Pronúncia: Manchéster ou Mânchester?

220px-manchester_town_hall_from_lloyd_st

O recente atentado terrorista em Manchester, na Inglaterra, fez que o nome dessa cidade inglesa fosse citado ao longo da semana em todos os principais telejornais. Pouco habituados a tratar da cidade em outras situações, os repórteres brasileiros se referiram a ela com a pronúncia “Mânchester“, proparoxítona.

Em português, porém, o nome da cidade inglesa tradicionalmente sempre se pronunciou Manchéster – uma paroxítona, como a maioria das palavras portuguesas e aportuguesadas.

Era a lição, por exemplo, de Silveira Bueno, que em sua gramática, trazia o nome da cidade como exemplo de palavra paroxítona:

Página 35

Como prova da pronúncia tradicional paroxítona em português, o nome da cidade aparecia mesmo acentuado (“Manchéster”) em obras de renome como a Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira e na compilação Obras de Eça de Queiroz, e mesmo em outras gramáticas antigas.

Terá sido sem dúvidas a popularidade do time de futebol da cidade – conhecido internacionalmente, inclusive em português, por seu nome original em inglês, Manchester United – o que fez que a pronúncia à inglesa, proparoxítona (“Mânchester“) tenha se disseminado no Brasil.

Uso do artigo definido com nomes de países – lista de países

Sans titre

Por que é que se diz “no Brasil”, “do Brasil”, mas “em Portugal”, “de Portugal”? Por que se diz “na Alemanha”, “na Áustria”, “na Hungria”, mas “em Angola” ou “em Singapura”? Nesses casos, infelizmente, não há explicação para cada caso. No que tange ao uso de artigo definido com o nome de países, a regra, em português, é seguir o uso e a tradição da língua.

Em regra geral, o normal é que os nomes de países levem artigo definido em português. Por isso, não se deve dizer que algo ocorreu “em Gâmbia“, ou “em Zâmbia“, ou “em Benim” (ou, pior ainda, “em Benin“), ou “em Brunei“, “em Malawi“, “em Papua Nova Guiné“, “em Serra Leoa“, “em Guiné-Bissau“, etc.

O certo, nesses casos citados, é usar o artigo: na Gâmbia, na Zâmbia, no Benim, no Brunei, no Malawi, na Papua Nova Guiné, na Serra Leoa, na Guiné-Bissau, etc.

Essa regra geral se aplica à maioria dos países do mundo. Assim, do mesmo modo que se diz “o Brasil”, “a Argentina” e “o México”, diz-se também: o Afeganistão, a África do Sul, a Albânia, a Alemanha, a Arábia Saudita, a Argélia, a Argentina, a Austrália, a Áustria, o Azerbaijão, as Bahamas, o Barém (ou Bahrein), a Belarus, a Bélgica, o Benim, a Bolívia, o Botsuana, o Butão, os Camarões, o Camboja, o Canadá, o Cazaquistão, o Chade, o Chile, a China, a Colômbia, as Comores, o Congo, a Coreia, a Costa do Marfim, a Costa Rica, a Croácia, a Dinamarca, a Dominica, o Egito, o Equador, a Eritreia, a Eslováquia, a Eslovênia, a Espanha, os Estados Unidos, a Etiópia, as Filipinas, a Finlândia, a França, o Gabão, a Gâmbia, a Geórgia, a Grécia, a Guiné, a Guiné-Bissau, a Guiné Equatorial, o Haiti, a Hungria, o Iêmen, as Ilhas Cook, as Ilhas Marshall, as Ilhas Salomão, a Índia, a Indonésia, o Irã, o Iraque, a Itália, a Jamaica, o Japão, a Jordânia, o Kiribati, o Kosovoo Kuwait, o Laos, o Lesoto, a Letônia, o Líbano, a Libéria, a Líbia, o Liechtenstein, a Lituânia, a Macedônia, o Malawi, as Maldivas, o Mali, a Moldova, a Papua Nova Guiné, o Quênia, o Quirguistão, as Seicheles, o Senegal, a Serra Leoa, a Sérvia, a Síria, a Somália, o Sri Lanka, a Suazilândia, a Suécia, a Suíça, o Sudão, o Suriname, a Tanzânia, o Tajiquistão, o Togo, a Tunísia, o Turcomenistão, a Turquia, a Ucrânia, o Uruguai, o Uzbequistão, o Vaticano, a Zâmbia, o Zimbábue, etc.

Há, porém, um número reduzido de países cujos nomes não admitem artigo definido em português. É o caso de Portugal, por exemplo. Não existe uma explicação satisfatoriamente lógica quanto a por que Portugal e outros países não levam artigo, enquanto a maioria leva. Nesses casos, a regra é seguir o uso e a tradição. Assim, é errado dizer, por exemplo, “na Angola”, “da Angola”, porque a tradição em português é não usar artigo com Angola: o correto é “em Angola”, “de Angola”.

(No caso de Angola, além da própria tradição da língua há o fato de que se trata de um país cuja língua oficial é o português – e o nome oficial do país, em português, é República de Angola, não “da Angola”. Do mesmo modo, Timor-Leste, também um país em que o português é língua oficial, rejeita o artigo: seu nome oficial é República Democrática de Timor-Leste, e seus habitantes, assim como os portugueses, dizem sempre “em Timor”, “de Timor”, “em Timor-Leste”).

Usam-se, assim, sem artigo: em Angola, em Antígua e Barbuda, em Belize, em Cabo Verde, em Chipre, em Cuba, em El Salvador, em Granada, em Honduras, em Israel, em Madagascar, em Malta, em Moçambique, em Myanmar, em Nauru, em Niue, em Omã, em Palau, em Santa Lúcia, em São Cristóvão e Névis, em São Vicente e Granadinas, em São Tomé e Príncipe, em Singapura, em Taiwan, em Timor-Leste, em Tonga, em Tuvalu, em Vanuatu.

Como se vê, são, em grande parte, ilhas (Cuba, Malta, Niue, Singapura, Tuvalu…), mas há exceções, de modo que a única regra que se pode estabelecer é a do uso tradicional na história da língua.

Há ainda alguns países cujo uso é discrepante entre o Brasil e Portugal – são países com que os portugueses usam o artigo, e os brasileiros não:

  • portugueses dizem “nas Honduras”, “nas Fiji”, “no Gana”, “no Ruanda”, “no Uganda”‘, “no Luxemburgo”, “no Mónaco”, “no Montenegro”, “na Maurícia“;
  • enquanto os brasileiros dizem “em Honduras”, “em Fiji”, “em Gana”, “em Ruanda”, “em Uganda”, “em Luxemburgo”, “em Mônaco”, “em Montenegro”, “em Maurício“.

No caso de Marrocos, ocorre o contrário: os portugueses dizem “em Marrocos”, enquanto no Brasil se diz “no Marrocos”.

E há, por fim, alguns poucos nomes que, em Portugal, tal como em português antigo, podem ocorrer sem artigo quando regidos por preposição: em Espanha, em França, em Inglaterra, em Holanda, em África, e outros poucos mais. No Brasil, usam-se hoje sempre com artigo: na Espanha, na França, na Inglaterra, na Holanda, na África.

“No Marrocos” ou “em Marrocos”?

marrakesh_

O correto é “em Marrocos” ou “no Marrocos”? Em outras palavras, o nome do país Marrocos leva artigo? As duas opções estão corretas: no Brasil, usa-se com artigo: o Marrocos, no Marrocos, do Marrocos; em Portugal, usa-se sem: em Marrocos, de Marrocos.

Mas por que essa diferença? Há uma explicação:

Como regra geral, os nomes de países levam artigo em português: a África do Sul, a Argentina, a China, a Colômbia, a Eritreia, o Japão, o México, a Zâmbia (há, porém, exceções, como Portugal); e, como regral geral, os nomes de cidades, em português, não levam artigo: diz-se “em São Paulo”, “em Brasília”, “em Lisboa”, “em Maputo” (há, também um pequeno número de exceções, como o Rio de Janeiro).

No caso de/do Marrocos, a questão é justamente que o mesmo nome, “Marrocos”, originalmente designava, em português, uma cidade – a atual Marraquexe (Marrakech) -, e posteriormente tornou-se o nome aplicado a todo o país.

Sim, tanto a palavra “Marrocos” quanto “Marrakech” têm a mesma origem, e é a atual cidade de Marraquexe que primeiro recebeu o nome, em português, de Marrocos; os portugueses chamavam de Marrocos a principal cidade dos antigos reinos muçulmanos do noroeste da África; chamava-se, assim, Reino de Marrocos ao reino centrado na cidade que os portugueses chamavam Marrocos, e os franceses, Marrakech.

Com a evolução da política local – o surgimento do país com suas feições modernas – e o passar do tempo, os portugueses passaram a usar o nome “Marrocos” apenas para se referirem ao país, e, para se referirem à cidade, a fim de evitar ambiguidade, foram cada vez mais adotando o nome francês, Marrakech.

Pelo contato próximo que sempre mantiveram com aquele país, porém, os portugueses mantiveram para com o nome do país o tratamento que sempre haviam dado ao nome, mesmo quando se referia apenas a uma cidade – o uso sem artigo: em Marrocos, de Marrocos.

Já os brasileiros, cujo contato com o reino árabe era muito menor, não tinham por que não acabar por “regularizar” o tratamento dado ao nome do país: do mesmo que modo que “o Egito”, “o Sudão”, “o Congo”, “o Chade”… “o Marrocos”.

Já à época do Brasil Império, no início de 1889,  encontra-se exemplo, no “Annuario publicado pelo Imperial Observatorio do Rio de Janeiro“, do uso com artigo:

Página 15

É esse (“o Marrocos”, “no Marrocos”, “do Marrocos”) o uso oficial no Brasil, que se vê tanto em órgãos governamentais quanto na imprensa e, entre outros, no dicionário Houaiss (verbete “marroquino”), ao passo que, em Portugal, mantém-se o uso histórico, sem artigo (“em Marrocos”).

Papua Nova Guiné: com ou sem hífen?

bd1f65e2bc57cc2a71bc271c5df08fdb

Uma boa mudança trazida pelo novo Acordo Ortográfico foi uma maior sistematização no uso dos hifens. O caso da Papua Nova Guiné, país situado ao norte da Austrália, era emblemático da confusão: embora o nome do país, em português, fosse “Papua-Nova Guiné“, era comum encontrar, em fontes sérias, grafias como “Papua Nova-Guiné“, ou mesmo “Papua-Nova-Guiné“.

Com o novo Acordo Ortográfico, não há dúvidas: como regra geral, determina o Acordo, os topônimos (nomes de lugares: países, estados, cidades, etc.) não levam hífen. Escreve-se, portanto, sempre sem hifens: Papua Nova Guiné.

 

Ipuiuna ou Ipuiúna? A grafia de Ipuiuna, Minas Gerais

brasao-ipuiuna

Ipuiuna ou Ipuiúna? Um leitor mineiro pergunta se o nome da cidade de Ipuiuna, em Minas Gerais, deve ser escrito com ou sem acento agudo. Diz que, nos seus dicionários (Aurélio e Houaiss), encontra, no verbete ipuiunense, o nome acentuado (Ipuíuna), mas que não concorda com a necessidade desse acento.

O leitor está correto: Ipuiuna não leva acento. A grafia Ipuiúna, com acento, é a grafia antiga – até o Acordo Ortográfico atual entrar em vigor, era acentuado, no Brasil, o “u” tônico seguido de ditongo: feiúra, baiúcaBocaiúva, etc., que, na nova ortografia, se escrevem feiurabaiucaBocaiuva, sem acento. Foi uma boa mudança da reforma ortográfica – não havia necessidade daqueles acentos.

Como a mudança é relativamente recente, ainda se encontra de vez em quando a grafia antiga (Ipuiúna), mas cada vez menos. Os jornais e órgãos públicos ipuiunenses já usam a forma sem acento, Ipuiuna (fora alguns resquícios de conteúdos antigos).

O Houaiss em papel, de fato, ainda traz Ipuiúna com acento, erradamente; mas a versão eletrônica do Houaiss, atualizada na Internet, já traz a forma correta:

sem-tc3adtulo1

O fato de mesmo dicionários de renome como o Aurélio e o Houaiss trazerem o nome de uma cidade escrito errado não deveria surpreender: em diferentes textos anteriores aqui na página, tratamos de casos de cidades cujos nomes vêm escritos de forma errada nos principais dicionários brasileiros – Bagé, Lages, Joinville, Chuí, Mogi das Cruzes, ParatyMassaranduba, Pirassununga, etc. Foi por essa razão que criamos a página Dicionário de gentílicos brasileiros, feita para ser o que até então não havia – uma fonte confiável dos nomes de cidades brasileiros e seus gentílicos, devidamente verificados e confirmados mediantes fontes oficiais.

E a página tem dado resultado: desde a publicação deste texto, do ano passado, em que apontamos grafias erradas constantes dos principais dicionários brasileiros, o dicionário Houaiss já fez a correção, em sua versão eletrônica, de quase todas essas formas que estavam escritas incorretamente e que haviam sido apontadas aqui na página (Bagé, Lages, Joinville, Chuí, Mogi das Cruzes, Paraty, Massaranduba, Pirassununga)… além da já mencionada Ipuiuna.

Quem nasce em São Pedro da Aldeia é aldeense

13220733_1739297319659759_1832928783908039363_o-1

Nos comentários de hoje, um leitor da cidade de São Pedro da Aldeia, no estado do Rio de Janeiro, pergunta como se chama, afinal, quem nasce em sua cidade (ou seja, qual é o gentílico de São Pedro da Aldeia): queria saber se o certo é “aldeiense“, como trazem dicionários brasileiros, ou “aldeense“, como se usa na cidade.

O certo é aldeense. Como já vimos aqui tantas outras vezes, os dicionários brasileiros são atualmente uma péssima fonte de consulta no que concerne aos nomes de cidades brasileiras e gentílicos – em geral, desatualizados há décadas.

O que determina o gentílico a ser usado em português, para cidades do Brasil (ou de qualquer outro país de língua portugesa), só pode ser, é claro, o uso oficial. E o termo usado oficialmente pela cidade é aldeense.

Como mostra a placa comemorativa acima, o poder legislativo do município de São Pedro da Aldeia confere a ilustres visitantes o título de “cidadão aldeense”. Do mesmo modo, a prefeitura da cidade (poder executivo) só usa a forma aldeense (e não *aldeiense).

E, nesse caso, o erro dos dicionários não tem nem explicação: aldeense segue a formação etimológica dos derivados de “aldeia”, que normalmente perdem o “i” (como aldeão, aldeãaldeamento) e, por outro lado, aldeense é também a única forma aceita pelo Vocabulário Ortográfica da Academia Brasileira de Letras e pelo Vocabulário Ortográfico Comum da CPLP.

Foi justamente pela deficiência dos dicionários brasileiros hoje no que tange a gentílicos que criamos o Dicionário de gentílicos do Brasil. Todas as formas ali identificadas foram verificadas e reverificadas por nossa equipe, e são as formas oficiais pelas quais são chamados os cidadãos dos estados e municípios brasileiros.

Madri ou Madrid? Na nova ortografia, o certo é sempre Madrid

madrid

Pelo menos uma coisa a coordenadora Patrícia Lima Ferraz, que tirou licença médica e foi passear na Espanha, fez certo: escreveu corretamente o nome da capital espanhola, Madrid – com “d”,  como manda explicitamente o Acordo Ortográfico vigente (e não como, erroneamente, ainda escreve a imprensa brasileira, que se meteu a aplicar o Acordo, mas dele só leu o resuminho).

Qualquer pessoa que diga que o Acordo Ortográfico admite as duas formas – Madrid e Madri – ou não leu o texto do Acordo, ou, se o leu, entendeu exatamente o contrário do que está claramente escrito. Porque o texto do Acordo (vejam aqui a versão oficial, publicada na página do Palácio do Planalto) é explícito:


“5º) As consoantes finais grafadas b, c, d, g e t mantêm-se, quer sejam mudas, quer proferidas, nas formas onomásticas em que o uso as consagrou, nomeadamente antropônimos [nomes de pessoas] e topônimos [nomes de lugares] da tradição bíblica: Jacob, Job, Moab, Isaac; David, Gad; Gog, Magog; Bensabat, Josafat. 

Integram-se também nesta forma: Cid, em que o d é sempre pronunciado; Madrid e Valhadolid, em que o d ora é pronunciado, ora não; e Calecut ou Calicut, em que o t se encontra nas mesmas condições. 

Nada impede, entretanto, que dos antropônimos em apreço sejam usados sem a consoante final Jó, Davi e Jacó.”


Não há outra interpretação possível: o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, aprovado pelo Congresso Nacional e com força de lei no Brasil, determina que, independentemente de o “d” de Madrid ser pronunciado ou não, deve-se escrever Madrid.