Campi ou câmpus? O aportuguesamento de campus é câmpus, com acento (o câmpus, os câmpus)

Deve-se escrever “o campus” ou “o câmpus”, com acento? O plural é “os câmpus” ou “os campi”?

A grafia aportuguesada câmpus, idêntica para o singular e o plural, está já incluída no Dicionário Houaiss, no Vocabulário Ortográfico Atualizado da Língua Portuguesa, e é recomendada oficialmente, desde 2011, pelo Ministério da Educação brasileira, em substituição às formas latinas campuscampi. O aportuguesamento câmpus, ademais, está legitimado pelo uso feito pelas principais universidades brasileiras, como a USP, a UnB, a UNESP, entre outras, bem como pela imprensa.

Campus” é uma palavra estrangeira – originalmente do latim, embora o uso que há décadas se faz em português, de “conjunto de prédios e terrenos de uma universidade”, provenha do inglês americano.

Em latim, o substantivo campus tinha o plural campi – da mesma forma que a palavra latina forum tinha o plural fora, e memorandum curriculum tinham como plurais memorandacurricula.

Na medida em que cresceu seu uso na língua portuguesa, porém, essas palavras acabaram aportuguesadas: forum virou fórum, com acento para indicar a pronúncia paroxítona de uma palavra terminada em “um”; ao passo que memorandum curriculum viraram memorando e currículo, com a terminação “-o”.

No momento em que se tornam palavras portuguesas, fórum, memorando e currículo, ganham também, naturalmente, plurais regulares: o fórum, os fóruns; o memorando, os memorandos; o currículo, os currículos.

O mesmo processo ocorre com campus: por ser palavra paroxítona terminada em “us”, a palavra exige acento em português: câmpus. No plural, desaparece o latinismo campi, em favor de um plural legitimamente português: o câmpus, os câmpus.

A grafia aportuguesada de câmpus está já incluída no Vocabulário Ortográfico Atualizado da Língua Portuguesa da Academia das Ciências de Lisboa, a homóloga lusitana da Academia Brasileira de Letras. No Brasil, a forma aportuguesada câmpus, com acento e sem variação no plural, é também recomendada oficialmente, desde 2011, pelo próprio Ministério da Educação, e está legitimado pelo uso feito pelas principais universidades brasileiras, como a USP (Universidade de São Paulo), a UnB (Universidade de Brasília, que “ensina: o correto é sem itálico e com circunflexo no a“), a UNESP, entre outras, bem como pela imprensa (Estado de S. PauloO Globo, Correio Braziliense, etc.).

A palavra constava, também, já da primeira edição do Dicionário de Dificuldades da Língua Portuguesa, de Domingos Paschoal Cegalla, autor de uma das mais vendidas gramáticas da língua portuguesa (a Novíssima Gramática da Língua Portuguesa). Já em 1996, o Dicionário de Paschoal Cegalla trazia “câmpus: conjunto de terrenos e prédios de uma universidade. Plural: os câmpus.

Se se usar, em português, as formas latinas originais, campuscampi, a recomendação é grafá-las preferivelmente em itálico ou entre aspas, como deve ser feito com todo termo estrangeiro. O mais recomendado, porém, é mesmo usar as formas já plenamente aportuguesadas: o câmpus, os câmpus.