Perdoe-os, que não sabem o que dizem

Untitled

O menino perdoou o pai“. Há algum erro na frase? É verdade que o verbo perdoar pode ser transitivo direto e indireto – pode-se perdoar alguma coisa alguém (“perdoar-lhe as dívidas”, por exemplo); mas, em havendo um único complemento (o de pessoa), a regência pode ser tanto direta quanto indireta: é correto dizer “Perdoa-lhes, pai”, mas também é corretíssimo dizer “Perdoa-os, pai”.

Em resumo, pode-se tanto perdoar alguém quanto perdoar a alguém.

Isso é o que ensinam todas as boas gramáticas ou dicionários publicados nas últimas décadas. O Houaiss, o Aurélio e Evanildo Bechara, imortal da Academia Brasileira de Letras e autor daquela que é a melhor gramática de português atualmente, sequer perdem tempo a respeito – pôde-se perdoar alguém ou a alguém, dizem eles. Os dicionários de regência do Brasil e de Portugal são igualmente unânimes a esse respeito.

A Gramática de Celso Cunha e Lindley Cintra (1984), até hoje a mais vendida e citada tanto em Portugal quanto no Brasil, há mais de três décadas explicitava: embora, com dois objetos, o verbo “perdoar” exija a preposição “a” para pessoa, a construção “perdoar alguém”, com pessoa como objeto direto, já era normal no português arcaico, desde a Idade Média. Exemplos vão desde os jornais portugueses e brasileiros de hoje às obras do incomparável Machado de Assis, que escreveu que “o fazendeiro,  mais tarde ou mais cedo, acabará perdoando a filha“.

Se é tão consensual que se pode perdoar alguém (e não apenas “a alguém”), por que esta publicação de hoje? Porque, aponta-nos um leitor, uma página portuguesa de dúvidas de português cometeu, ontem, o disparate de circular em vermelho a manchete acima, colocar sinais de erro em “perdoa o pai” e dar espaço para a afirmação, contrária a todos os dicionários e gramáticas da língua, de que “perdoar o pai” estaria errado. Sem nenhum fundamento. Entende-se que porque a autora do artigo não gosta da construção. Mas não admite que é seu estilo ou capricho pessoal, e “vende” sua preferência pessoal como verdade absoluta. Um verdadeiro desserviço aos leitores.

De resto, a verdade é que a tal articulista do tal site português tem um mérito: não importa o que ela afirme sobre a língua – é só ter em mente que o certo é exatamente o contrário do que ela afirma, e aí fica tudo bem.

Ela afirma que siglas não têm plurais? Já sabem o que significa: que, segundo o Houaiss, o Aurélio e todas as boas gramáticas atuais, siglas têm plural sim.

Ela afirma que colocar o pronome após infinitivos, como em “sem preocupar-se“, está errado? Já sabem o que quer dizer: que a construção “sem preocupar-se” está corretíssima, segundo todos os gramáticos portugueses e brasileiros.

Ela diz que a construção “Todo o cálcio que necessita” está incorreta e que “necessitar” nunca pode ser transitivo direto? Já sabem: ensinam o Aurélio, o Houaiss e todos os dicionários de regência que “necessitar” pode ser tanto direto quanto indireto (e a construção acima está, portanto, perfeita).

Ela diz que a frase “Os burocratas que falam demais” está errada e que o certo teria de ser “de mais”? Já sabem: segundo o Houaiss, o Aurélio e qualquer gramático, “demais” pode, sim, ser usado exatamente nesse caso, e a frase em questão está corretíssima.

Em resumo: perdoem-na, e perdoem aos que lhe dão espaço, porque na verdade só deve inspirar pena esse tipo de gente – os criadores de “falsos erros” de português (e existem tantos deles pela Internet), que, por viverem de corrigir erros de português dos outros, acabam percebendo que é conveniente inventar regras que não existem, inventar falsos erros de português – pois, afinal, o seu prestígio (e, muitas vezes, a sua renda) vêm justamente da injustificada insegurança que têm muitos bons falantes cultos da língua, convencidos de que não dominam a própria língua por charlatães que vivem disso.

Regência do verbo “delegar”

Qual é afinal a regência verbal de delegar? O site português Ciberdúvidas afirma (mais de uma vez) que é incorreta a regência “delegar a”, e que o certo seria apenas “delegar em”, mas na vida toda só lembro de ter lido e ouvido “delegar” a reger a preposição “a”…

Pode ficar tranquila, cara consulente: sua intuição está certa, e as referidas respostas no tal site português é que estão erradas. Dicionários como o Houaiss e o Aurélio atestam, para o verbo delegar, a regência com a preposição “a”:

Dicionário Houaiss:
delegar
verbo ( 1391)
( t.d.bit. ) [prep.: a] realizar uma transmissão, concessão de (poderes)    ‹ em meio à crise, ele delegou todos os seus poderes (a uma comissão de emergência) ›

Dicionário Aurélio:
delegar
v.t.d.i. Transmitir poderes; investir na faculdade de obrar: O país delega ao Congresso a decisãoDelegou à comissão poderes especiais.

A regência com “a” é, aliás, a única registrada no primeiro dicionário de português da história – o de Bluteau, publicado em 1712:

Dicionário de Bluteau (1712): “Delegou o Sol sua luz à Lua.”

delegar.png

De todos modos, embora seja claro que a regência “delegar algo a alguém”, a regência com a preposição “em” (“delegar algo em alguém” – possivelmente influenciada pelo espanhol, língua em que o verbo delegar sempre exige a preposição “en“) também é correta, tendo registra na língua portuguesa desde pelo menos a segunda edição do Dicionário de Moraes e Bluteau, de 1789.

É a regência que se encontra também na Gazeta de Lisboa, que em 1800 afirmava que Bonaparte agia “como se estivesse em Paris, não querendo delegar a outrem parte alguma de sua autoridade“.

Quem mais acerta, portanto, é o Dicionário Michaelis – o único a trazer ambas as regências do verbo: “A nação, pelo órgão dos seus representantes, delega em homens o poder executivoDelegara a chefia ao funcionário mais antigo“.

Diga (e escreva) que algo foi delegado em alguém ou a alguém, portanto – como quiser. Só não erre, supondo que quem usa a outra preposição incorre em erro.