Ponto de ironia

160px-Irony_mark_full.svg

Em diferentes séculos, em diferentes países, diferentes escritores propuseram a criação de um ponto de ironia – um sinal gráfico que permitisse a clara identificação do teor irônico ou sarcástico de um comentário.

Em 1688, o inglês John Wilkins propôs o uso do ponto de interrogação invertido (⸮, usado regularmente em línguas cuja escrita é feita da esquerda para a direita, como o árabe e o hebraico) como um “ponto de ironia”.

Um século antes, o gráfico inglês Henry Denham já propusera o uso do ponto de interrogação invertido (⸮) para assinalar perguntas retóricas.

Em 1899, o enciclopedista francês Alcanter de Brahm faria proposta semelhante, com a apresentação de um sinal representativo de teor irônico, cuja representação gráfica proposta também se assemelhava a uma interrogação invertida:

Na Internet, atualmente, tem-se recorrido, especialmente em fóruns e blogues em língua inglesa, à marcação [/sarcasm] em seguida a uma afirmação, de modo a explicitar-lhe o teor sarcástico.
Apesar de ser uma dessas “ideias coletivas” da humanidade, que de vez em quando voltam a ser defendidas por diferentes pessoas em diferentes países, o estabelecimento de um sinal gráfico oficial ou universal para marcar a ironia nunca chegou a adquirir caráter oficial em língua nenhuma – na verdade, sequer chegou a popularizar-se ou tornar-se de conhecimento geral em nenhum país. Talvez porque se tenha chegado à conclusão de que, nos dias de hoje, já não haja necessidade dele⸮

Kosovo, em português, não se pronuncia “Kôsovo”

628857-600x600-1

Estas foram as primeiras olimpíadas com uma delegação do Kosovo. Em português, o nome se escreve com “K”, como manda o novo Acordo Ortográfico; e quem nasce no Kosovo é chamado kosovar (como se vê nos dicionários brasileiros, como o Houaiss, o Aulete e o de Bechara, e nos portugueses, como o Priberam, o da Porto Editora e o da Academia das Ciências de Lisboa). Como ocorre com a  maioria dos países do mundo em português, o nome leva artigo definido: diz-se “do Kosovo”, “no Kosovo” (e não *em, *de).

O que é um erro grosseiro é a pronúncia proparoxítona que se ouve na televisão, por pura cópia do inglês. Se fosse proparoxítono, o nome precisaria de acento em português. Mas a pronúncia tradicional é paroxítona – inclusive no próprio Kosovo: em albanês, língua de 90% da população local (não existe uma “língua kosovar”), a pronúncia é paroxítona.

A pronúncia proparoxítona (Kôsovo ou Kósovo), portanto, é uma cópia do inglês. Em português, pronuncie-se mesmo de forma paroxítona.

Outro erro que cometem alguns brasileiros e portugueses puristas é deturpar o nome do país escrevendo-lhe com “C” (há puristas que querem que se escreva Cosovo ou Cossovo): – trata-se, ademais, de ignorância linguística: passados estão os tempos em que a letra “K” era banida da língua portuguesa. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa em vigor no Brasil e em Portugal é explícito: a letra “K” deve ser usada, em português, precisamente para grafar os nomes próprios, de pessoas e localidades estrangeiras, que levem essa letra em sua versão original (o próprio acordo dá como exemplo “Kuwait”) – e deve ser usada, prossegue o texto do Acordo, também em seus derivados (como “kuwaitiano”): portanto, diga-se (e escreva-se), em português, kosovar, comum de dois gêneros, como já está nos dicionários atualizados:

ko·so·var
(Kosovo, topónimo + -ar)

adjetivo de dois géneros

1. Relativo ou pertencente ao Kosovo.

substantivo de dois géneros

2. Natural ou habitante do Kosovo.

“kosovar”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], http://priberam.pt/dlpo/kosovar [consultado em 22-08-2016].

Sargenta, feminino de sargento

IMG_2675

“Sargento” é uma palavra normal da língua portuguesa, que, como qualquer outra masculina terminada em “o”, faz plural em “a”: sargenta, feminino registrado no Vocabulário da Academia Brasileira de Letras e nos dicionários, que ensinam que sargenta é a forma feminino de “sargento”, que por sua vez é palavra exclusivamente masculina. “A sargento”, “uma sargento” são formas tão erradas quanto “a menino”.

Em reportagem sobre o papel de militares nos jogos olímpicos do Rio, a rede Globo acaba de afirmar que “mais duas sargentos” acabam de ganhar medalhas. Por favor, Rede Globo: não é porque os militares falam errado que vocês precisam passar adiante esse erro, que até ofende os ouvidos. Não há nenhum motivo pelo qual a palavra sargento seria uma exceção na língua portuguesa – é uma regra de português que os substantivos comuns masculinos terminados em “o” fazem seu feminino em “a”.

E, como ensinam o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa e todos os bons dicionários, “sargento” é palavra masculina (e não comum de dois gêneros: não existe, portanto “a sargento”). E o feminino, completamente regular, é sargenta – palavra devidamente registrada no Vocabulário Ortográfica da Academia Brasileira de Letras e em dicionários.

Em resumo: de acordo com os dicionários, com a gramática e com a Academia Brasileira de Letras, a palavra “sargento” é um substantivo apenas masculino, e o seu feminino é sargenta, e formas como “a sargento“, “uma sargento“, “duas sargentos” são erros grosseiros que até se explicam pela falta de costume (afinal, ainda há, infelizmente, relativamente poucas mulheres nas forças armadas), mas que em termos gramáticos fazem tanto sentido quanto “uma menino” ou “uma brasileiro“.

sol

Em português, “burquíni”, não “burkini”

quiz_veu5

O traje de banho cujo nome mistura burca com biquíni fez notícias nos últimos dias, com a polêmica de sua proibição em praias francesas. Os veículos de comunicação que usaram a palavra, porém, dividem-se em dois grupos: aqueles que, como sói ocorrer, limitaram-se a copiar e colar a grafia tirada das notícias em inglês – burkini – e aqueles poucos que sabem que uma palavra não precisa estar nos dicionários para ter uma grafia correta em português – que, neste caso, só pode ser burquíni, com “qu” e com acento agudo.

Burquíni” precisa de acento pela mesma razão que “biquíni“: porque é uma regra de acentuação que as palavras paroxítonas terminadas em “i” precisam de acento – como também são o caso de táximartínicáqui (a cor), etc. Isso para diferenciá-las das palavras oxítonas terminadas em “i”, que, em português, não levam acento: aquialicaqui (o fruto), daiquiri, tupiguarani, Sacivivicomibebidesapareci.

A poeta ou a poetisa? “Poeta” pode ser masculino ou feminino

Uma mulher que escreve poesia é uma poeta ou uma poetisa? Novamente, para o desespero dos boçais linguísticos que odeiam a riqueza da língua portuguesa, por lhes privar do prazer de apontar erros aos demais e corrigi-los, é este um caso em que tanto faz: “a poeta” é forma tão correta quanto “poetisa”, como se lê em boas gramáticas atualizadas e na mais recente edição do Dicionário Houaiss:

IMG_2052

Como mostra o Dicionário Houaiss, poeta, hoje, é um substantivo de dois gêneros: pode dizer-se “o poeta” ou “a poeta”. Mesmo assim, o Houaiss prefere explicitar: “a palavra poeta pode ser usada para homens e mulheres“.

Embora “poetisa” seja a forma tradicional e continue a ser absolutamente correta, há grande número de mulheres poetas que preferem ser chamadas de “poeta”.

Note-se que não é caso único da palavra “poeta” (as mulheres cônsules também há muito já preferem ser chamadas aqui, rejeitando a forma “consulesa”, hoje de uso restrito às esposas de cônsules), nem é capricho da língua portuguesa: em francês é considerado correto o uso de “la poète“, e, em espanhol, de “la poeta“, ao lado das formas flexionadas. São opções que as línguas têm.

De resto, o que se deu em português com a palavra “poeta”, que os antigos dicionários (e os ainda desatualizados) traziam como substantivo feminino, é o mesmo que se deu com várias outras da língua, de que são exemplos cônsuloficial marechal – que, tradicionalmente, eram substantivos apenas masculinos, sendo tradicionalmente de regra o uso, no feminino, das formas flexionadas consulesaoficialamarechala, mas que hoje já caíram em desuso, sendo substituídas pelas neutras “a cônsul“, “a oficial“, “a marechal” – formas hoje tão corretas quanto “a poeta” (ou ainda como a hoje majoritária, porém relativamente inovadora forma “a presidente“).

Olimpíada ou olimpíadas? O certo é “a olimpíada” ou “as olimpíadas”?

bandeira-olimpica
Tanto faz dizer “a olimpíada do Rio” ou “as olimpíadas do Rio” (ou, ainda, “os jogos olímpicos do Rio”).

O certo é olimpíada do Rio ou olimpíadas do Rio? As olimpíadas de Tóquio ou a olimpíada de Tóquio? Para o desespero daqueles que adoram corrigir os demais, este é um daqueles vários casos da língua em que tanto faz: “olimpíada” e “olimpíadas” são sinônimos. Quem diz o contrário não sabe interpretar um dicionário.

Há os ignorantes que chamam de burros os que se referem, no singular, à “olimpíada” do Rio, ou à última olimpíada, ou à próxima olimpíada, etc. Isso porque, afirmam, achando-se sabichões, o primeiro significado de olimpíada no dicionário é: “Na Grécia antiga, período de quatro anos entre dois jogos olímpicos que servia para a contagem do tempo“. Sim, olimpíada significava, portanto, um período de quatro anos. Mas qualquer sabichão deveria saber que a maioria das palavras têm mais de um significado – e, como indicam os mesmos bons dicionários (ver aqui), “olimpíada”, no singular, é, também, um sinônimo de “jogos olímpicos”.

E “olimpíadas”? Segundo os mesmos dicionários (vejam aqui, por exemplo, o Michaelis), também significa “jogos olímpicos”.

Portanto, tanto faz dizer “a olimpíada do Rio” ou “as olimpíadas do Rio” (ou, ainda, “os jogos olímpicos do Rio”). É exatamente a mesma coisa. Está errado quem diz que a forma no plural está errada – assim como também estão erradas as pobres almas que dizem o contrário: sim, também existem os “gênios da gramática” que dizem que, se a olimpíada do Rio é somente uma, estaria errado dizer “as olimpíadas de 2016”, etc.

Ignorância deles: há, na língua portuguesa, várias palavras que podem ser usadas tanto no singular quanto no plural, sem modificação de sentido: pode-se dizer “Tinha muito ciúme dele” ou “Tinha muitos ciúmes dele“; “Estou com muitas saudades de você” ou “Estou com muita saudade de você“, indiferentemente. E, do mesmo modo, é perfeitamente correto dizer tanto “a olimpíada de 2020” quanto “as olimpíadas de 2020“.

“Peleumonia” x “Catéter”: erro de pobre, erro de rico

o-MEDICO-facebook

Ganhou espaço na imprensa brasileira nos últimos dias o caso de um jovem médico que ridicularizou paciente que se queixara de uma suspeita de “peleumonia“. “Não existe peleumonia“, afirmou o médico, com base em que, de fato, “peleumonia” não está no dicionário. A ironia, porém, é que a classe médica brasileira sabidamente usa aos montes , diariamente, palavras que não estão nos dicionários – como “catéter“, palavra usada diariamente por médicos de todas as regiões do país (como se viu por ocasião de reportagem sobre a reutilização de cateteres em hospitais, exibida na TV também nesta semana). No Aurélio (e no Houaiss, no Michaelis, no Aulete, no Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de Letras, etc.), só existe cateter, palavra oxítona.

Em outras palavras, qualquer que seja o critério para definir se uma palavra existe (se seu uso no dia a dia, ou sua presença em dicionários), “peleumonia” existe (ou não) tanto quanto “catéter“. Então por que os mesmos médicos que zombam de quem usa aquela não tem vergonha de usar “catéter“? Pura hipocrisia linguística.

Diariamente se vê muito desse tipo de hipocrisia, que dá tratamento diferente a erros de português baseando-se não no erro em si, mas no meio em que se ouvem – é a diferenciação entre “erros de pobre”  Mas, erro por erro, o paroxítono catéter, queridinho dos médicos brasileiros, é tão errado (ou tão correto, a depender do nível de permissividade linguística) quanto “peleumonia“.