Peixinho-dourado ou quínguio: falta nos dicionários

Presentes em aquários em lares, escritórios e consultórios odontológicos de todo o mundo, mas ausentes dos dicionários: o nome mais popular do peixe de aquário mais popular do mundo – o peixe-dourado ou peixinho-dourado – por alguma razão simplesmente não aparece (com esses nomes) no Aurélio ou no Houaiss.

O nome científico do peixinho-dourado é Carassius auratus. O Aurélio e o Houaiss registram a espécie com outros nomes, como peixe-vermelho (e inclusive, erroneamente, como “dourado”, nome de outro peixe), mas deixaram de lado os nomes pelos quais o peixe é mais conhecido no Brasil: peixinho-dourado (em inglês, goldfish). 

Embora originário da China, o peixe-dourado ou peixinho-dourado é também conhecido, no Brasil, por peixe-japonês, por sua popularidade como animal de estimação em comunidades nipo-brasileiras – sendo chamado, ainda, quínguio (do japonês kingyo – os dois uu do nome quínguio são mudos), forma usada inclusive em artigos científicos de universidades do Paraná, de Minas Gerais, de Mato Grosso do Sul, de São Paulo, etc.

[Editado: Os artigos acima mencionados, no entanto, esqueceram-se do obrigatório acento agudo: como a pronúncia (como bem aponta o visitante Luciano, nos comentários, abaixo), é kínguio, e não kinguío, o aportuguesamento necessariamente precisa de acento: quínguio.]

Os dicionários brasileiros não apenas deveriam incluir peixe-dourado, peixinho-dourado e quínguio – por serem esses os nomes populares do peixe no Brasil -, como também deveriam retirar a indicação atual de que um dos nomes comuns do peixinho de aquário é “dourado”: todo vendedor ou amante de peixes sabe que são dois peixes completamente diferentes – um é o peixinho-dourado (Carassius auratus), de aquário; e outro, sem nenhum relação, é o peixe cujo nome é dourado, que nada tem a ver com os peixinhos de aquário. O dourado (gênero Salminus) é um peixe muito grande, de até um metro, popular na pesca desportiva na América do Sul.

Além do peixinho-dourado e do dourado, existem ainda:

  • dourada (Brachyplatystoma), tipo de bagre, parente do pintado, exclusiva da bacia do rio Amazonas;
  • …que, por sua vez, não deve ser confundida com a dourada europeia (Sparus), popular em Portugal e em outros países do Mediterrâneo; e
  • dourado-do-mar (Coryphaena), também conhecido como cabeçudo ou delfim, e, em inglês, como dolphinfish ou mahi-mahi.

Existem, portanto, uma dourada amazônica (gênero Brachyplatystoma) e uma dourada europeia (Sparus), além de um dourado-do-mar (Coryphaena) e de um dourado de água doce (Salminus). Não há, portanto, por que aumentar a confusão, incluindo na mesma entrada o peixe-dourado (Carassius auratus), que é conhecido como peixinho-douradoquinguio ou peixe-japonês – mas nunca é chamado simplesmente “dourado”.

Peixe-dourado e peixinho-dourado (ou quínguio): dentro do aquário, fora dos dicionários

Presentes em aquários em lares e consultórios de todo o mundo, mas ausentes dos dicionários brasileiros: o nome mais popular do peixe de aquário mais popular do mundo – o peixe-dourado ou peixinho-dourado – por alguma razão simplesmente não aparece (com esses nomes) no Aurélio ou no Houaiss.

O nome científico do peixinho-dourado é Carassius auratus. O Aurélio e o Houaiss registram o Carassius com outros nomes, como peixe-vermelho (e inclusive, erroneamente, como “dourado”, nome de outro peixe), mas deixaram de lado os nomes pelos quais o peixe é mais conhecido no Brasil: peixe-dourado ou peixinho-dourado (semelhantes ao nome inglês, goldfish; quando entrarem no dicionário, peixe-dourado e peixinho-dourado devem vir obrigatoriamente com hífen, como todo nome de espécie de animal ou planta, e de modo a distinguir um peixe da espécie “peixe-dourado” de qualquer outro “peixe dourado”: um peixe de coloração dourada de qualquer outra espécie).

Embora originário da China, o peixe-dourado ou peixinho-dourado é também conhecido, no Brasil, por peixe-japonês (por sua popularidade como animal de estimação em comunidades nipo-brasileiras), sendo chamado, ainda, quinguio (do japonês kingyo), usado inclusive em artigos científicos (de universidades do Paraná, de Minas Gerais, de Mato Grosso do Sul, de São Paulo, etc.

Os dicionários brasileiros não apenas deveriam incluir peixe-dourado, peixinho-dourado e quinguio – por serem esses os nomes populares do peixe no Brasil – como também deveriam retirar a indicação atualmente existente, de que um dos nomes comuns do peixinho de aquário é “dourado”: todo vendedor ou amante de peixes sabe que são dois peixes completamente diferentes – um é o peixinho-dourado (Carassius auratus), de aquário; e outro, sem nenhum relação, é o peixe cujo nome é dourado (sem hífen, porque “peixe” não faz parte do nome), que nada tem a ver com os peixinhos de aquário: os verdadeiros dourados (gênero Salminus, cujo nome revela um parentesco com os salmões) são peixes grandes, de até um metro, populares na pesca esportiva na América do Sul.

Misturar os peixinhos ou peixes-dourados (de aquário) com os peixes chamados simplesmente dourados (Salminus) é ainda mais um desfavor quando se percebe que o nome “dourado” (ou seu feminino) é também usado para se referir a ainda outros três gêneros de peixes:

  • dourada (Brachyplatystoma), tipo de bagre, parente do pintado, exclusiva da bacia do rio Amazonas (e que, por sua vez, não deve ser confundida com a dourada europeia (Sparus), popular em Portugal e em outros países do Mediterrâneo); e
  • O dourado-do-mar (Coryphaena), também conhecido como cabeçudo ou delfim, e, em inglês, como dolphinfish ou mahi-mahi.

Já há, portanto, uma dourada amazônica (Brachyplatystoma) e uma dourada europeia (Sparus), além de um dourado-do-mar (Coryphaena) e de um dourado de água doce (Salminus, muito usado na pesca esportiva no Brasil). Não há, portanto, por que aumentar a confusão, incluindo na mesma entrada o peixe-dourado (Carassius auratus), que é também conhecido como peixinho-douradoquinguio ou peixe-japonês – mas nunca é chamado simplesmente “dourado”.