“Vexamoso” = “vexaminoso”? Por que não?

untitled

Hoje ouvi da boca de um amigo bastante culto a palavra “vexamoso“, com o sentido de “que causa vexame”. Quando pude, vim conferir se a palavra “existia”. Para os que consideram que uma palavra só existe se está nos dicionários, então não, o adjetivo vexamoso e suas demais formas (vexamososvexamosa, vexamosas) não existem; mas não se pode dizer que não existem mesmo, quando há centenas de registros de uso desses termos em notícias, livros, tuítes (como o do nosso maior “padre celebridade”, acima)… e até numa gramática.

Na sua Gramática de usos do português,  de 1999, a excelente professora Maria Helena de Moura Neves usou o seguinte exemplo tirado da imprensa: “O comportamento desta moça é vexamoso e indecoroso” (ver aqui) – sem fazer qualquer consideração acerca do adjetivo vexamoso.

É fato que a forma tradicional, registrada nos dicionários – e ainda a mais usada -, é vexaminoso. Mas também é um fato que o encurtamento de vocábulos é um dos processos mais naturais e corriqueiros da língua: a atual palavra bondoso era antigamente escrita (e falada) bondadoso (como só poderia ser, vinda de bondade -oso); o tempo e o uso dos falantes acabaram por “comer” uma das sílabas da palavra, e hoje ninguém estranha a forma abreviada.

Do mesmo modo, a palavra piedoso, que hoje ninguém diria ser incorreta, é na verdade uma “deformação” de piedadoso (piedade + -oso); e o nosso atual saudoso era, originalmente, saudadoso (saudade + -oso).

O atual você, todos sabem, veio da amalgamação de vossa mercê; a nossa palavra lenda um dia já foi legenda, que acabou cortada; a palavra cor já teve duas vogais e um -l-, como ainda mantém em outras línguas (color); o adjetivo tragicômico resultou do encurtamento, por praticidade, de trágico-cômico; e a antiga simbolologia acabou sendo substituída na prática pela encurtada simbologia.

Esses encurtamentos, que podem parecer “preguiça” dos falantes, são na verdade um fenômeno que se observa todo o tempo na evolução de todas as línguas, e que nada mais é que uma busca inconsciente e natural por eficiência linguística: passar a mesma ideia usando menos sílabas é, no fim das contas, comunicar-se mais eficientemente.

De modo que, assim como simbologia, bondoso e saudoso tomaram o lugar dos mais compridos simbolologiabondadososaudadoso, é quase certo que, no futuro, a forma vexamoso venha até a superar vexaminoso na preferência dos falantes e dos dicionários. Quem viver verá.