O plural de guardião: guardiães ou guardiões

Sans titre

Num mesmo programa de TV, ao usar o plural da palavra “guardião”, o apresentador fala em guardiães, enquanto a apresentadora, sua colega, fala guardiões. Quem errou? Nenhum dos dois: tanto guardiães (forma tradicional) quanto guardiões (forma mais recente) são corretas. A explicação para isso, porém, é longa:

A história de por que as palavras terminadas em “ão” podem ter diferentes plurais (irmão, irmãos; avião, aviões; alemão, alemães) já foi explicada anteriormente: o fato é que existem três terminações “ão” em português, cada uma com uma forma anterior distinta: -an, -on e -ano, que, na passagem do galego para o português moderno, deixaram de distinguir-se, transformando-se todas em “ão”.

Aí, ajuda o conhecimento etimológico – ou também serve o conhecimento da língua espanhola. Isso porque o espanhol manteve as três terminações diferentes (-an, -on e -ano), e basta saber como uma palavra terminada em -ão é pronunciada em espanhol para saber qual será seu plural em português (-ães, -ões ou -ãos, respectivamente).

Em espanhol, por exemplo, cão é can; pão é pan; alemão é alemán; e capitão é capitán. Coerentemente, todas elas têm o mesmo plural em português: -ães (cães, pães, alemães, capitães).

Os terminados em -on, que formam o maior grupo (avión, canciónconstitución, corazónexportaciónmaldición, razón), são aqueles que, em português, têm o plural em -ões (ações, aviões, canções, corações, constituições, exportações, maldições, razões).

E aqueles que em espanhol terminam em -ano (mano, ciudadano, hermano, huérfano, grano, órgano) são os que, em português, têm plural em -ãos: mãos, cidadãos, irmãos, órfãos, grãos, órgãos.

Seguindo, portanto, a regra acima, teríamos que o plural de guardião (em espanhol, guardián), conclui-se que o plural em português deve ser guardiães. E essa forma é, de fato, correta, e foi, com efeito, por muito tempo a única aceita.

Mas todas as línguas vivas estão sempre em meio a processos de mudanças, causados pelo uso que delas fazem os seus falantes. E, em muitos casos, os falantes, primeiramente sem querer, passaram a confundir terminações de palavras de diferentes origens; por ser o mais numeroso, o grupo do -on (que faz o plural em -ões) acabou “contaminando” algumas palavras dos outros dois grupos, que passaram a admitir, além do plural etimológico, também a forma em -ões, que de tão usada acabou por se tornar aceita e, com o tempo, até mesmo a mais usada.

É por isso que guardião, por exemplo (em espanhol guardián) admite, além do plural etimológico guardiães, também o plural guardiões.

É também o caso de verão ou de anão, por exemplo; pela regra acima exposta (em espanhol, diz-se verano enano), os plurais deveriam ser verãos e anãos – e de fato essas são formas historicamente corretas, e ainda hoje aceitas, embora já até causem estranheza, tendo sido quase totalmente substituídas, no uso, pelas formas regulares verões anões – que, no início, eram “erros de português”, mas que, de tão usadas, acabaram se tornando corretas.

Do mesmo modo, houve um tempo em que o único plural aceito de guardião era guardiães; como em todas as línguas existe uma tendência à regularização de formas irregulares, há muito se ouvia, com cada vez mais frequência, guardiões – que, de forma errada, passou a ser uma opção também aceita, e a tendência é mesmo que, no futuro, substitua quase que plenamente a forma etimológica – como já praticamente ocorreu com verõesanões. E assim evolui, dia a dia, a língua.

Mais bem ou melhor + partícipios?

Sans titre

Deve-se dizer “os melhor avaliados” ou “os mais bem avaliados”? De acordo com os bons gramáticos portugueses e brasileiros (como Domingos Paschoal Cegalla, Vasco Botelho do Amaral, Celso Luft, Celso Cunha, Lindley Cintra, Sousa e Silva, etc.), tanto faz.


O jornal Correio Braziliense publicou um tuíte de sua “consultora de português”, segundo a qual o prefeito de São Paulo, João Doria, teria cometido um erro de português ao dizer que certos programas seriam “melhor percebidos” pela população. Segundo o jornal, só estaria certo “mais bem percebidos”. Obviamente, o jornal e a sua consultora de português estão errados. Bastaria abrirem uma boa gramática antes de escrever besteira na Internet.

Esse é mais um dos casos que deixam claro que saber português não é o mesmo que ter decorado algumas regrinhas e macetes (sempre cheios de exceções), e que os que se valem dessas regrinhas decoradas em geral são aqueles que não dominam lá muito bem a língua.

Se tivessem aberto uma boa gramática – como a de Celso Cunha -, teriam aprendido que a expressão “mais bem” de fato pode ser usada antes de particípios (“mais bem avaliados”, “mais bem percebidos”) – mas isso não quer dizer que não se poderia usar, igualmente, a forma sintética: melhor avaliadosmelhor percebidos.

Não há nada de errado com essas construções, que também se encontram já em Camões, n’Os Lusíadas: “O ponto melhor tornado no terreno alheio“; ou em Machado de Assis: “Oxalá que ande ele melhor avisado … onde suas qualidades serão melhor apreciadas“; ou em Alexandre Herculano: “composições análogas e melhor delineadas e vestidas“; ou em José de Alencar, “melhor armada“, etc.

O que ocorre, simplesmente, é que em alguns casos, o uso de “melhor” no lugar de “mais bem” não funciona – isso ocorre quando a palavra “bem” está ligada mais fortemente ao adjetivo que se segue do que à palavra “mais” (o que ocorre em geral, mas não apenas, quando o adjetivo está ligado a “bem” por hífen): por exemplo, ninguém diria que se sentiu “melhor vindo” num lugar, mas, sim, “mais bem-vindo“.

Mas, em outros casos, pode dizer-se tanto “melhor avaliados” quanto “mais bem avaliados”, e tanto “melhor posicionada” quanto “mais bem posicionada” – mas apenas “mais bem-feito” (e não *melhor feito). É por isso que, para facilitar a vida dos inseguros, criou-se modernamente a “regrinha” de que “já que às vezes se pode usar “melhor” e às vezes não, mas sempre se pode usar “mais bem” antes de advérbios, então use sempre “mais bem” e nunca “melhor”, que não tem como errar.

Não há nenhum problema com esse tipo de regra simplificadora, é claro. O problema é quando esses mesmos inseguros linguísticos passam a achar que apenas a fórmula simplificadora por eles usada é a correta, e passam a ver “erro” em frases absolutamente corretas, como a do prefeito paulistano – que em nada difere das frases usadas desde Camões até nossos melhores autores, como Machado de Assis e José de Alencar.

Em suma, tanto faz dizer “mais bem avaliados” ou “melhor avaliados”; ambas são absolutamente corretas do ponto de vista gramatical e têm respaldo dos melhores autores de diferentes séculos. O único inconveniente de usar a forma sintética (“melhor avaliados”) é o risco de ser interpelado por alguém que, em sua ignorância, acredita que apenas a primeira opção (“mais bem avaliados“) é a correta, por não saber que foi ele próprio que só aprendeu uma, a mais fácil, das duas construções possíveis e corretas da língua.

Tinha ganho ou tinha ganhado? O que realmente dizem as gramáticas:

Sans titre
De acordo com todas as grandes gramáticas brasileiras e portuguesas do século passado e deste século – e com gramáticos vivos, como o professor Pasquale -, são corretas as formas “tinha ganho”, “haver ganho”, “ter ganho”.


Uma atriz brasileira escreveu, na Internet, que estava muito feliz por “ter ganho o Troféu Imprensa”… e um internauta tentou corrigi-la, dizendo que o certo devia ser “ter ganhado”, e não “ter ganho”.

Só que o metido corretor é que estava errado: bastaria ter aberto qualquer gramática para aprender que “tinha ganho”, “ter ganho”, “haver ganho”, etc. são formas corretas.

Esse é o problema do ensino “decoreba” de hoje em dia: em vez de de fato ler gramáticas, simplesmente decoram-se fórmulas e “regrinhas” que, na vida real, não funcionam, pois são cheias de exceções. É o caso da suposta regrinha, fácil de aprender mas de pouca utilidade (pois se aplica apenas a poucos casos), segundo a qual os verbos “ter” e “haver” sempre exigiriam o particípio longo (“tinha imprimido”, “ter fritado”), e os verbos “ser” e “estar”, sempre os particípios curtos (“foi impresso”, “está frito”).

Por essa lógica, alguns concluem, preguiçosamente, que “ter ganho” está errado. “Preguiçosamente”, porque lhes bastaria abrir uma gramática de verdade para verem que a tal regra tem várias exceções – entre as quais, precisamente, o verbo ganhar.

Como se lê nas tradicionais gramáticas dos já falecidos mestres Rocha Lima, Paschoal Cegalla, Napoleão Mendes de Almeida e Said Ali, ou nas gramáticas dos ainda vivos Evanildo Bechara (da Academia Brasileira de Letras) ou professor Pasqualeos verbos “ganhar”, “gastar” e “pagar” admitem o uso de suas formas curtas (ganho, gasto e pago) mesmo com “ter” e “haver”. São corretas, portanto, formas como “tinha ganho”, “tinha pago” e “tinha gasto”.

A interpretação equivocada deriva de uma leitura apressada daquilo que de fato dizem os gramáticos – vide o que diz Rocha Lima, em sua Gramática Normativa da Língua Portuguesa, a esse respeito: “O particípio regular de alguns verbos emprega-se junto do verbo ter; e o particípio irregular, não só com ter, mas também com ser. Exemplo: Tenho aceitado (ou aceito) trabalhos demais.

O brasileiro Celso Cunha e o português Lindley Cintra, os dois coautores daquela que é até hoje a gramática mais citada em Portugal e no Brasil (a Nova Gramática do Português Contemporâneo), são ainda mais taxativos: segundo eles, nos casos específicos dos verbos ganhar, gastar e pagar, as formas longas (ganhado, gastado e pagado) já de tal modo caíram em desuso que, para esses autores, só se devem usar, hoje, as formas curtas ganho, gasto e pago.

Em resumo, o comentarista metido que tentou corrigir a expressão “ter ganho” por “ter ganhado” foi duplamente infeliz: de um lado, todos os gramáticos brasileiros e portugueses admitem unanimemente ser correta a expressão “ter ganho”; e, de outro lado, é a expressão “ter ganhado“, que ele quis usar para parecer chique, que nem todos os gramáticos aceitam, pois, na opinião de alguns, seria já obsoleta desde o início do século passado.

Ou seja: como ocorre com alguma frequência, aquele que se meteu a corrigir outro alguém (com base numa regrinha decorada que não revela conhecimento da língua, mas sim sua ignorância) é que estava errado. Para variar.

A pronúncia de waffle: uáfol (ou uófol), não uêifol

Sans titre.png

Um leitor quis saber qual é a pronúncia correta de waffle, a massa doce da foto à esquerda, acima, depois de ter muitas vezes ouvido brasileiros que a pronunciam “uêifel” / “uêifol”. Essa pronúncia está errada; mesmo em inglês (e em holandês, língua original da palavra), esse “a” de waffle  ou wafel tem mesmo o som de “a”. Em outras palavras, a pronúncia adequada da primeira sílaba, em português, é mesmo ““, e não “uei“.

Em inglês, a pronúncia pode chegar a soar-nos como “uófol“, pois a vogal exata usada não existe em português – é uma intermediária entre o nosso “a” e o nosso “ó”. É, por exemplo, a mesma vogal da palavra inglesa mother. Como pronúncia aportuguesada, portanto, serve tanto dizer “uáfol” quanto “uófol” (ou “uáfel” / “uófel”, “uáfou” / “uófou”, etc.. já que os sons finais também não têm correspondência exata em português). O que não faz nenhum sentido, nem em português nem em inglês (nem em holandês), é pronunciar a primeira sílaba como “uêi“.

Quem pronuncia “uêifel” pode estar fazendo confusão com os biscoitos sequinhos da foto acima à direita – as wafers -, em que a primeira sílaba de fato é pronunciada “uêi“.

Revista Veja comete “erro crasso de português” ao acusar ministro de cometer outro erro – que a Veja também comete

veja

A revista Veja publicou hoje, com destaque, que o ministro da Educação brasileiro teria cometido um “erro crasso de português”, por ter afirmado que “haverão mudanças” – o certo seria “haverá mudanças”, impessoal. O primeiro problema? Já no subtítulo da reportagem, a mesma Veja comete um erro (ver aqui) tão condenado por puristas quanto o cometido pelo ministro: separa com vírgula o sujeito do predicado: “Mendonça Filho, afirmou durante entrevista“. A gramática do português proíbe a vírgula nesses casos.

O segundo problema? Basta pesquisar nos arquivos da revista  para ver que a própria Veja comete, em suas reportagens, aquilo que chama de “erro crasso”: flexiona o verbo “haver”, impessoal, no plural. Em matéria desportiva, por exemplo, a Veja nos informa que  “Nas quartas de final da competição, haverão os seguintes confrontos: Estados Unidos – Canadá, Turquia – Rússia, …“. Sobre o clima, a revista conta que no “sábado já haverão períodos com sol à tarde“. E assim andam as coisas.

“De férias” ou “em férias”: qual o certo?

vacances-zen-et-efficaces.jpg

Estou de férias ou em férias? Diz-se sair de férias ou sair em férias? A forma gramaticalmente correta é “de férias” ou “em férias”?

A forma tradicional em português, tanto em Portugal quanto no Brasil, é de fériasestou de fériassaí de fériasestaremos de férias; etc. Nesse caso, porém, como em tantos outros, abundam pela Internet sites de qualidade duvidosa, que, sem absolutamente nenhum embasamento linguístico ou gramatical, ensinam (erradamente) que a forma correta, ou preferível, seria “em férias”. Mentira.

No Brasil, o único gramático tradicional que abordou diretamente a questão foi Paschoal Cegalla, que ensina que a expressão tradicional é “de férias”: diz-se, ensina o gramático, “estar de férias”, como também se diz “estar de luto”, “estar de atestado (médico)”, etc.

Em Portugal, o tema é tratado no Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa (a correspondente portuguesa da nossa Academia Brasileira de Letras), que, no verbete “férias”, traz as expressões “estar de férias”, “entrar de férias”, “ir de férias” – todas com exemplos apenas com a preposição “de“, não “em“.

Por insegurança, porém, muitos brasileiros acabam cometendo uma hipercorreção (fenômeno que consiste em tentar “corrigir” algo que já estava correto, que não precisava de correção) e, quando querem falar “chique” ou escrever formalmente, trocam a corretíssima “de férias” por formas forçadas como “estar em férias”, “entrar em férias”. Embora tampouco esteja errada, “em férias” é menos usual, tem menos tradição e não é nem um pouco mais correta ou mais formal do que a tradicionalíssima forma “de férias“.

Diga (e escreva), portanto, sem medo: estou de fériasviajaremos de férias a Parisentrarei de férias na próxima segunda-feira; etc.

A omelete ou o omelete? O quiche ou a quiche?

omelet-and-quiche-restaurant

O certo é “o omelete ou “a omelete”? Diz-se “a musse de chocolate” ou “o musse de chocolate”? Uma quiche ou um quiche?

Em Portugal, assim como na própria língua francesa, esses três substantivos só são usados no feminino. É também essa a recomendação das gramáticas tradicionais: que se fale uma omelete espanhola, uma linda musse de maracujá (ou uma musse para o cabelo) e uma deliciosa quiche.

No Brasil, porém, é comum ouvir esses três substantivos no masculino: “o musse”, “um quiche”, “um omelete”.

Tão comum, na verdade, que o Vocabulário da Academia Brasileira de Letras e o Dicionário Houaiss já passaram a trazer “omelete” e “quiche” como substantivos de dois gêneros, admitindo, portanto, que diga a omelete ou o omeleteuma quiche ou um quiche.

E fizeram bem, nesse caso; isso porque o fato de um substantivo ser feminino em francês não implica que em português tenha de ter o mesmo gênero – basta pensar em crepe, outro prato francês, que na França é feminino (“la crêpe“), mas que em português virou um crepe.

Só falta à ABL e ao Houaiss, portanto, darem o mesmo tratamento à palavra “musse”, que, apesar de tradicionalmente se considerar feminina, se ouve no Brasil no masculino (o musse, um musse) com a mesma frequência que omelete e quiche.

Esse fenômeno – de alternância de gêneros gramaticais – parece ocorrer, no Brasil, com frequência com substantivos terminados em “e”: basta pensar em palavras ainda mais usuais, como alfacechampanhe grafite (de lapiseira) que, apesar de os dicionários ensinarem que só se deve dizer “a alface“, “um champanhe” e “a grafite“, se ouvem, em todos os meios, com os gêneros trocados: “o alface“, “uma champanhe” e “o grafite“.