacha”.

O que explica o uso de um ou outro termo é, simplesmente, a tradição regional. Uma das fronteiras linguísticas nessa área se dá entre os estados de São Paulo e Rio de Janeiro: enquanto paulistas dizem bolacha, os cariocas dizem biscoito – e argumentam em geral que prova de sua correção é o fato de os próprios produtores usarem a palavra “biscoito” nas embalagens. É um argumento que não se sustenta, porém; é certo que a maioria (mas não todos) dos grandes fabricantes usa, na embalagem, o termo “biscoito”, o que deve vir desde os anos do Rio como capital e principal centro de influência nacional; mas a verdade é que tanto Portugal quanto a maior parte do Brasil – tanto em território, quanto população ou PIB – usa hoje o termo bolacha – que, como já visto, é absolutamente equivalente do ponto de vista legal. Confira o mapa:

BISCOITO-BOLACHA

É interessante ver a divisão do país, que vai muito além de Rio versus São Paulo. A linha divisória passa pelo meio do estado de Minas Gerais, cuja metade sul e oeste falam bolacha – como São Paulo, toda a região Sul, os quatro estados do Centro-Oeste e a maior parte da região Norte. Já biscoito é a forma usada no Rio de Janeiro, Espírito Santo, Pará Amapá, Belo Horizonte e a metade norte e leste de Minas e quase toda a região Nordeste (com exceção do Rio Grande do Norte, onde predomina bolacha, e do Ceará, único estado em que a maioria dos respondentes afirmou ser indiferente o uso de bolacha ou biscoito).

No Pará, no Amapá e nos estados do Nordeste que chamam aquilo da foto de biscoito, criou-se mesmo uma particularização: bolacha, entre eles, designa as salgadas, e biscoito, os que são doces.

É interessante também que, embora seja um quadradinho dentro de Goiás, que fala bolacha, a nova capital Brasília mantém a tradição da anterior – muito provavelmente pela origem sobretudo nordestina de sua população – e fala biscoito. A qualquer carioca ou brasiliense que pense que isso conta como prova de que biscoito é forma preferível, porém, vale lembrar que em Portugal, pátria-mãe da língua, a forma usada em todo o país é bolacha – como se vê, por exemplo, nos supermercados portugueses:

na-briga-biscoito-x-bolacha-portugal-e-bolacha-2-21366-1496094352-2_dblbig

Ainda do ponto de vista linguístico, há duas observações que podem ser feitas sobre o tema: a primeira é que a dicotomia bolacha-biscoito acaba influenciando a fala de brasileiros mesmo quando não usam propriamente nenhuma das duas palavras. Como? Ao usar o nome das marcas da foto que abre este texto, por exemplo, um paulista (ou sulista, mato-grossense, amazonense) dirá que comprou “uma Bono“, “uma Passatempo“, “uma Negresco“, “uma Oreo” (ou seja, “uma bolacha Bono“, “uma bolacha Passatempo“), enquanto um carioca, capixaba ou pernambucano dirá, referindo-se aos produtos dessas marcas brasileiras, “um Bono“, “um Passatempo“, “um Negresco“, “um Oreo“.

O segundo debate linguístico suscitado pelo tema vem do relato de pessoas da área do Brasil que fala bolacha (a maior parte do Brasil) que afirmam conhecer pessoas que usam o termo “bolacha” no dia a dia, mas que, quando querem falar de forma mais “chique” – no trabalho, por exemplo -, usam “biscoito”.

Essa mudança forçada revela simplesmente ignorância, já que biscoito não é mais formal, nem mais correto, nem mais chique do que bolacha. Vê-se aí apenas mais um reflexo do fenômeno, já várias vezes abordado aqui na página, de hipercorreção: o mal da insegurança linguística que atinge muitos brasileiros, que faz que pensem que, “se eu normalmente falo assim, o mais ‘correto’ deve ser da outra forma“.

É o mesmo caso, como já vimos, dos brasileiros que falam “num” (forma corretíssima e a preferida de nossos melhores escritores), mas só escrevem “em um”, por a acharem mais chique. Não sejam cafonas: se falam “num” e “numa”, como todos os portugueses e os melhores escritores brasileiros, então façam como os portugueses (e nossos melhores escritores) e escrevam numnuma; do mesmo modo, se na sua região se diz bolacha, faça como os portugueses (e a maior parte dos brasileiros), e escreva e diga, em qualquer contexto, bolacha.

Bolacha ou biscoito, de uma vez por todas: os dois termos sendo sinônimos, perfeitamente corretos e intercambiáveis mesmo do ponto de vista legal, não há razão para evitar – ou preferir – um ou outro.