Palavras da Galiza

1280px-bandeira_de_galicia_no_pazo_de_raxoi

Esta página reúne palavras típicas da Galiza, isto é, vocabulário galego típico. A maior parte das palavras listada também se usa ao menos regionalmente em países lusófonos, sobretudo no norte de Portugal:

acougo: sossego

acougar: sossegar

adoitar: costumar, ter por costume

aginha: rapidamente; logo

aldraje: ultraje, injúria

alugueiro: aluguel

alviscar: enxergar, começar a ver

amorodo: morango

anaco: pedaço

anho: cordeiro

ânima: alma

aperta (s.m.): abraço

asinha: rapidamente; logo

assejar: espreitar

avelainha: mariposa, traça

axejar: espreitar

ázio: cacho (de uvas)

bágoa: lágrima

brêtema: névoa; chuva

briço: viçoso

cabaça: abóbora

calacu: abóbora

caluga: nuca, cogote, costas

castrapo: portunhol

cativo: criança

cuxo: bezerro, cria da vaca

cabuxo: 1. cabrito, cria da cabra; 2. raiva, mau humor, enfado

cágado: girino

chucho: beijo

congoxa: angústia

crego: clérigo

deda: dedo do pé

encabuxar, encabuxar-se: irritar; ficar bravo

enxebre: sem mistura, puro

eslaquizar, esnaquizar: despedaçar, fazer em pedaços (nacos)

façula: bochecha

fento: samambaia

fervença: catarata, cachoeira

geonlho: joelho

golpe: raposa-vermelha, raposa (Vulpes vulpes)

javaril, javarim: javali

laquizo: pedaço

léria: blablablá, falatório; brincadeira

lôstrego: relâmpago

mália: apesar de

maniotas: dores nos músculos que surgem após exercício físico

maruxia: maresia

meiga: bruxa

meigo: bruxo

meirande: maior

mentres: enquanto

mercar: comprar

moa: dente

moxete: beliscão

mungir: ordenhar

muxica: chispa, faísca

nai: mãe

quiçais: quiçá, talvez, quem sabe

quiçabes: quiçá, talvez, quem sabemazas.jpg

papanduxa (ou papanduxo): maçã assada no forno

pardejo: pardal

pataca: batata

pechar: fechar

perfeba: cílio, pestana

peto: pica-pau

ponher: pôr

porcoril: cruzamento de porco com javali; javaporco

renher: repreender

rifar: brigar

sapo-concho: cágado

tirabeque: ervilha

u: onde

ulo: onde está ele

umedém: umidade

vacuxo: bezerro

verbo de: acerca de, sobre

xácia: sereia de rio

xato: bezerro, cria da vaca

xurdimento: surgimento

xurdir: surgirimg_4861

xuxo: doce de massa fermentada enrolada e recheada de creme

36 comentários sobre “Palavras da Galiza

  1. Primeiro, a AGLP xa se adicou á tarefa de reuni-lo léxico da Galiza (https://www.academiagalega.org/publicacoes/lexico-da-galiza.html).
    Segundo, se fas uma seção de palavras da Galiza; polo menos inclui palavras que não apareçam nesse léxico. Exemplos: che, moi, ca, coma, castelam/castelão, auga, larpeirada, labaçada, acó, aló, acolá, adicar, xalundes, poboação/poboar, calonha (calúnia), meirande (maior/mor), chiar (as adaptações galegas do Twitter), anaco (equivalente de cacho ou bocado), hogano (actualmente, este ano)… ou as do Dicionário galego de futebol (http://www.agal-gz.org/corporativo/images/stories/pdf/dicgalfut.pdf) coma canear, escordadura, fungueiraço, furo, furolo e rebúmbio. E porque arestora não se me ocorrem mais exemplos, que se não poderia ocupar todo o comentário.
    Outrosi estão “feito” e “verbo de”.
    Feito/facto/fato são variantes duma mesma palavra. Mais, a palavra evoluiu de distinto jeito na Galiza, en Portugal e no Brasil a partir da raíz latina factu. Os portugueses foron os mais conservadores, por dicilo dalgum jeito. Simplemente, trocaron o u polo o. No Brasil, caiu o c intervocálico; como pasou em moitas outras palavras. Mentres, na Galiza não sei moi bem o que pasou (não sei como evoluem as palavras do latín pró português nem pra nenguma outra língua), mais o u final trocouse polo o e o “ac” trocouse polo “ei”. Não sei moi bem porque.
    “Verbo de” é uma expresão galega que é sinónimo de “acerca de”, “sobre”, “com respeito de”… Pode-se pesquisar no dicionário da Real Academia Galega. Tamém aparece nos comentários deste artigo https://dubidasdogalego.wordpress.com/2012/12/14/encol-de/.
    Outra palavra que não sei se tem a mesma aceção no português ca no galego é “pulo”. Acó é sinónimo de “impulso” e de “salto”/”chouto”/”chimpo”/”brinco”/”pincho”.
    Tamém che faltou inclui-la “pataca” (recollida no Estraviz), um dos alimentos co que mais nos identificamos os galegos. Nos países lusófonos, penso que a este tubérculo lhe chamades “batata” (não sei se hai alguma excecão).
    Terceiro, a Galiza está dividida em 3 grandes blocos linguisticos (https://gl.wikipedia.org/wiki/%C3%81reas_ling%C3%BC%C3%ADsticas_do_galego, http://consellodacultura.gal/arquivos/asg/anosafala.php, http://auladelingua.blogaliza.org/unidades-didacticas/variedades-dialectais/, http://www.edu.xunta.gal/centros/ieschapela/node/151, http://www.blogoteca.com/pontecesuresgalego/index.php?cod=107431). “Nai” é a forma normativa e a que se di no bloco occidental. No bloco central di-se “mai”. No bloco oriental, não sei; mais suponho que eles não dim nai (dirám mai ou madre). Se inclúes nai, tamém terias de incluir “ti” (a metade occidental da Galiza di “ti” e a metade oriental di “tu”), catro/cal (só nas partes limítrofes con Portugal dim quatro/qual), moito/loitar/escoitar (só em pequenas zonas da Galiza dim muito/muto/lutar/escutar… http://webspersoais.usc.es/export/sites/default/persoais/henrique.monteagudo/Descargas/Gran_Enciclopedia_Galega.pdf e http://www.slideshare.net/landin/bloques-e-reas-lingsticas-do-galego-noem-paz). O caso é que “nai” só é uma variedade; não é uma palavra característica de toda a Galiza (só de meia Galiza, ainda que isso si, é a metade mais poboada da Galiza; xa que ai estão as cidades da Corunha, Santiago de Compostela, Vigo e Pontevedra). De feito, se um dia mudassem a normativa e a forma normativa pasase a ser mãe; pois penso que deixaria bem satisfeitos aos do bloco central e oriental (Lugo, Ourense, Ancares, Courel…). Engado uma cousa dos mapas linguísticos: no bloque central di-se irmao/irmau, mao/mau…
    E quarto, deixo-che um enlace á blogues que tratan da língua galega que penso que che poden ajudar pra fazer essa entrada (se é que não conhecias esses blogues):
    https://dubidasdogalego.wordpress.com/
    https://debullandoafala.blogspot.com.es/
    https://estensiondogalego.wordpress.com/
    http://ciberdubidas.blogspot.com.es/

    Curtido por 1 pessoa

    • Gratíssimo, galego, vou ver tudo com curiosidade. Conheço o vocabulário da Galiza, mas, justamente por tê-lo achado deficiente e com erros inaceitáveis, preferi começar, devagar, uma versão nossa. O que me surpreendeu (negativamente) no vocabulário da Academia Galega foi o excesso de “hiperenxebrismos” gráficos: um monte de ç/j/g onde claramente deviam ser z/x, e vários v por b e b por v, que aparentemente a Academia substituiu para ficar o mais diferentes possível da normativa oficialista galega. Falo, por exemplo, de abondo (normativa oficialista galega e idêntico em português e a que mais faz lógica etimologicamente, mas que a Academia quis escrever avondo apenas para diferenciar-se), corniçó/cornizó, idem; briza; brancuxo; papanduxa; biosbardo; etc.

      Curtido por 1 pessoa

      • Pode que o reintegracionismo estea a ir um pouco longe nisso de querer diferenciarse do galego oficial. Ou mais bem, algumas pessoas em concreto. Em todo o caso, o vocabulário serve como base. Digo como “base”, porque como xa apontei eu antes e como apontaches ti, tem erros e fáltanlhe palabras. Mais, é uma base dende (no galego estão admitidos desde/dende/des, esta última pouco usada) a que começar. Sempre é melhor isso ca rem.
        O de “abondo” tamém é recolhido polo Estraviz e etimologicamente seria o correto. Mais não entendo porque o mesmo Estraviz e o Priberam tamém recolhem “avondo”.
        Cal é o critério que utilizades no português pra diferencialos b dos v? Pronunciades de distinto jeito estas letras? Na Galiza, não diferenciamos entre o b e o v; co cal estabelecimos como critério a etimologia, como se pode ver no punto 1.1 das “Normas ortográficas e morfolóxicas do idioma galego: http://academia.gal/documents/10157/704901/Normas+ortogr%C3%A1ficas+e+morfol%C3%B3xicas+do+idioma+galego.pdf. Porém, no português não é assi; e isso a erros desse tipo.
        Um termo parecido a “idem” existente na Galiza (ou nalgumas zonas da Galiza, diria eu) é “ite” (http://portaldaspalabras.gal/lexico/palabra-asinada/ite/). Penso que esta palabra é um regionalismo na Galiza, como se pode deducir ao ler este artigo. Eu nunca a escoitei, mais eu não som de Aguiño, nem dessa zona (nem de perto). Tampouco a escoitei na tele e na rádio, xa que se não aparece nos dicionários, libros ou obras linguísticas, quem vai conhecela sua existência. Não está moi extendido o seu uso, não, mais é uma palabra bonita e hai que tentar recuperala.
        Depois, tamém está “ouricela” (http://portaldaspalabras.gal/lexico/palabra-asinada/ouricela/). Penso que no “Portal das palabras” podes atopar artigos linguisticamente úteis. É uma página ligada á Real Academia Galega, como poderás ver.

        Curtido por 1 pessoa

        • Caro galego, interessante o ite de vocês – parece-me que quando dizem “quedamos ites”, nós diríamos “ficamos quites”. A ouricela acabo de identificá-la – vou ver se escrevo a respeito, é de fato uma linda palavra que não se pode perder. Quanto aos usos do b/v, guiamo-nos pela pronúncia, já que em português (como em francês, inglês, italiano, etc.), b e v soam sempre diferente. Em alguns poucos casos se admitem duas grafias, porque existem as duas pronúncias (como assobiar / assoviar).

          Curtido por 1 pessoa

  2. Um anho não é um carneiro; é uma cria de ovelha (e tamém de carneiro, claro, mais é uma cria). Esta definição tamém está recolhida no Aurélio, no Priberam, no Estraviz, no dicionário da RAG, na minha casa…
    Inclui a “perfeba”, sinónimo de “pestana”; como bem recolhe o Estraviz. E o verbo “encabuxar” (ou “encabujar”, que é a forma que trague o Estraviz), que se forma coa segunda aceção de “cabuxo”.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Por agora, vas bem. Segue assi.
    Mais, um apontamento. Na Galiza, amais de fento, tamém se di fieito e felgo (e, incluso, “folgueira”; segundo o dicionário da RAG, ainda que desconheço este termo). Na minha zona, por exemplo, dizemos “felgo”. Noutras dim “fieito”, noutras “fento” e suponho que tamém haverá zonas nas que a forma predominante é “folgueira”.
    Pódese entende-la grande cantidade de palavras pra um mesmo termo, tendo en conta que na Galiza hai moito monte. E que hai nos montes? Pois eucalipto, pinheiro, carbalho, castinheiro, felgo, toxo…

    Curtido por 1 pessoa

  4. Vulpes vulpes – raposa-vermelha (ou raposo comum). A mais, na Galiza tamém se lhe chama “golpe”. Hai zonas onde a este animal se lhe chama “golpe” e outras nas que se lhe chama “raposo”; na minha zona dizemos “golpe”. Podes consultar este termo no Estraviz, ou podes consultalo artigo do raposo comum na Galipedia (a Wikipédia en galego) e nestoutro artigo (http://www.blogoteca.com/coamarea/index.php?cod=110142).

    Curtido por 1 pessoa

  5. xácia = sereia
    Bem, não exatamente. Malia que são a mesma espécie (ou quase); há uma diferença entre elas e é que as sereias adoitam viver na auga salgada, no mar; mentres que as xácias vivem na auga doce, nos rios.
    Ainda que, isso sim, “sereia” é o termo mais parecido que se pode atopar. A não ser que lhe ponhas “sereia que habita nos rios”.

    Curtido por 1 pessoa

  6. Xa que estamos a piques de chegar ao Nadal (acó polo menos. Como no Brasil estades no verão; não sei), as panjolinhas (panxoliñas, na normativa oficial do galego) são um termo exclusivo da Galiza ou existe noutros lugares da lusofonia? São um sinónimo de vilancico.

    Curtir

  7. Podes fazer um artigo verbo do verbo “soer”. No Priberam pom que é pouco usado. Nom conheço a situaçom de Portugal, do Brasil, Angola… mais na Galiza iste verbo é bastante usada, mais ca “adoitar”; diria eu. Contudo, o seu uso considera-se ũa influência do castelão, um castelanismo. De feito, ista forma nom é normativa; apenas “adoitar”.

    Curtir

  8. Eu não sei se os portugueses soem dizer ou escrever soer; os brasileiros não o soemos escrever, embora não nos seja desconhecido e, de fato, nos faça, ou me faça lembrar lembrar o soler espanhol. Também não soemos dizer nem escrever saber no sentido de ter sabor, como em “Este doce sabe a limão”, ou “Soer sabe a português arcaico”. Eu sou da opinião que nos soem saber a velharias aquelas palavras que não usamos, mas podemos resgatá-las e dar-lhes nova vida. No blogue do Guégués alguém descobriu uma palavra antiga que tradu o neologismo inglês downburst: bulcão. Pronto: renasceu, mas só terá longa nova vida se se usar.

    Curtido por 1 pessoa

    • O que nom acabo de ter claro é se se deveria escrever “peirão” ou “peirau”. A pronúncia é ista última; ò igual ca pau, bacalhau e (na minha zona) irmau, mau…
      Na ortografia da RAG é “peirao”, o Estraviz recolhe “peirão” e a AEG di que tem de ser “peirau”.
      Entendo que o ditongo -ão indica que ũa palavra se deve pronunciar -au. Isse til, se nom me trabuco, fai referência ò n latino que se perdeu. Por isso grafamos “pau” e nom “pão” ou “bacalhau” e nom “bacalhão”, já que aí nom se perdeu nengum “n” da etimologia original. O probrema é isse: Cal é a etimologia de “peirau”? Nom avendo nengũa certeza e suponhendo que puido ter nacido ou que puido manter-se até os tempos odiernos pola sua similitude com “nau” (como indica a AEG), acho que o máis lógico é grafar “peirau”.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s