Siglas no plural: um DVD, dois DVDs, um CD, dois CDs, uma ONG, duas ONGs

Novamente, uma professora portuguesa se mete a espalhar pela Internet o mito de que, em português, siglas não têm plural. Segundo ela, dever-se-ia escrever “comprei dois CD“.

Ante tamanha insensatez (a língua já tem complicações reais demais para que alguém se meta a inventar proibições inexistentes), só nos cabe enfatizar: não, não existe nenhuma regra gramatical que impeça a pluralização de siglas em portuguêsPelo contrário: os únicos gramáticos que abordam o tema expressamente recomendam o uso do plural (“um CD, dois CDs“); os principais dicionários (Houaiss, Aurélio, Porto Editora, Academia Brasileira de Letras, Aulete, Michaelis) usam plurais em siglas; e a própria CPLP também.

Sim, como mostram fotos a seguir, a Academia Brasileira de Letras, o Dicionário Aurélio e o Dicionário Houaiss recomendam escrever, no plural, “CDs”, “DVDs”, etc.

É o mesmo que fazem o Dicionário Aulete (clique aqui), o Michaelis (aqui), os dicionários da portuguesa Porto Editora (aqui): todos usam siglas no plural, pelo acréscimo de um “s” minúsculo: um CD, dois CDs; um DVD, dois DVDs; uma ONG, duas ONGs.

Quanto aos gramáticos – Celso Luft, Napoleão Mendes de Almeida, Silveira Bueno e  Paschoal Cegalla são todos unânimes na questão:

IMG_1520

ghG.jpg

Também o professor Pasquale Cipro Neto assim afirma, em sua gramática:

gh

E o maior gramático da língua portuguesa hoje vivo, Evanildo Bechara, diz o mesmo em sua Moderna Gramática Portuguesa:

12977023_10207679431775849_2314105013995323548_o

Mas atenção: o “s” deve ser sempre minúsculo; e é errado usar apóstrofo: o certo é “dois DVDs” (e não “dois DVD’s“).

Vide, por exemplo, o plural de CD no Dicionário Aurélio:

IMG_1519

Ou, aqui, o plural de uma sigla no Dicionário Houaiss (2016):

IMG_1846

Vide, também, o plural de DVD no Dicionário da Academia Brasileira de Letras:

IMG_1517

Já a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, em sua mais recente declaração presidencial (a “Declaração de Díli”), assinada pelos presidentes de Brasil, Portugal e dos demais países lusófonos, oficializou a recomendação formal da “integração progressiva dos Vocabulários Ortográficos Nacionais (VONs) num Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa (VOC)“.

A “teoria” de que siglas não têm plural é tão absurda que obrigaria a que, antes de usar uma sigla, o falante pensasse se a sigla ainda é uma sigla, escrita com maiúsculas, ou se já se escreve com minúsculas – uma vez que ninguém discute que, quando escrita com minúsculas, óvni (da sigla para Objeto Voador Não Identificado) vira, no plural, óvnis.

Em suma: se, mesmo com isso tudo, alguém ainda disser (sem nenhuma gramática, acordo ou convenção como embasamento) que é errado usar plurais em siglas, basta ignorar – ou recomendar-lhe que deixe de prender-se a regras “inventadas”, como essa, que só se encontra em sites na Internet – mas em nenhuma gramática ou dicionário, nem tem qualquer embasamento teórico, linguístico ou factual.

O plural de siglas: um CD, dois CDs; uma ONG, duas ONGs…

Li num lugar que o certo é “comprei dois CD”, e não “dois CDs”, porque as siglas não têm plural em português. Isso está certo?”

Não, não está. Desconfie do que mais vier desse tal “lugar” que lhe diz que siglas não podem ter plural em português. Não existe nenhuma regra gramatical que impeça a pluralização de siglas em português.

Pelo contrário: a Academia Brasileira de Letras, o Dicionário Aurélio, o Houaiss, o Aulete (clique aqui), o Michaelis (aqui), a portuguesa Porto Editora (aqui) a própria Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) usam siglas no plural, acrescentando-lhes um “s” minúsculo: um CD, dois CDs; um DVD, dois DVDs; uma ONG, duas ONGs.

Os gramáticos Celso Luft, Napoleão Mendes de Almeida, Silveira Bueno e  Paschoal Cegalla são todos unânimes na questão:

IMG_1520

ghG.jpg

Também o professor Pasquale Cipro Neto assim afirma, em sua gramática:

gh

E o maior gramático da língua portuguesa hoje vivo, Evanildo Bechara, diz o mesmo:

12977023_10207679431775849_2314105013995323548_o

Mas atenção: o “s” deve ser sempre minúsculo; e é errado usar apóstrofo: o certo é “dois DVDs” (e não “dois DVD’s“).

Vide, por exemplo, o plural de CD no Dicionário Aurélio:

IMG_1519

Ou, aqui, o plural de uma sigla no Dicionário Houaiss (2016):

IMG_1846

Vide, também, o plural de DVD no Dicionário da Academia Brasileira de Letras:

IMG_1517

Já a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, em sua mais recente declaração presidencial (a “Declaração de Díli”), assinada pelos presidentes de Brasil, Portugal e dos demais países lusófonos, oficializou a recomendação formal da “integração progressiva dos Vocabulários Ortográficos Nacionais (VONs) num Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa (VOC)“.

A “teoria” de que siglas não têm plural é tão absurda que obrigaria a que, antes de usar uma sigla, o falante pensasse se a sigla ainda é uma sigla, escrita com maiúsculas, ou se já se escreve com minúsculas – uma vez que ninguém discute que, quando escrita com minúsculas, óvni (da sigla para Objeto Voador Não Identificado) vira, no plural, óvnis.

Em suma: se, mesmo com isso tudo, alguém ainda disser (sem nenhuma gramática, acordo ou convenção como embasamento) que é errado usar plurais em siglas, basta ignorar – ou recomendar-lhe que deixe de prender-se a regras “inventadas”, como essa, que só se encontra em sites na Internet – mas em nenhuma gramática ou dicionário, nem tem qualquer embasamento teórico, linguístico ou factual.