O plural de guardião: guardiães ou guardiões

Sans titre

Num mesmo programa de TV, ao usar o plural da palavra “guardião”, o apresentador fala em guardiães, enquanto a apresentadora, sua colega, fala guardiões. Quem errou? Nenhum dos dois: tanto guardiães (forma tradicional) quanto guardiões (forma mais recente) são corretas. A explicação para isso, porém, é longa:

A história de por que as palavras terminadas em “ão” podem ter diferentes plurais (irmão, irmãos; avião, aviões; alemão, alemães) já foi explicada anteriormente: o fato é que existem três terminações “ão” em português, cada uma com uma forma anterior distinta: -an, -on e -ano, que, na passagem do galego para o português moderno, deixaram de distinguir-se, transformando-se todas em “ão”.

Aí, ajuda o conhecimento etimológico – ou também serve o conhecimento da língua espanhola. Isso porque o espanhol manteve as três terminações diferentes (-an, -on e -ano), e basta saber como uma palavra terminada em -ão é pronunciada em espanhol para saber qual será seu plural em português (-ães, -ões ou -ãos, respectivamente).

Em espanhol, por exemplo, cão é can; pão é pan; alemão é alemán; e capitão é capitán. Coerentemente, todas elas têm o mesmo plural em português: -ães (cães, pães, alemães, capitães).

Os terminados em -on, que formam o maior grupo (avión, canciónconstitución, corazónexportaciónmaldición, razón), são aqueles que, em português, têm o plural em -ões (ações, aviões, canções, corações, constituições, exportações, maldições, razões).

E aqueles que em espanhol terminam em -ano (mano, ciudadano, hermano, huérfano, grano, órgano) são os que, em português, têm plural em -ãos: mãos, cidadãos, irmãos, órfãos, grãos, órgãos.

Seguindo, portanto, a regra acima, teríamos que o plural de guardião (em espanhol, guardián), conclui-se que o plural em português deve ser guardiães. E essa forma é, de fato, correta, e foi, com efeito, por muito tempo a única aceita.

Mas todas as línguas vivas estão sempre em meio a processos de mudanças, causados pelo uso que delas fazem os seus falantes. E, em muitos casos, os falantes, primeiramente sem querer, passaram a confundir terminações de palavras de diferentes origens; por ser o mais numeroso, o grupo do -on (que faz o plural em -ões) acabou “contaminando” algumas palavras dos outros dois grupos, que passaram a admitir, além do plural etimológico, também a forma em -ões, que de tão usada acabou por se tornar aceita e, com o tempo, até mesmo a mais usada.

É por isso que guardião, por exemplo (em espanhol guardián) admite, além do plural etimológico guardiães, também o plural guardiões.

É também o caso de verão ou de anão, por exemplo; pela regra acima exposta (em espanhol, diz-se verano enano), os plurais deveriam ser verãos e anãos – e de fato essas são formas historicamente corretas, e ainda hoje aceitas, embora já até causem estranheza, tendo sido quase totalmente substituídas, no uso, pelas formas regulares verões anões – que, no início, eram “erros de português”, mas que, de tão usadas, acabaram se tornando corretas.

Do mesmo modo, houve um tempo em que o único plural aceito de guardião era guardiães; como em todas as línguas existe uma tendência à regularização de formas irregulares, há muito se ouvia, com cada vez mais frequência, guardiões – que, de forma errada, passou a ser uma opção também aceita, e a tendência é mesmo que, no futuro, substitua quase que plenamente a forma etimológica – como já praticamente ocorreu com verõesanões. E assim evolui, dia a dia, a língua.